O TRABALHO COM MAPAS
 
O TRABALHO COM MAPAS
 


O TRABALHO COM MAPAS: limites e possibilidades

O presente trabalho tem como objetivo tecer uma reflexão acerca do trabalho com mapas em sala de aula no ensino da geografia. È pertinente afirmar a importância dessa prática para a efetivação de uma aprendizagem de qualidade.
Sabe-se que o contexto escolar possui uma demanda muito urgente por práticas educacionais que verdadeiramente venham a contribuir para que os alunos tenham uma aprendizagem significativa. E para que as aulas de geografia se tornem mais atrativas e com rendimento excelente é notável que o professor lance mão do trabalho com mapas. Esse é um excelente recurso para que os educandos possam construir a habilidade de ler e interpretar as informações desse instrumento útil na representação de lugares.
Ao conhecer diversas versões de mapa, os alunos analisam quais as informações são representadas e como elas refletem pontos de vistas. O professor de geografia deve oferecer diferentes variedades de mapas para serem analisados em sala de aula. Isso permite que os alunos despertem a curiosidade pelo processo de composição de um desenho e perceba que a linguagem cartográfica se presta a diferentes funções. De acordo com MARTINELLI (2009, p.21):
Todos os alunos devem ter a oportunidade de participar de momentos de observação, comparação e criação. Pode-se dizer que, além de representar, os mapas também constroem uma visão de mundo. Apresentar uma diversidade de materiais é uma maneira de compartilhar outros pontos de vista e estimular a postura crítica diante das representações.
O autor revela que cada mapa tem uma conotação condizente com a concepção da pessoa que o produziu. Por essa razão é importante que o professor ofereça uma grande variedade de mapas para que assim, os estudantes possam confrontar as visões dos autores. A partir da leitura e interpretação dos mapas, a aula de geografia vai ser uma maneira de ensinar aos alunos como possuir uma visão crítica das informações que o mapa reproduz.
Se o tema das aulas for o mapa-múndi, os alunos logo vão ver que diversas representações podem ser consideradas corretas. A mais tradicional de Gerhad Mercator, mostra a Europa no centro e o Hemisfério Norte com mais destaque que o sul. Embora seja amais usada, ela não é a única aceita. Com isso pode ser discutido nas aulas de geografia o eurocentrismo, a Europa como centro do mundo e das decisões.
O professor deve deixar bem claro que não há um mapa que seja mais ou menos verdadeiro ou fiel à realidade. Os alunos devem aprender com as aulas de geografia que todos os mapas são passíveis de distorções. O trabalho com essa temática pode ter várias dinâmicas e o estudo da disciplina em questão pode ser fascinante para os alunos.
Uma atividade bastante rica para ser trabalhada em sala de aula pelos alunos, é que eles reproduzam a trajetória da sua casa para a escola, do contorno e localização de sua casa em relação à cidade onde moram. Outra sugestão para trabalhar o mapa-múndi é estabelecer uma discussão acerca do meridiano de Greenwich. O uso dele como referência é bastante recente e o professor precisam explicar para a turma que nem sempre foi assim e essa é uma convenção relativamente recente. Segundo DURAND (2008, p, 97):
No mundo de hoje, marcado pela globalização e pela interatividade, o nosso desafio é pensar em mapas capazes de representar essa realidade dinâmica e os elementos que a compõem. Eles podem ser de assuntos específicos ou gerais de acordo com o desempenho e interesse dos alunos.

A partir daí pode-se inferir que o trabalho com mapas nas aulas de geografia apresentam uma riqueza ampla e pode vir a contribuir para o sucesso da aprendizagem escolar dos alunos. O papel do professor é planejar atividades dinâmicas, inovadoras e renunciar àquelas tradicionais práticas de fazer com que os alunos apenas desenhem um mapa. Para trabalhar com esse gênero em sala de aula o professor precisa ter objetivos concretos e bem definidos.
Vários objetivos podem orientar a prática docente no que se refere ao trabalho com mapas, um dos mais pertinentes seria possibilitar com que os alunos reconhecessem as diversas representações da realidade e refletir sobre as influências da linguagem dos mapas na constituição da nossa visão de mundo.
Através de um projeto bem elaborado o professor pode ensinar aos alunos, por intermédio dos mapas, assuntos direcionados a hidrografia, relevo, clima, vegetação, solo e aspectos econômicos do município. Pode-se sugerir que os alunos façam visitas planejadas pela cidade ou sítio para que eles possam perceber a localização concreta e transcrever para o papel em forma de mapas.
O trabalho cartográfico nas aulas de geografia pode começar por um ambiente conhecido, como a escola. Desenhando a sala de aula, os alunos aprenderão conceitos relacionados a lateralidade,proporcionalidade e distância. Noções como perto, longe e interpretações de símbolos são facilmente construídas a partir da elaboração e interpretação dos mapas.
Os mapas são ilustrações que frequentemente aparecem em livros, revistas, jornais e os alunos precisam ter contato com essa importante linguagem. É preciso estabelecer relações diretas entre as imagens e o texto escrito. Os alunos não podem restringir e limitar a noção de leitura apenas a palavra escrita, eles devem ter a habilidade de ler os mapas. Essas oportunidades de trabalhar com esse suporte possibilitam aos alunos observarem as soluções encontradas por profissionais para ilustrar questões abstratas e concretas, como política, territorialidade, economia, cultura, etc.
Em relação ao trabalho com mapas nas aulas de geografia, VESENTINI (2002, p.102) diz que:
Uma aula ministrada através da utilização de mapas, muitas vezes, basta por si só. É o caso dos cartogramas que traçam uma relação do mundo entre o aspecto dos países como um campo de forças versus o aspecto dos mesmos como um mundo de centros e periferias, o mundo da riqueza, espelhado através dos índices do PIB e do poder de compra, versus o mundo da concentração populacional, ainda como uma rede hierarquizada.
Como bem revela o autor, a prática de trabalho tendo como metodologia o mapa, é muito rica e oferece múltiplas oportunidades para o professor enriquecer suas aulas. Esse trabalho pode ser feito desde cedo, ainda nas salas de educação infantil, onde o professor deve apresentar para os alunos um mapa e mencionar sua utilização e importância. Ao longo da sua escolaridade o aluno deve ter o contato direto com esse recurso para construir habilidades de construção e leitura de um mapa, com diferentes informações.
Através da cartografia, análise de elementos cartográficos e elaboração de mapas, os professores podem ministrar suas aulas de forma mais dinâmica e fazer associação destes produtos a diversos temas da Geografia.
Na atualidade, os professores devem utilizar os mapas como um importante recurso didático na sala de aula. Não vivemos mais a era da memorização e da "decoreba", onde os mapas eram utilizados apenas para decorar nomes de rios ou para colorir países. Vivemos numa era onde devemos levar nossos alunos a serem indivíduos críticos e os mapas podem trazer tantas informações quanto um texto ou artigo sobre determinado assunto. Nas palavras de SIMIELLI (1999, p.33):
Entretanto, é claro que a utilização de mapas no ensino de geografia não se dá de maneira uniforme, cada caso é um caso. Isso se dá pelo fato de que nem todas as escolas adotam a alfabetização cartográfica nas suas séries iniciais, tornando mais difícil o trabalho com mapas em sala de aula, tanto para o professor como para o aluno. Assim, poderemos ter turmas de 5 a. ou mesmo de 8a. ano necessitando de uma alfabetização cartográfica. Muitas vezes, os próprios alunos de ensino médio e de graduação sentem dificuldade em fazer uma leitura e uma boa interpretação dos mapas.
Nesse sentido, se faz necessário começar desde cedo a apresentar os mapas para os alunos, só assim, os jovens estudantes não vão possuir dificuldades em trabalhar mapas no que se refere a sua leitura e interpretação. A utilização de mapas nas aulas de geografia é uma excelente forma de enriquecer o ensino aprendizagem dessa disciplina e quem sairá ganhando com isso serão os alunos.

REFERÊNCIAS
DURAND, Marie-Françoise. Atlas da Mundialização: compreender o espaço mundial contemporâneo. São Paulo: Saraiva 2008
MARTINELLI, Marcello. Mapas da Geografia e Cartografia Temática. São Paulo: Contexto, 2009
SIMIELLI, M.E.R. Cartografia no ensino fundamental e médio. In: CARLOS, Ana. (Org.). a Geografia na sala de aula.São Paulo: Contexto, 1999.
VESENTINI, J.William. Geografia Crítica. São Paulo: Ática, 2002















 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Maria Das Graças De Abrantes
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
EU SOU GRAÇA ABRANTES, GRADUADA EM PEDAGOGIA PELA UFCG .SOU PROFESSORA EFETIVA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE SÃO JOÃO DO RIO DO PEIXE-PB. TRABALHO COMO PROFESSORA HÁ 6 ANOS, JÁ LECIONEI NOS NIVEIS FUNDAMENTAL E NA EJA. ATUALMENTE TRABALHO COM EDUCAÇÃO INFANTIL. SOU LEITORA ASSSÍDUA DE PAULO FREIR...
Membro desde fevereiro de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: