Werner Schror Leber

Werner Schror Leber
Sou ensinador. E só ensino o que posso. Procuro não atrapalhar os outros quando não sei. Todavia, hoje defino-me como um cético lúcido, se é que tal definição faz algum sentido. Entretanto, o que eu mais gosto de fazer é aprender e ficar em silêncio.
(26) artigos publicados
Membro desde novembro de 2012
Publicado em 25 de May de 2017 em Literatura

A ciência e a teologia como literatura em Rubem Alves

Publicado em 24 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

Resumo do livro X de A REPÚBLICA

Publicado em 24 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

Resumo do Capítulo 1 de a ÉTICA A NOCÔMACO, de Aristóteles

Publicado em 21 de May de 2017 em Filosofia

Uma nota sobre o encontro da filosofia helênica com a fé cristã

Publicado em 21 de May de 2017 em Literatura

UMA PEQUENA APORIA SOBRE POESIA, ESCREVER E FILOSOFIA

Publicado em 21 de May de 2017 em Educação

FILOSOFIA E ENSINO: A QUESTÃO DO VESTIBULAR

Publicado em 21 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

Comentários sobre VERDADE E MENTIRA NO SENTIDO EXTRAMORAL, de Nietzsche

Publicado em 19 de May de 2017 em Filosofia

Aspectos Lógicos em Bertrand Russell

Publicado em 16 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

Resenha das Seis Partes do DISCURSO DO MÉTODO de René Descartes

Publicado em 14 de May de 2017 em Literatura

A influência da cultura portuguesa na literatura brasileira

Publicado em 14 de May de 2017 em Educação

A importância da LIBRAS para o Ensino Atual.

Publicado em 14 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

Resenha do Livro VII de A REPÚBLICA, de Platão

Publicado em 14 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

A desigualdade entre os homens, conforme Rousseau

Publicado em 14 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

A dúvida e o espírito humano nas Meditações 1 e 2 de Descartes

Publicado em 08 de May de 2017 em Sociedade e Cultura

O Fetiche da Mercadoria conforme os intelectuais de Frankfurt

Publicado em 08 de May de 2017 em Sociedade e Cultura

Sexualidade e gênero

Publicado em 08 de May de 2017 em Resumos e Resenhas

Destino e liberdade em Sartre e Tillich