A Modernização das Forças Armadas Brasileiras
 
A Modernização das Forças Armadas Brasileiras
 


A modernização das Forças Armadas Brasileiras.Roberto Ramalho é Advogado, Relações Públicas e Jornalista.Quais seriam as prioridades definidas na Estratégia Nacional de Defesa? Segundo o ministro da Defesa Antonio Jobim, em entrevista a Agência Brasil, são três as grandes prioridades: a primeira é reorientar e reorganizar as Forças Armadas; a segunda, privilegiar a indústria nacional de defesa; e a terceira, tratar da questão do efetivo militar, do serviço militar obrigatório. Por decisão política do presidente Lula, adotou-se uma visão diferenciada em relação ao Exército, à Marinha e à Aeronáutica, embora o Brasil não tenha inimigos.Sobre o processo de compra dos 36 caças pela Força Aérea Brasileira, chamado de Projeto F-X2, a FAB está analisando modelos de três empresas: a americana Boeing, a francesa Dassault, a e o consórcio anglo-sueco Saab Gripen, finalistas da licitação. A entrega dos primeiros caças está prevista para acontecer em 2014. A compra e renovação da frota de caças representa importante oportunidade de impulsionar a indústria nacional. O acordo com a empresa vencedora vai prever a transferência de tecnologia para o Brasil. Até agora foi feito um acordo entre Brasil e França para a compra de 52 helicópteros de última geração com transferência de tecnologia e de outros helicópteros russos com tecnologia avançada.

Mas o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que participou recentemente do aniversário da Revolução Francesa acompanhado por deputados de vários partidos políticos, esteve tão sintonizado com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, que já está até pensando em escolher os aviões de caça supersônicos Rafale, da empresa aeronáutica Dassault, contrariando o comandante da Aeronáutica Brigadeiro Junite Saito e o alto escalão da Força Aérea brasileira.

Em princípio, antes de se passar a fase final da licitação de escolha dos aviões de caça supersônicos, aviadores que tinha voado do caça russo Sukkoi, tinha gostado bastante do aparelho e o elogiaram dada a sua autonomia de vôo.

No programa de modernização de frota, denominado FX-2, devem ser desembolsados aproximadamente US$ 5 bilhões, de acordo com fontes ligadas ao setor, que garantem que o resultado da concorrência internacional deve sair ainda neste semestre, conforme apurou o DCI.As principais variantes a que a Aeronáutica se refere dizem respeito aos itens fundamentais e que influenciarão no processo de escolha da compra do avião de caça escolhido,mas que no entanto levam em consideração as características de cada projeto como preço, custo de manutenção e as compensações comerciais e transferência  tecnológica, com a promessa deste último item ter um peso relevante na decisão final.No entanto, desde o começo querendo mostrar suas vantagens competitivas, a Boeing Company ofereceu ao Brasil um dos caças de guerra mais avançados do mundo: o F/A-18E/F Super Hornet. Que segundo Bob Gower, vice-presidente dos programas F/A-18 e EA-18 da Boeing Integrated Defense Systems, afirmou ser "o Super Hornet que propomos está equipado com tecnologias de ponta, um caça multimissão que está pronto para qualquer combate, concluiu.Porém, desde o início do processo licitatório, o consórcio anglo-sueco Saab Gripen havia afirmado que teria condições de trabalhar em conjunto com a Empresa Brasileira de Aeronática (Embraer), caso seu avião fosse selecionado pela Aeronáutica e pelos brigadeiros e demais militares que compõem o alto comando. Segundo informações extra-oficiais o caça Gripen está acirrado no favoritismo em relação aos Rafaeles franceses, hoje considerados aviões de última geração, e que como eu afirmei anteriormente, um dos favoritos para ganhar a escolha pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim.Em artigo publicado na Gazeta Mercantil em abril, o ex-presidente da Embraer, Ozires Silva, já afirmava que havia a necessidade de se criar condições para fomentar a criação de novas indústrias bélicas locais. Dizia ele: Em documento aprovado pelo presidente da República, o Ministério da Defesa do Brasil divulgou, no final de 2008, a Estratégia de Defesa Nacional, enfatizando em vários momentos a acentuada importância de uma indústria local, produtora de material e de equipamentos de defesa. E sobre a decisão do governo Lula lançar uma política de defesa atuante para o país, Ozires Silva destacou: A atual decisão do governo de lançar uma política de defesa se justifica. Ela coloca em evidência prioridades, e uma delas é claramente reconhecida pelos especialistas, por meio da qual é reconhecido que nossas Forças Armadas não estão devidamente equipadas. E recentemente, no episódio da queda do avião da Air France, a Aeronáutica e a Marinha do Brasil, deram uma demonstração de altruísmo, responsabilidade e competência no resgate dos corpos dos passageiros e tripulantes mortos e de peças do aparelho, no vôo do Airbus A 330 AF 470 que ia do Rio de Janeiro a Paris, e caiu no Oceano Atlântico matando todos os seus ocupantes.Concluindo, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica informou que a concorrência está "em fase de finalização do processo", podendo o resultado sair a "qualquer momento." A assessoria enfatizou, porém, que a data específica depende de outras variantes, não respondendo, entretanto, quais eram elas.

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Roberto Jorge Ramalho Cavalcanti
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Formado em Direito em 1983, Relações Públicas em 1997, Jornalismo em 2008, pela Universidade Federal de Alagoas, exerci o cargo de Oficial de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas entre 1986 a 1996, exerci o cargo comissionado de Assistente administrativo lotado na Vigilân...
Membro desde agosto de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: