O Trinômio: Verdade ? evidência ? certeza
? O problema do conhecimento se dá pelo motivo do mesmo ser muita das vezes enigmático.
? A realidade que o ser humano pretende dominar é múltipla e complexa, portanto surgem inúmeras questões, sendo uma delas: será que o ser humano pode conhecer a verdade?
? Não há certezas, ou uma verdade absoluta que prove que a religião ou a ciência estejam certas quando à questão em pauta seja à verdade, e não há nada que prove que a humanidade esteja no caminho certo quanto à mesma.
? Cientistas, pesquisadores e estudantes procuram nos proporcionar evidências científicas, que com razoável razão nos indiquem senão a verdade, mas no entanto nos ajudem a compreender o universo, a vida e a realidade.

Verdade:
? Todos falam, discutem, e querem estar com a verdade, mas nenhum ser humano é dono da verdade, porém, esse problema se relaciona na forma de compreensão do indivíduo para com o mundo; e na complexidade e ocultamento da realidade, sendo que coisas ou objetos que queremos conhecer se manifestam de múltiplas formas.
? Toda a realidade jamais poderá ser captada por um investigador humano, pois objetos que estudamos podem ser apenas uma parte da verdadeira realidade que o mesmo pode apresentar.
? Nada invalida o esforço humano na busca pela realidade, pois o ser humano aborda diversas áreas, algumas com mais e outras com menos intensidade.
? Podemos dizer que o homem já conseguiu pelo seu esforço compreender muito diversas áreas e assuntos estudados, graças aos instrumentos e pesquisas científicas; a grande questão agora está em nos perguntar o que sabemos e conhecemos sobre o ser humano.
? Contudo o que é a verdade podemos dizer que é o desvelamento, a manifestação do ser, a lucidez do objeto ao olhar que só é alcançada com a inteligência e a compreensão humana.
? Ninguém é dono da verdade absoluta, pois os objetos só nos mostram parte de sua realidade, com isso acabamos por nos precipitar e fazer conclusões pelas imagens e objetos que vemos, o resultado dessas conclusões precipitadas é o erro.

A evidência:
? Os nossos erros são ocasionados pela nossa ignorância e atitudes precipitadas. A verdade só se resulta quando há evidências, sendo que a evidência é uma transparência, é um desvelamento da essência das coisas, sendo estes os critérios para se chegar a verdade.

A certeza
? A certeza se fundamenta na evidência a certeza é o estado elo espírito onde se consiste uma adesão firme a uma verdade; sem temor ou sombra de engano.
? Quando não há uma manifestação suficiente do objeto o sujeito será encontrado em outros estados de espírito, sendo esses casos a ignorância, a dúvida e a opinião.
? A ignorância é um estado intelectual negativo, a dúvida é um estado de equilíbrio entre a afirmação e a negação, e a opinião caracteriza-se pelo estado de afirmar como temor e se enganar.

A formação do espírito científico
? Feitas as distinções entre os níveis de conhecimento, esclarecidas as condições da verdade e do erro, ainda não será possível realizar um trabalho científico, pois o mesmo vai além de todas essas condições; ele necessita de rigor e seriedade para ser desenvolvido.
? O espírito científico, é o responsável pelo ânimo do cientista, fazer ciência não é privilégio de uma só pessoa, nem privilégio de povos, raças ou culturas.
? As condições de se fazer ciência variam nas formas de pesquisa, treinamento e objetivos.
? O espírito científico tem seu início na curiosidade infantil, depois na inquietação da adolescência; se bem cultivados esses aspectos a maturidade poderá resultar em adultos capazes de analisar e sistematizar os dados da realidade, de maneira lógica e coerente.
? O espírito científico, portanto, pode se dar em qualquer idade e em quaisquer circunstâncias.

Natureza do espírito científico
? O espírito científico busca soluções sérias aos problemas que se enfrenta; essa atitude de buscar essas soluções não são inatas nas pessoas; mas são conquistadas ao longo de suas vidas; através de seus esforços e exercícios.
? O espírito científico na prática; é a expressão de uma mente crítica, objetiva e racional.
? A crítica leva ao pesquisador a aperfeiçoar seu julgamento, pois criticar é julgar, distinguir, e a crítica por sua vez não terminada de negativa, ela é a oposição a aceitação do que é fácil e superficial.
? A objetividade se caracteriza no desprendimento da realidade estipulada pelo meio social; a objetividade é a condição básica da ciência, e o que vale não é o que um cientista imagina ou pensa, mas aquilo que realmente é.
? Não há meias soluções na objetividade, portanto nos entra a razão que não envolve os sentimentos do coração, que nada explicam ou justificam algo no campo da ciência.

Qualidades do espírito científico
? Podemos atribuir várias qualidades ao espírito científico; tais como a humildade, a observação, a precisão, a busca por idéias claras.
? O espírito científico, ele é imparcial, ele não torce os fatos, respeita ao máximo a verdade.
? O possuidor do verdadeiro espírito cultiva a honestidade, não colhe o que outros plantaram, tem horror a acomodação e é corajoso para enfrentar os perigos e desafios que a sua pesquisa possa oferecer.
? A honestidade está relacionada com a verdade dos fatos que se investiga.

Importância do espírito científico
? Não é necessário encarecer o espírito científico, pois o universitário vai adquirir conhecimento e buscar seu aperfeiçoamento sozinho, procurando resolver problemas que serão apresentados ao longo dos seus conhecimentos científicos.
? Logo se faz necessária o espírito da criatividade e da iniciativa, que aliados não achar a solução mais indicada que as circunstâncias exigem, ao longo de seus estudos universitários.
? Pouco a pouco, institui-se um mundo científico, um certo clube onde você se torna membro e é iniciado nesse meio, pois nada que diz respeito a ciência se aprende em um dia.
 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Jhaymerson Moura Sousa
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou aluno de Geografia, e desejo fazer de meus trabalhos e pesquisas, referências para outros alunos independente de seu campo acadêmico.
Membro desde setembro de 2010