O COTIDIANO ESCOLAR
 
O COTIDIANO ESCOLAR
 


Educar com qualidade e para a vida é o grande desafio da sociedade do século XXI. Em uma sociedade estratificada, a educação surge como um divisor de águas, na busca pela redução das desigualdades sociais e culturais existentes.

A excelência educacional é conquistada por meio de um processo que contempla: um ensino cognitivo de qualidade, com professores bem remunerados, bem qualificados, espaço físico apropriado, o apoio dos familiares dos educandos ao processo de ensino-aprendizagem, o envolvimento dos alunos nas atividades curriculares e extra-curriculares, dentre outros aspectos.

De acordo com, Fernando Haddad, ministro da educação o Brasil pretende alcançaruma educação de qualidade com o seguinte propósito:

"Melhorar a qualidade do ensino público é hoje reconhecida prioridade da nação. Para traduzir esse consenso em ação, colaboramos em duas iniciativas. A primeira é a construção de uma rede de escolas médias federais, com dimensão técnica e profissional. A segunda é proposta para reconciliar a gestão das escolas pelos Estados e municípios com padrões nacionais de investimento e qualidade." [1]

Um das grandes metas dos educadores engajados no processo educacional e da sociedade organizada é melhorar a qualidade de ensino ofertado na rede pública seja ela: municipal, estadual ou federal.

Desenvolver uma educação de qualidade significa além de preparar os alunos nos conhecimentos científicos sistematizados, prepará-los para a vida para que atuem como cidadãos críticos que sejam capazes de interferir na realidade circundande em que vivem. De acordo com José Manuel Moran a excelência na educação deve contemplar: "Uma educação de qualidade tem como foco, além do ensinar, ajudar a integrar ensino e vida, conhecimento e ética, reflexão e ação, a ter uma visão de totalidade."[2]

Essa busca pela qualidade educacional é um processo que não está só nas unidades escolares, ele envolve a comunidade do bairro onde a Escola está situada, a comunidade onde o educando reside, o seu núcleo familiar, os profissionais que atuam diretamente com os educandos (professores, técnicos e apoio administrativo e pedagógico) os profissionais das Secretárias de Educação estadual e municipal, os órgãos federais educacionais, bem como as entidades sem fins lucrativos.

Um país com uma educação de qualidade que tem como foco a autonomia dos seres envolvidos no processo é um país propício a ter um grande desenvolvimento nos seus diferentes setores tais como: político, econômico, científico, cultural, etc.

A sociedade moderna é complexa e, no campo do conhecimento, vivenciamos um processo dinâmico e sem volta. Nesse contexto, o processo de aprendizagem tornou-se igualmente complexo, intenso, vasto, além de contínuo. Para atender a uma sociedade dinâmica é necessário instituições de ensino que vivenciem no seu cotidiano práticas inovadoras e que formem os seus alunos para o pleno exercício da cidadania.

As transformações que vêem permeando a sociedade nas últimas décadas geram a necessidade de adaptação aos novos desafios impostos principalmente pelos avanços tecnológicos. A rapidez destas mudanças provoca aflição naqueles que estão envolvidos no processo educacional, pois não há formas mirabolantes, pelo menos a curto prazo, de acompanhar os processos de evolução social que muitas vezes atropelam as propostas de ensino. Para solucionar este impasse Cássio Rodrigues e Ana Cláudia de Souza no artigo: Por um Ensino Efetivo e Estratégico da Linguagem sugerem que uma solução intermediária para esta situação seria: "(...) promover, na esfera educacional, o desenvolvimento de estratégias especificas para lidar com as demandas da vida moderna."[3]

Para ocorrer uma efetiva melhora na qualidade da educação brasileira é necessário o envolvimento de todos os segmentos envolvidos no processo educacional. Desta forma os pais, a comunidade organizada, os professores, os funcionários administrativos, os gestores educacionais, os alunos e o poder público devem estabelecer, de forma coletiva, as metas a serem alcançadas estabelecendo as prioridades, a forma como serão executadas e avaliadas.

É importante salientar que para este processo ser significativo e produzir o resultado esperado alguns pontos devem ser observados pela equipe. Sendo assim, para que uma Escola venha ter um bom funcionamento e consequentemente oferte uma educação inovadora e de qualidade ela deve contemplar em seu plano de metas e ações aspectos como: realização de ações a longo, médio e curto prazo, de forma a atender as necessidades da comunidade escolar, planejamento e trabalho em equipe entre os participantes do processo de ensino-aprendizagem, transparência e clareza nas decisões e ações, qualidade do pessoal, respeito à cultura local da comunidade onde a Escola está inserida.

O grupo familiar é o grande pilar de sustentação de qualquer ser humano. Desta forma, a Escola deve buscar a participação da comunidade, conquistando as famílias para participarem, apoiarem e colaborarem com as ações desenvolvidas pela escola e que influenciam na aprendizagem de seus filhos.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Haddad, Fernando e Unger, Roberto Mangabeira. Ensino público de qualidade. Disponível em: http://www.contee.org.br/noticias/artigos/art69.asp. Capturado em 21/10/09, às 22h.

Moran, José Manuel. Novas tecnologias e Mediação Pedagógica. 12 ed. Campinas: Papirus, p.12. Disponível em: HTTP.//WWW.eca.usp.br/prof/moran/qual.htm. capturado em 05/10/2009, às 20h.

Rodrigues, Cássio e Souza, Ana Cláudia de. Por um Ensino Efetivo e Estratégico da Linguagem. Revista Pátio. Porto Alegre Ano XII, nº 45, pág. 22, fev/abr. 2008.


[1]Haddad, Fernando e Unger, Roberto Mangabeira. Ensino público de qualidade. Disponível em: http://www.contee.org.br/noticias/artigos/art69.asp.Capturado em 21/10/09, às 22h.

[2] Moran, José Manuel. Novas tecnologias e Mediação Pedagógica. 12 ed. Campinas: Papirus, p.12. Disponível em: HTTP.//WWW.eca.usp.br/prof/moran/qual.htm. capturado em 05/10/2009, às 20h.

[3] Rodrigues, Cássio e Souza, Ana Cláudia de. Por um Ensino Efetivo e Estratégico da Linguagem. Revista Pátio. Porto Alegre, Ano XII, nº 45, pg. 22, fev/abr. 2008.

 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
6 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Aparecida Braga
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Professora da rede pública estaudal há 14 anos. Formanda do curso de direito pela UNIC com especialização em teoria e prática da língua portuguesa. Tenho uma filha, uma cachorra por nome de Doris, um casal de periquitos.
Membro desde outubro de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: