O Amor Divino E O Amor Terreno
 
O Amor Divino E O Amor Terreno
 


O AMOR TOTAL E O DOM DO AMOR: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O SAGRADO E O SECULAR

1. INTRODUÇÃO

O poeta Vinicius de Moraes é fonte inesgotável de comentários e análises, onde sua obra éperfeita matéria-prima para a literatura comparada. Mestre em descrever poeticamente os sentimentalismos humanos, esse autor tem capacidade de tocar o mais fundo da alma humana com sua arte de recitar palavras. Vinicius é surpreendente, por que consegue transpor as barreiras da linguagem culta e escrever com vocábulos simples os mais belos poemas.

Nesse artigo, contempla-se o tema amor retratado no "Soneto de Amor Total" de Vinicius de Moraes, com o amor bíblico de I Coríntios 13: 4- 13,comparando-os após uma análise axiológica de ambos os textos.

2. A LITERATURA COMPARADA

A Literatura comparada é sem dúvida um termo de difícil definição, como qualquer outro termo literário, devido a sua subjetividade. As reflexões sobre a natureza e o funcionamento dos textos, sobre as funçõesque exercem no sistema que integrama literatura a outros sistemas semióticos abriram caminho para a reformulação de alguns conceitos básicos da literatura comparada.

O Século XX foi o século da institucionalização da literatura comparada como disciplina acadêmica. Coexistindo com a teoria, com a critica e com a história literárianuma imbricaçãomuito precisa, na qual as várias disciplinas matem suas especialidades conceituais e formas de atuação particulares. Onde todas as disciplinas têm um objeto de estudo, a literatura, isto é, o texto literário 1.

Segundo Tânia Carvalhal, literatura comparada designa "uma forma de investigação literária que confronta duas ou mais literaturas"(1986, p. 5). Todavia, quando em contato com trabalhos classificados como estudos literários comparados, percebe-se que essa denominaçãoacaba por rotular investigaçõesbem variadas, que adotam diferentes metodologias e que, pela diversificação dos objetos de análise, concedem à literatura comparada um vasto campo de atuação:

Paralelamente a um denso bloco de trabalhos que examinam a migração de temas, motivos e mitos nas diversas literaturas, ou buscam referencias de fontes e sinaisde influencias, encontramos outros que comparam obras pertencentes a um mesmo sistema literário ou investigam o processo de estruturação das obras. A diversidade desses estudos acentua a complexidade da questão.

Além disso, a dificuldade de chegarmos a um consenso sobre a natureza de literatura comparada, seus objetivos e métodos, cresce com a leitura de manuais sobre o assunto, pois neles encontramos grande divergência de noções e de orientações metodológicas. Muitos fogem a essas questões. Outros dão conta das tendências tradicionalmente exploradas sem problematizá-las. Alguns tendem a uma conceituação generalizada. E há ainda os que preferem restringir a determinados aspectos o alcancedos estudos literários comparados (1986, p.5-6).

Vê-se que a definição sobre o termo literatura comparada não é tranqüilo. Comparar não é um método especifico, mas um procedimento mental que favorece a generalização ou diferenciação. Assim sendo, cabe a literatura comparada fazer um paralelo sobre determinado assunto, obra ou autor.

Deste modo, a literatura comparada compara não pelo procedimento em si, mas por que, como recurso analítico e interpretativo, a comparação possibilita a esse tipo de estudo literário uma exploração adequada de seuscampos de trabalho e o alcance dos objetivos a que se propõem 2. Em síntese, a comparação mesmonos estudos comparados é um meio e não um fim.

É esse meio comparativista, que utiliza-se neste trabalho, confrontando dois textos literários. Um secular, fundamentado no discurso pagão, e outro texto bíblico, fundamentado no discurso Cristão.

3. O AMOR TOTAL

Nesse soneto, alguém apaixonado declara-se a pessoa amada de maneira absolutamente desesperadora. Isso porque se vê frente a uma situação que realmente desejava. "O sonetode amor total" de Vinicius de Moraes, fala sobre o sentimento de amor que alguém pode sentir em relação a outro.

As primeiras obras de Vinícius de Moraes foram escritas sob o signo da religiosidade neo-simbolista, mas a urgência biográfica logodeslocou o eixo de poemas lírico por excelência para a intimidade dos afetos e para a vivencia erótica.

Na primeira estrofe do poema verifica-se o vocativo, uma dualidade e um adjetivo de incondicionalidade:

Amo-te tanto, meu amor... não cante

O humano coração com mais verdade...

Amo-te como amigo e como amante

Numa sempre diversa realidade.

No primeiro verso, a expressão "Amo-te tanto" indica uma condição de amplitude sentimental, onde o poeta, não determina o quanto sente, mas dá a entender que o que ele sente não é pouco. O vocativo se dá com a presença das palavras "meu amor", que confirmaa condição de sentimentalidade. Após isso, "não cante..." quer dizer que o poeta deseja que não se celebre em poesia.

O segundo verso da primeira estrofe "O humano coração com mais verdade" explicita que o poeta ao se declarar asua amada, despe-se de qualquer faceta e faz-se simplesmente humano para afirmar que o que sente está isento de mentiras e dedicado a mais verdades.No terceiro verso há desdobramento da palavra total, pois amar como "amigo e como amante " remete a dois planos. O primeiro tipo de amor (amor de amigo) está relacionado com o plano espiritual, e o segundo tipo de amor (amor de amante) está relacionado com o plano carnal, aspecto físico.

O quarto verso da primeira estrofe do poema significa implicitamenteuma dualidade. A seqüência de palavras"Numa sempre diversa realidade" põe o amor sentido pelo poeta no âmbito do sentimento incondicional. Independentemente da situação externa em que se encontrem o amor que o poeta sente pela amada não mudará.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante

E te amo além, presente na saudade

Amo-te, enfim, com grande liberdade

Dentro da eternidade e a cada instante.

A segunda estrofe do poema de Vinicius de Moraes retrata a subserviência, saudosismo e na amplitude temporal e espacial. No primeiro verso, pode-se remeter aos amores do trovadorismo e do romantismo, onde o amador está em uma posição de subserviência ao amado. A frase "de um calmo amor prestante", significa que o poeta ama de maneira não relutante, calma de um amor prestativo, serviçal, tal qual o poeta da cantiga de amor ama. Ao recitar a palavra "além" na segunda estrofe, o poeta posiciona seu sentimento num patamar além do que já foi dito nas estrofes anteriores. Outro aspecto supra espacial do amor revelado pela análise são as palavras "presente na saudade".

O poeta tende concluir sua declaração ou ao menos definir seu sentimento ao pronunciar que "ama com grande liberdade". O sentimento ao qual se refere é aquele que não tem limites, um amor sem restrição, sem estar apegado à outra coisa senão a sua amada. Note-se que a utilização do vocábulo "grande" indica que o define o seu amor é ainda maior, porque é grande. Dá-se um sentido espacial nesse verso.

No último verso da segunda estrofe, está mencionado o aspecto temporal, verificados pela presença das palavras eternidade e instantes. A liberdade (definida como grande)na qual ama o poeta sua amada, está situada temporalmente no infinito, dela é abstraída a idéia de tempo cronológico, marcado pelo relógio ou calendário. Ao pensar em infinito, o consciente logo se desliga a idéia de presente e liga-se a de futuro sem determinação, de algo que nunca acaba. Ao mesmo tempo em que se desliga da temporalidade cronológica, o poeta vincula-se ao pormenor de "cada instante", que remete a idéia de tempo marcado, contáveis e finitos. Ele a ama nos dois pontos temporais seja no finito ou no infinito.

Amo-te como um bicho, simplesmente.

De um amor sem mistério e sem virtude

Com um desejo maciço e permanente.

Na terceira estrofe, do primeiro verso pode-se concluir que o amor do poeta é irracional. Visto que, se quem ama como um bicho ama irracionalmente sem a capacidade avaliativa. A posição da palavra simplesmente conduz o leitor a interpretação de queo que o poeta sente é somente um amor irracional. Todavia, quer dizer que se sente é puramente um amor desvairado, despojado de consciência. Tornando-se apenas momentos de carnalidades. O segundo verso alude a um amor tido as claras, sem mistério. Como algo que não está indeciso. Sem virtude, desprovido de qualquer pudor humano, social. Com um desejo maciço ( forte, rígido) e permanente (ininterrupto, constante).

E de te amar assim muito e amiúde

É que um dia em teu corpo de repente

Hei de morrer de amar mais do que pude.

A quarta estrofe do soneto reflete a intensidade do amor e a sua freqüência, onde o poeta delimita o modo de amar: "E de te amar assim muito e amiúde" (amiúde = freqüentemente). Tendo como causa esse amor, pois o segundo verso inicia com as palavras "é que", que dá idéia de"devido a". Finalizando o verso com a plenitude do amor carnal e espiritual, onde quando os dois unidos pelo ato sexual, representado por "em teu corpo",um dia (indefinição temporal). O soneto expressa o desejo do poeta em findar sua vida no êxtase do amor, pois na ultima estrofe ele almeja (hei) morrer de amar (não de outra coisa) mais do que pude (ou do que é humanamente possível).

Assim, o "Soneto de amor total" trata de uma declaração de amor de um poeta apaixonado a sua amada, onde unem-se o amor espiritual ao carnal.

4. O DOM AMOR

Paulo escreveu duas carta a Igreja deCoríntios, capital da província romana e Acaica. Embora uma cidade antiga, Corinto fora destruída pelos exércitos romanos em 146 a. C. Após um século em ruínas, a cidade foi reconstruída em 44 d. C. como colônia de Roma. Paulo pregou pela primeira vez a mensagem de Jesus em Corinto durante sua permanência de um ano e meio lá, quando ele reuniu uma congregação formada, sobretudo por gentios nesse centro comercial do sul da Grécia (at 18: 1  18).

Nenhuma carta reproduz imagem mais vivida da vida dentro de uma comunidade cristã do primeiro século do que 1 Coríntios. Vêem em suas páginas o entusiasmo dos cristãos, suas lutas e tentativas de entender uma nova ordem religiosa e social, diferente das culturas judaicas ou greco-romanas em queeles haviam sido criados. A carta fala sobre as tentativas de Paulo para orientar os fieis na edificação da comunidade, baseadas em sua compreensão dos valores fundamentais da fé em Jesus Cristo (BIBLIA, 2003).

No texto em análise o profeta diz que:

O amor é paciente, é benigno. O amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre tudo crê, tudo espera, tudo suporta (CORINTIOS, 13: 4-7)

Com isso ele elenca algumas características do amor, tais como, a paciência e o bem. Separando o amor de um sentimento presente em todas as sociedades, que é o ciúme. O amor para Paulo não se ufana (não é vaidoso), não se ensoberbece (não é orgulhoso). O amor procura olhar pelo próximo. Não se alegra com injustiças.

O amor jamais acaba; mas havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas cessarão; havendo ciência passará; porque em partes conhecemos e em partes profetizamos (CORINTIOS, 13: 8-9).

Nesse trecho do texto bíblico o amor é infinito, eterno, pois ele "jamais acaba". E cita como exemplos, as profecias, as línguas, a ciência que por mais que pareçam não são eternas. E nos próximos versículos Paulo adverte que: "Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado" (CORINTIOS, 13: 9). Isto é, que no dia (ainda indeterminado) em que vier (ou voltar) o perfeito (Jesus Cristo) então o que é em parte (não semente de Deus ou do Diabo) será aniquilado (destruído).

O amor é dom divino manifestado não em intensas experiências místicas, mas na vida quotidiana. Mostra a si mesmo a paciência e a bondade, evitando jactância, arrogância, egoísmo e ressentimento. Tudo tolera, crê, espera e suporta sem falta (BIBLIA, 2003, p. 386).

Conforme o exposto acima, o amor é mostrado como produto externo à condição humana ou animal. Está manifestado a partir da ligação entre homens e Deus  pai, diferentemente dos rituais míticos. Na prática da vida cotidiana.

Os Coríntios achavam que suasexperiências místicas sentiam o poder da era vindoura. Nada disso, dizia Paulo. Os dons espirituais eram manifestações apenas para este mundo, auxílios para nossa capacidade limitada, infantil. Pois, só permanecem a fé, a esperança e caridade... Porém, o maior dela é o amor (BIBLIA, 2003, p. 386).

4. CONCLUSÃO

Portanto, o amor divino é diferente do amor total.E se diferem em vários aspectos.

O amor deVinícius é absolutamente desesperador, isto é, não é paciente, ao contrário do amor bíblico que começa o texto afirmando que é paciente e benigno (não causa mal algum). O amor pagão tomou conta do poeta, deixando o quase cego de amor, perdido sem rumo. Declarando sua sentimentalidade de forma incondicional, seja de forma amiga ou sexual. Contudo o amor bíblico se abre para uma espécie de sentimento supremo, sem orgulho, comoalgo controlável, diferente da ardência da paixão.

O amor pagãoretrata a subserviência, saudosismo e na amplitude temporal e espacial (a frase "de um calmo amor prestante", significa que o poeta ama de maneira não relutante, calma de um amor prestativo, serviçal, tal qual o poeta da cantiga de amor ama). Da mesma forma que o amor bíblico, refere-se ao amar como um sentimento que não procura os seus interesses.

O poeta secular ama além do aspecto supra espacial, querendo ainda afirmar a condição de incondicional sentimentalismo. A liberdade (definida como grande)na qual ama o poeta sua amada, está situada temporalmente no infinito, dela é abstraída a idéia de tempo cronológico, marcado pelo relógio ou calendário. Ao pensar em infinito, o consciente logo se desliga a idéia de presente e liga-se a de futuro sem determinação, de algo que nunca acaba. Ao mesmo tempo em que se desliga da temporalidade cronológica, o poeta vincula-se ao pormenor de "cada instante", que remete a idéia de tempo marcado, contáveis e finitos. Ele a ama nos dois pontos temporais seja no finito ou no infinito. Porém o amor bíblico " "tudo sofre tudo crê, tudo espera, tudo suporta" e é complementado pela estrofe seguinte que diz que o "O amor jamais acaba; mas havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas cessarão; havendo ciência passará; porque em partes conhecemos e em partes profetizamos", sendo também considerado eterno e supremo a todas as outras coisas.

O amor bíblico o amor é mostrado como produto externo à condição humana ou animal. Está manifestado a partir da ligação entre homens e Deus  pai, diferentemente dos rituais míticos. O amor secular diferentemente é comparado com um animal (irracionalidade): amando como um bicho ama irracionalmente sem a capacidade avaliativa. A posição da palavra simplesmente conduz o leitor a interpretação de queo que o poeta sente é somente um amor irracional. Sendo esse amor fruto decarnalidades, sem virtude, desprovido de qualquer pudor humano, social. Com um desejo maciço ( forte, rígido) e permanente (ininterrupto, constante).

Segundo o texto bíblico o amor cristão é um DOM, manifestações apenas para este mundo, auxílios para nossa capacidade limitada, infantil. Tendo um aspecto mais espiritual do que terrenos. Oamor secular,se reveste de sentimentos de paixão e aspectos carnais, frutos de um mundo extremamente terreno, irracional, desligados das virtudes religiosas.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bíblia Sagrada. 1 Coríntios 13: 4- 13. Ed. Diante do Trono.

BOSI, Alfredo. História Concisa de Literatura Brasileira. São Paulo: Ed Cultrix, 2001.

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. Editora Atica. Série Princípios. São Paulo, 1986.

MORAES, Vinícius. Soneto de Amor Total. In: TUFANO, Douglas. Estudos de Literatura Brasileira. São Paulo: Ed. Moderna, 1998.

ZILBERMAN, Regina. A leitura e o ensino de literatura. São Paulo: Contexto, 1991.


1 Teorias em literatura comparada.

2 CARVALHAL. Tânia. Literatura Comparada. Ed. Ática. 1986, p. 6.

BLOG DO AUTOR: http://andreboelter.blogspot.com/

 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Andre Boelter
Talvez você goste destes artigos também