TIPOLOGIA BÍBLICA
 
TIPOLOGIA BÍBLICA
 

TIPOLOGIA BÍBLICA

 

A Bíblia está cheia de figuras, símbolos, tipos e sombras. Um destes é a figueira. A figueira é um dos símbolos da nação de Israel e algumas referências que falam dela dão-nos uma excelente visão de alguns aspectos desse povo especial, escolhido por Deus. Vejamos:

 

GÊNESIS 3.7 – “Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas DE FIGUEIRA, e fizeram para si aventais.”

 

Vemos aqui o primeiro sinal de substituição da providência de Deus pela obra do homem. Este ato apontava para o futuro: um povo, uma raça, uma lei, um rei, um templo, tudo substituindo o governo de Deus.

 

JOÃO 1.48 – “Disse-lhe Natanael: Donde me conheces tu? Jesus respondeu, e disse-lhe: Antes que Filipe te chamasse te vi eu estando tu DEBAIXO DA FIGUEIRA”.

 

Natanael estava debaixo da proteção de Israel, da sua religião, através da qual podia até aventurar-se em um tipo de interpretação tradicional e perigosa, quando lançou dúvida sobre a veracidade do que lhe dizia Filipe, com esta pergunta sarcástica, estratificante e preconceituosa:

 

Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? (João 1.46).

 

Quando Jesus mostrou seu discernimento profético, Natanael imediatamente reconheceu que a figueira/Israel não era mais a sua proteção, ao afirmar:

 

Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel! (João 1.49).

 

MATEUS 21.19-21 – “E avistando UMA FIGUEIRA perto do caminho, dirigiu-se a ela, e não achou nela senão folhas.”

 

Eis um quadro exato de  Israel. Tinha pompa e cerimônias, porém não tinha os devidos frutos, tinha somente aquele belo aspecto exterior, mas era algo sem qualquer valor.

 

MATEUS 24.32 – “Aprendei, pois, a parábola DA FIGUEIRA: quando já os seus ramos se renovam e a folhas brotam, sabeis que está próximo o verão.”

 

Nos últimos dias a figueiras seca começa outra vez a brotar com seus renovos. É a gloriosa restauração da terra de Israel.

 

PROVÉRBIOS 27.18 – “O que trata DA FIGUEIRA comerá do seu fruto.”

 

Aquele que cuidar da figueira/Israel, agora, comerá do seu fruto. Bem aventurados aqueles que amam a Israel e oram por ele, como diz o Salmo 122, versículo 6: “Orai pela paz de Jerusalém: Prosperarão aqueles que te amam.” Ou, como dia o Salmo 137, versículo 5: “Se eu me esquecer de ti, ó Jerusalém, esqueça-se a minha destra da tua destreza.”

 

CANTARES 2.11-13 – “Porque eis que passou o inverno, cessou a chuva e se foi; aparecem as flores da terra, chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A FIGUEIRA começou a dar seus figos e AS VIDES em flor exalam o seu aroma; levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem.”

 

Aqui entra em cena outra entidade importante – a igreja cristã – a Videira. A noiva é convidada e a igreja israelita está em sua plenitude aqui.

 

LUCAS 13.6,7 – “Então Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha UMA FIGUEIRA plantada na sua VINHA e, vindo procurar fruto nela, não achou. Pelo que disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não acho; pode cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra?”

 

Aqui vimos Israel inserido no contexto da Igreja e Jesus durante três anos tentando descobrir algum meio de Israel frutificar.

 

No versículo seguinte o viticultor pede mais um ano para tentar – era o último ano do ministério de Jesus. A figueira/Israel, contudo, não o recebeu, antes crucificou-o, o que lhe rendeu quase dois mil anos de peregrinação por um verdadeiro vale de lágrimas.

 

JEREMIAS 8.13 – “Eu os consumirei de todo, diz o senhor; não haverá uvas na VIDE, nem figos NA FIGUEIRA, e a folha já está murcha; e já lhes designei os que passarão sobre eles.”

 

Eis aqui o anúncio da queda de Israel e da apostasia da Igreja.

 

JOEL 2.22 – “Não temais, animais do campo, porque os pastos do deserto reverdecerão, porque o arvoredo dará o seu fruto, A FIGUEIRA, e a VIDE produzirão com vigor.”

 

Aqui encontramos exatamente o oposto: o anúncio da restauração de ambos.

 

ZACARIAS 3.10 – “Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, cada um de vós convidará o seu próximo para debaixo da VIDE e para debaixo da FIGUEIRA.

 

“No final, uma obra gloriosa, a restauração de Israel, voltando para a Terra Prometida e o anúncio da restauração da Igreja, voltando a sua capacidade original, mas..

 

...cada um no seu lugar!

 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Paulo De Aragão Lins
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
O Rev. Dr. Paulo de Aragão Lins é autor de vários livros, quase todos versando sobre a Bíblia, seu assunto favorito. É jornalista, conferencista em todos os Estados brasileiros, em vários países das três Américas e em toda a Europa Ocidental. Em 1999 recebeu a ?International Medal of Honor? da Unive...
Membro desde novembro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: