Dificuldades na Aprendizagem Escolar
 
Dificuldades na Aprendizagem Escolar
 


ALGUNS ASPECTOS SOBRE AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Joice Pinto dos Santos


1 INTRODUÇÃO


Este artigo fundamenta-se na discussão existente acerca das dificuldades apresentadas por alunos quando solicitados a dar respostas de conteúdos trabalhados em sala de aula ou através de exercício recomendados como dever de casa.
Apesar dos avanços educacionais, as dificuldades de aprendizagem continuam afligindo crianças em muitas instituições escolares, desafiando profissionais a buscarem mais esclarecimentos para a identificação e decodificação das alterações encontradas nos seus alunos e assim poder avaliar a proporção desses fatores, para fazer adequadamente o encaminhamento.
Hoje em dia, a expectativa de muitos pais é saber o, mais breve possível os resultados dos seus filhos na escola, como se o ensino fosse uma porção mágica, mas não é simplesmente assim, muitos lembram apenas dos resultados e acabam esquecendo-se de verificar o desempenho do aluno, muitas vezes prejudicados por não terem sido percebidos como indivíduos aprendestes com possibilidades de apresentar problemas de aprendizagem gerados pela falta de acompanhamento dos pais, até patologias que só serão identificadas com encaminhamentos coerentes e diagnósticos de profissionais com investidura para o tratamento clinico.
A preocupação com as dificuldades que se manifestam na sala de aula motivou e criou a expectativa desta investigação, daí elegeu-se como tema buscar como universo de estudo a Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Florentino Menezes situada no povoado Areia Branca para saber se existe entre os alunos do 1° ano crianças que tenham apresentado dificuldades de aprendizagem merecedores de encaminhamento, quais os fatores contributivos para o desenvolvimento dessas dificuldades e se os pais desses alunos são informados que é necessário acompanhar para apoio na consecução das atividades enviadas para execução em casa.
Os questionamentos acerca das dificuldades de aprendizagem são recorrentes e tem suscitado grandes discussões e fóruns de debates nas áreas de educação e medicina, na perspectiva de identificar e superar a síndrome, até porque o professor parece ser o primeiro a perceber quando o aluno deixa de produzir sinalizando impossibilidade de aprender.
O presente artigo objetiva em verificar se existem alunos com dificuldades de aprendizagem no 1° ano da instituição escolar já mencionada e de que maneira estão relacionadas a sua construção e a história familiar.
Para a elucidação da proposta temática fez-se necessário desenvolver entrevista com os professores do ano indicado e de turma posteriores, a fim de responder ao problema desta pesquisa na presente instituição.
Trazer à baila a discussão das dificuldades de aprendizagem tem um grande significado para a sociedade atual, porque normalmente a primeira identificação da dificuldade de aprendizagem está alicerçada na fragilidade do reconhecimento que se apega apenas a falta de resposta para a atividade indicada, anunciando-se como negligência do aluno.
É exatamente neste ponto que se justifica o investimento deste trabalho de pesquisa para que à luz da literatura seja esclarecido porque DROUET(2006), ao falarem sobre distúrbio de aprendizagem tecem considerações e descrevem uma comunicação entre professor e aluno.
Para DROUET (2006) "o inicio da escolarização no nível de primeiro grau deve ser precedido de uma avaliação das capacidades e habilidades da criança. Isso é importante, pois evita que ela inicie um curso para o qual talvez ainda não apresente os pré - requisitos exigidos".
Sendo assim percebe-se que é natural que toda criança adquira o conhecimento do que o rodeia. Assim ela terá uma bagagem para enfrentar os primeiros anos de escolarização.
Esse tema cada vez, mas tem se aprofundado no campo cientifico, onde um dos primeiros a preocupar-se com esse problema foram pedagogos, médicos e psicólogos.
Ainda assim, e muito importante que todo o professores estejam preparados para identificar qualquer que seja a dificuldade que seus alunos possam apresentar durante as aulas.
Um aspecto que deve ser considerado neste estudo diz respeito à relevância social que se traduz na possibilidade de os alunos se moverem percebendo claramente o mundo que os cerca e que está intimamente ligado a forma como o reconhecem.
Segundo afirmação de DROUET (2006, p.163). , ??As personalidades o individuam adquire através da aprendizagem que ele coleta, sendo assim a crianças passa a formar seus conhecimentos no momento em que ela passa a interagir com o meio físico e social em que absteve??.
Ainda que não seja difícil identificar que o individuo não esteja aprendendo o cenário não garante ser fácil identificar se essa dificuldade é de ordem patológica ou apenas um distúrbio relacionado com a carência de acompanhamento familiar no reforço às discussões temáticas da escola
As vantagens de fazer esta pesquisa com base em um estudo de caso possibilitam que o investigador tenha um contato bem mais profundo sobre o tema, pois essa forma de pesquisa pode ser bem flexível na medida em que vão surgindo novas informações ligadas ao tema.
Segundo GIL (1996, p.58) o estudo de caso "é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de maneira que permita o seu amplo e detalhado conhecimento".
Buscou-se ainda os recursos tecnológicos para a formatação do trabalho, bem como autores de renome para a sustentação da temática.


2-FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


Com fulcro em leituras sobre o tema: dificuldades de aprendizagem, que apontam razões assentadas em pesquisas e discussões no campo científico, com propósito de analisar quais as dificuldades de aprendizagem tem afetado muitas crianças principalmente, nas escolas públicas onde crianças entre 7 e 10 apresentam ter dificuldades de aprendizagem.

Algumas escolas públicas aplicam teste de prontidão, porém com finalidade de formar classes seletivas, dividindo os alunos em fracos, médios, e fortes, ou ainda para identificar possíveis problemas quando a criança não apresenta os resultados esperados. (DROUET, 2006, p.80)

Entende-se por fim, que algumas escolas públicas preocupam-se apenas com o número de alunos matriculados, para que o valor das verbas seja a maior possível, causando assim problemas futuros para as crianças, que por sua vez dificulta o trabalho do professor.
É importante que a criança seja bem assistida do inicio da sua escolarização, para que no futuro ela possa desenvolver sua capacidade psicomotora, cognitiva, afetiva e social.
Ainda segundo DROUET (2006), "no final da pré-escola o professor terá como saber se a criança teve ou não desenvolvimento", porque todas as atividades propostas para a educação infantil contribuem para o preparo da criança para que a mesma desenvolva outras habilidades.
Sendo assim, o professor precisar detectar quais dificuldades de aprendizagem que o aluno demonstra. Para isso, ele precisa estar atento para observar se o aluno apresenta dificuldades.
Para DROUET (2006p. 28) o professor deve observar se o aluno tem dificuldades de "movimento ao executar tarefas, se tem problema na fala ao ler, se não consegue ler de uma certa distancia as palavras escritas no quadro-de-giz se não entende bem o ditado" ou ainda se ele é muito quieto, distraído ou se não consegue aprender a ler.
Segundo FUNAYAMA e PENNA (2004) "para a criança com dificuldade de aprendizagem, a abordagem neurológica compreende a avaliação e aspectos de saúde geral e neurológica que passa a interferir na sua aprendizagem", pois, nesse ponto de vista podemos perceber que em alguns casos, muitas crianças podem de fato apresentar alterações em sua aprendizagem tanto nos fatores genéticos como também nos fatores ambientais ou ainda nos sociais.
Com base nos ajustamentos educacionais muitas pesquisas vem sendo feitas no campo da psicologia e da psiquiatria, visando buscar a melhor forma para identificar as principais causas dos distúrbios que vem prejudicando crianças no seu processo de ensino aprendizagem.
O pedagogo neste caso ainda não está completamente envolvido, pois nos "cursos de formação profissional" não tem aprofundo esse assunto, para detectar os "defeitos genéticos, distúrbios da personalidade, da conduta, defeitos congênitos, disfunções cerebrais e outros". Para ele esse processo está diretamente ligado aos estudos da psicologia clinica e ainda na medicina (DROUET, 2006, p. 96)
Para que o professor não passe por despercebido, diante desses fatores é importante que ele esteja completamente ligado e que tenham principalmente uma formação sólida e eficaz para que, dessa forma, ele possa enfrentar essa problemática, ele ainda pode atualizar-se buscando novas formas de como ajudar seus alunos para que eles tenham um bom desempenho no futuro.

O professor deve atender para as mudanças no comportamento habitual da criança, estando preparado para compreendê-los. Deve apoiar e, acima de tudo, oferecer uma estabilidade de relações que acaba por compensar a instabilidade (conflitos) que faz parte de qualquer processo de aprendizagem. (CORSO, 2008, p.25).


Cabe aos professores contribuir para que seu aluno tenha um bom rendimento escolar, e em principal sem deixar de citar que o pai tem um papel fundamental nessa contribuição.
Segundo a afirmativa de COLL (1994, p.127) que diz que para que a aprendizagem seja significativa, devem-se cumprir duas condições, uma o conteúdo deve ser potencialmente significativo tanto no ponto de vista das estruturas internas como também da possível assimilação, além do que o aluno deve ter uma atitude favorável para aprender significativamente, ou seja, o aluno deve estar motivado para relacionar o que aprende com o que já sabe.
Sobre o acompanhamento, MARTURANO (2004, p.79) diz que a influência dos pais na escola tem sido muito discutida, a partir dos anos 50 do século passado muitos pesquisadores tem investigado a importância da família no meio escolar da criança, entre os diversos mecanismos pelos quais o envolvimento dos pais com a escola favorece o desempenho destaca-se um de grande importância: é que através do seu envolvimento, os pais comunicam a criança o quanto se importa com ela, e o quanto eles valorizam seu aprendizado escolar.
Portanto, é muito eficaz que os pais estejam envolvidos na vida escolar dos seus filhos, para que ele possa estar por dentro de tudo o que acontecer em geral muitos problemas de aprendizagem são causados pelo simples fato de os pais não acompanharem a vida escolar dos seus filhos.
Uma das principais dificuldades de aprendizagem encontrada por alguns estudiosos foi às dificuldades na leitura e na escrita, pois quando a criança não consegue ler e nem escrever acaba, fracassando nas demais disciplinas escolares.
Para DROUET (2006, p. 127) por esse motivo é que se pode dizer que a aprendizagem da leitura e da escrita não são atividades isoladas, fazem parte de todo um processo no desenvolvimento da linguagem, e suas dificuldades se devem a uma deficiência qualquer na estruturação e na organização da linguagem como um todo.
Além das dificuldades na leitura e na escrita, as dificuldades podem ser causadas em diferentes diagnósticos.
Para GOLFETO e PELEGRINI (2004, p.35) diz que a ansiedade, depressão, transtornos obsessivo-compulsivos, fobias, timidez e entre outras, podem interferir no processo de ensino aprendizagem da criança.
Por esses motivos, pode-ser perceber que muitas crianças têm cada vez, mas apresentando dificuldades no seu processo de ensino, levando ela ao fracasso escolar.
Verificando todo esse processo como poderíamos colaborar para que essa problemática minimiza-se as dificuldades de aprendizagem nos alunos.
A falta de acompanhamento dos pais ainda e um dos motivos pelos quais despertou minha curiosidade em pesquisar quais os reais problemas que tem levado os alunos a demonstrarem dificuldades na sua aprendizagem.
Estudos já comprovaram que a presença dos pais na vida escolar dos seus filhos favorece bastante o desenvolvimento escolar dos alunos, fazê-lo se sentir importante, sentindo-se importante o mesmo despertará a curiosidade em aprender cada vez mais. Portanto e importante que os pais acompanhem a vida escolar dos seus filhos.
Para CHALITA (2001) "por mais bem preparada que a escola e seus professores estejam, nunca ira suprir a carência deixada por uma família ausente", os pais devem acompanhar a vida escolar de seus filhos, para ele "a família moderna em muitos casos falta o amor", e essa falta de amor acaba por desvirtua a essência do respeito para com as pessoas.
WEISS (2006 p.94) acredita que a investigação pedagógica pode ser feita de diferentes formas uma das quais e chamada de provas pedagógicas clássicas, para ela essa forma de avaliar terá muito mais êxito na produção das provas em sala de aula
De fato, as dificuldades de aprendizagens na vida escolar do educando em nossa sociedade atual está cada vez mais agravando, e possível perceber que os pais não estão acompanhando a vida escolar dos seus filhos até porque nos dias de hoje os mesmos tem sentido a necessidade de trabalhar 24 horas corridas, e não tem tempo de acompanhar seus filhos e acaba entregando à responsabilidade a escola.


A significância de aprendizagem está muito diretamente vinculada com a sua funcionalidade. Que os conhecimentos aprendidos fatos, conceitos, jeitos ou habilidades, valores, atitudes, normas, etc. sejam funcionais, isto é, que possam ser efetivamente utilizados quando as circunstâncias nas quais o aluno se encontra assim o exijam, deve ser uma preocupação constante da educação escolar. (COLL, 1994. p128)


De acordo com DROUET (2006) são muitas as causas que prejudicam a aprendizagem, para ele inúmeros estudos vem sendo efetuados acerca das principais causas dos distúrbios mais frequentes no ajustamento escolar. Ele descreve algumas causas pelos quais alguns alunos têm demonstrado dificuldades de aprendizagem considerando o desconhecimento das dificuldades apresentadas na escola, universo deste estudo, relaciona-se as causas, a seguir segundo DROUET (2006 p 97-98)
As causas físicas são provenientes de perturbações no estado físico geral da criança como febre, dor de cabeça, dor de ouvido, cólicas intestinais, anemia, asma, verminoses, ou ainda todos os males que atinjam o físico de uma pessoa, sensoriais esse distúrbio atingem os órgão dos sentidos como a visão, audição, gustação, olfato, tato, equilíbrio reflexo postural dificultando a sua compreensão ao captar uma mensagem, a neurológicas são perturbações do sistema nervoso, emocionais estão ligadas as emoções e aos sentimentos do individuo, para ele essa causa esta tanto ligado o área motora como também a sensorial, pois as duas estão associadas às essas perturbações, intelectual ou cognitiva dizem respeito a inteligência do individuo,as causas educacionais esta relacionada ao tipo de educação que o individuo recebe principalmente na infância, nesse ponto de vista uma educação de mal qualidade pode causar sérios problemas para o futuro do indivíduo e por fim as causas sócio- econômica são problemas que se originam no meio social e econômico do individuo. Esses aspectos constituem diferentes problemas na vida escolar de uma criança que pode prejudicar seu desenvolvimento.
Com base nesses problemas para MALUF (2005 p.77), muitas crianças têm chegado aos consultórios quase sempre trazendo o mesmo histórico na qual se tem uma desconfiança que o desenvolvimento escolar de muitas crianças encontra-se em atraso, para ele se faz uma investigação mais profunda do caso.
Como já foi dito anteriormente que o professor deve estar atento em observar tais dificuldades DROUET (2006) afirma que a "observação ainda e o melhor instrumento", com a observação o professor se torna mais fácil atendê-lo e se necessário encaminhá-lo a um profissional especializado no caso.
Em muitos casos os pais preferem acreditar que seus filhos não têm problemas na aprendizagem, apenas os julgam preguiçosos por não querer estuda, essa atitude de fato não traz nenhum resultado deve-se levar em consideração que se seu filho não aprende algo deve estar errado e ele deve procurar meios para ajudar o seu filho a fim de detectar algum distúrbio dessa forma serão evitados problemas futuros para a criança.
Para BIGGE (1977) "a motivação" e um fator um tato que importante para que a aprendizagem tenha significado pode-se dizer que e muito importante que o professor esteja sempre motivado ao transmitir os conteúdos, dessa forma mesmo que os alunos estejam desestimulados na escola, uma aula motivada pode despertar o interesse pelo estudo.
No ponto de vista de WEISS (2006, p.16) é preciso que o professor competente e valorizado encontre o prazer de ensinar para que possibilite o nascimento do prazer de aprender.
De acordo com MALUF (2005) para que se possa caracterizar as dificuldades de aprendizagem em primeiro lugar deve-se compreender o que é "distúrbio ou transtorno de aprendizagem" antes de tomar decisões precipitadas.
Por sua vez o professor deve estar sempre atento para identificar as dificuldades existentes nos alunos durante as aulas, a primeira observação do professor e de fundamental importância para que o aluno com dificuldades na aprendizagem possam ser encaminhados para um profissional especializado.
Ainda segundo MALUF (2005) normalmente esses transtornos de aprendizagem vem a ocorrer "sempre na infância" que aos poucos se for casos mais leves podem ser diminuídos ao passar do tempo.
Através da simplicidade tanto os pais como a escola podem ser capazes de transferirem para o educando valores importantes para o seu desenvolvimento intelectual.
Para WEISS (2006.p.96) "em alguns casos o desrespeito ao ritmo de construção da leitura e da escrita" pode criar dificuldades que se avoluma e que para ele pode estancar o seu processo de verdadeira alfabetização.
Sabe-se que em algumas escolas os alunos que não acompanham o ritmo da turma são deixados para trás e dessa forma os alunos prejudicam de fato sua aprendizagem, pois muitos professores preferem aqueles alunos que sabem mais.
Neste caso, a criança em fase de construção ao se sentir pressionada em alguns casos cria um bloqueio no seu desenvolvimento cognitivo.
Nesse ponto de vista é muito importante que se analise com cuidado as reais dificuldades dos alunos, para que durante esse processo as dificuldades não sejam confundidas por má qualidade de ensino por essa razão os pais e a escola precisam estar completamente bem informada sobre o desenvolvimento do educando na escola, pois e preciso analisar diversos fatores antes de encaminhar o aluno com dificuldades a um profissional especializado.
Ainda segundo WEISS (2006) "na área pedagógica e preciso analisar a discrepância" entre a frequência do aluno às aulas, suas condições culturais verdadeiras e a metodologia usada em sala de aula, principalmente durante o processo de alfabetização.
Durante a alfabetização o aluno apresenta varias dificuldades que podem ser confundidas deve-se observar todos os aspectos tanto interno como externo antes de tomar decisões que venham prejudicar o aluno no futuro.
Por essa razão e muito importante seguir todos os passos necessários antes de encaminhar o aluno a um especialista, o professor precisa observar seu aluno ao perceber que o mesmo apresenta algum problema que esteja prejudicando sua aprendizagem ele deve fazer anotações e se for preciso um relatório indicando quais problemas a aluno demonstrou só após a observação do professor e que se pode de fato comunicar tanto aos pais como a escola, para que sejam tomadas as devidas providencias.
Para os professores e muito fácil identificar que seus alunos apresentam algum tipo de dificuldade de aprendizagem. Mas será que as verdadeiras dificuldades de aprendizagem são decorrentes de fato dos alunos.
Em primeiro lugar e preciso observar todos os aspectos desde o professor até a coordenação pedagógica que está há principio interligados com a aprendizagem dos alunos.
Segundo a afirmativa de COLL (1994, p.127) que diz que para que a aprendizagem seja significativa, devem-se cumprir duas condições, uma o conteúdo deve ser potencialmente significativo tanto no ponto de vista das estruturas internas como também da possível assimilação, além do que o aluno deve ter uma atitude favorável para aprender significativamente, ou seja, o aluno deve estar motivado para relacionar o que aprende com o que já sabe.
De acordo com WEISS (20006 p.14-15-20) o fracasso escolar pode ser analisado em três perspectivas.
A sociedade que estar relacionada ao tipo de cultura, as condições e relações político-sociais e economia vigente as ideologias, dominantes e as relações explicitas e implícitas desses aspectos com a educação escolar.
A escola que seria o maior contribuinte para o fracasso escolar. Sendo que a para ela a escola não esta isolada do sistema socioeconômico, mas pelo contrário, é um reflexo dele.
Para essa perspectiva o conhecimento do aluno dependerá muito do que lhe está sendo ensinado e que, além disso, dependerá das condições sociais que determinaram a qualidade de ensino.
O aluno essa terceira perspectiva está ligada ao aluno, pois dependera das condições internas de aprendizagem que esta focada na questão da intra- subjetividade. Em muitos casos os problemas de aprendizagem e uma questão oriunda de sua história pessoal e familiar, para essa perspectiva o fracasso e uma conjunção de fatores interligados que impedem o bom desempenho do aluno em sala de aula.
Ainda segundo WEISS (2006 p.17). Uma das falhas pelas quais causam estas perturbações esta ligada má qualidade de ensino e na dosagem da quantidade de informações e nas cobranças, se mal conduzidas podem gerar uma ansiedade insuportável que o aluno pode chegar a desorganizar a sua conduta por não aguentar o excesso de ansiedade.
As escolas modernas estão transferindo para os alunos essa ansiedade, sabemos que os alunos dessa nova geração pensam apenas em tirar boas notas para estarem sempre à frente e estão esquecendo o verdadeiro significado de aprender, muitos ainda estão na faze da decoreba.
3. ANÁLISE DOS DADOS

Para obter informações necessárias sobre o tema em questão se foi necessário fazer uma pesquisa bibliográfica, seguida da pesquisa de campo com utilização de entrevista semi-estruturada direcionada aos professores da instituição já citada nesse trabalho, onde o maior objetivo foi analisar as dificuldades de aprendizagem enfrentadas pelos alunos no seu processo de ensino aprendizagem.
O primeiro contato com os entrevistados observou-se um grande interesse por parte de alguns sobre o tema.
Entre os nove entrevistados cinco deles são professores contratados pelo município e entre os cinco todos são do sexo feminino, onde um dos quais possui o curso de Pós ? Graduação em libras.
Ao se perguntar sobre a existência de algum aluno que demonstre alguma dificuldade em sala de aula todos informaram que tem alunos com dificuldades de aprendizagem, e apenas um dos entrevistados citou ter "ter quatro alunos com diferentes dificuldades".
Entre os outros quatros entrevistados todos são professores efetivos, ou seja, professores concursados e apenas um e do sexo masculino sendo que o mesmo possui o curso de Pós- Graduação em libras, todos informaram ter alunos com dificuldades de aprendizagem, apenas um manifestou-se ao dizer que "mas a dificuldade e por causa da frequência do aluno".
Com relação ao que os professores tem feito para ajudar os alunos com dificuldades de aprendizagem todos informaram procurar meios para uma melhor adaptação dos conteúdos para que os alunos acompanhem a turma, apenas três dos entrevistados informou que "primeiramente converso com o aluno e pergunto o que esta acontecendo, porque ele não esta prestando atenção, e em segundo lugar procuro os pais, já outro respondeu "procuro dialogar com os pais, para depois programar e planejar algo que possa facilitar seu desenvolvimento, para que assim ele possa acompanhar o conteúdo junto com os colegas".
Fazendo uma análise a despeito do ponto de vista acima, verifica-se a importância do acompanhamento dos pais na vida escolar das crianças.
Segundo CHALITA (2006) "por mais bem preparada que a escola e seus professores estejam, nunca ira suprir a carência deixada por uma família ausente", os pais devem acompanhar a vida escolar de seus filhos para que os alunos se sintam estimulados e tenham vontade de sempre estar a procura de novas informações que só vão fazer com que seu desenvolvimento evolua cada vez mais.
Durante a entrevista foi perguntado se a equipe pedagógica tem dado apoio necessário para o professor lidar com alunos que demonstre algum tipo de dificuldade de aprendizagem e todos informaram que "não" sendo acrescentado por um dos membros que se manifestou e disse que" o professor é quem busca formas de despertar no aluno o interesse, e assim poder desenvolver suas habilidades".
Nesse caso, podemos dizer que esse pensamento está direcionado a afirmativa de WEISS (2006, p.16) quando diz que é preciso que o professor competente e valorizado encontre o prazer de ensinar para que possibilite o nascimento do prazer de aprender.
Sobre o plano de aula foi perguntado se existe planos flexíveis para os alunos que demonstre algum tipo de dificuldade foi respondido que "não" dentre os quais um dos entrevistados respondeu que "o planejamento é feito individualmente cabendo assim ao professor buscar estratégia que propiciem a participação de tais alunos" e os outros três responderam "sim" apenas um respondeu ter conhecimento de um plano de leitura que fica na biblioteca da escola que serve como reforço para os alunos durante as férias, outra professora disse que esse "apoio e dado de forma indireta, é muito pouco, mas de certa forma existe".
Com relação ao acompanhamento dos pais todos os entrevistados tiveram o mesmo raciocínio eles disseram que em alguns casos os pais não têm acompanhado a vida escolar dos seus filhos.
Durante a entrevista foi perguntado como e desenvolvida a avaliação para os alunos e sete dos entrevistados responderam que a avaliação e feita constantemente através de observação, atividades e participação e no final de cada unidade e aplicada uma prova, com relação aos outros dois entrevistados responderão que a avaliação e feita de forma formativa, pois os alunos têm apenas cinco anos de idade.
Foi perguntado se existe profissionais especializados na instituição, todos informaram que "não".
Além do que foi perguntado se os professores enfrentam alguma dificuldade para trabalhar com alunos que demonstre tais dificuldades e cinco responderam que a falta de recursos e a falta de apoio por parte da equipe pedagógica tem sido uma das maiores dificuldades, pois essa falta de apoio tem dificultado o trabalho dos professores, mais a resposta que prevaleceu foi a falta de acompanhamento dos pais, para os professores a falta do estimulo em casa tem prejudicado o desenvolvimento dos alunos no decorrer das aulas.
Sobre os procedimentos metodológicos a serem tomado com relação aos alunos que demonstre algum tipo de dificuldade todos se manifestaram e disseram dar uma atenção especial, sendo que um dos quais se manifestou de forma clara e eficaz ao dizer que "é feita uma triagem para tentar descobrir qual a dificuldade do aluno, sendo informado ao setor pedagógico para possíveis procedimentos.


3-CONSIDERAÇÃOES FINAIS

A intenção desse trabalho foi pesquisar as dificuldades de aprendizagem que tem prejudicado muitas crianças no inicio da escolarização no decorrer das atividades propostas em sala de aula durante o ano letivo. Sabemos da importância de uma boa alfabetização na vida escolar de uma criança para que ela possa progredir nas séries posteriores.
A partir do foco principal desse trabalho, observou-se que muitos alunos da escola estudada têm dificuldades de aprendizagem em diferentes modalidades.
Ao analisar essa problemática existente entre os alunos, de fato não poderíamos deixar de verificar outros aspectos importantes que fazem parte de todo o processo de ensino dos alunos, ou seja, professores, equipe pedagógica e pais, pois sabe-se que esses aspectos têm uma contribuição relevante para o desenvolvimento intelectual de todas as crianças em fase de aprendizagem.
Sem dúvida, percebemos que esse trabalho contribuiu bastante para a nossa reflexão a respeito da importância de observar os alunos com um olhar de respeito e dedicação ao lhe transmitir conhecimento.
Os resultados obtidos mostraram que os alunos estão cada vez mais enfrentando dificuldades de aprendizagem principalmente no 1° ano do ensino fundamental que foi objeto desse estudo, além do que podemos observar que os pais não têm acompanhando a vida escolar dos seus filhos, pois percebe-se que a falta de acompanhamento dos pais tem desestimulado os alunos os deixando cada vez mais desinteressados pelos estudos .
A pesquisa mostrou que a escola não tem subsídio necessário para lidar com essa situação, em razão da falta de capacitação e profissionais especialistas no atendimento a questão da temática, consequentemente os alunos saem da Turma de 1° ano para a turma posterior levando consigo suas dificuldades.
Foi possível constatar que as dificuldades agravam-se cada vez mais, pois os alunos não conseguem acompanhar o ritmo da turma.
Desse modo, a escola precisa trabalhar essa problemática desde o 1° ano, promovendo eventos que despertem cada vez mais nos pais o interesse pela vida escolar dos filhos, pois no inicio da escolarização os alunos estão em fase de construção de conhecimento e precisam que os alunos tenham uma atenção especializada tanto pelos os pais como também pelos professores, pois os alunos precisam estar sendo sempre acompanhado
Finalmente espera-se que a escola possa ao tomar conhecimento das dificuldades e encontre alternativas para que os alunos possam superá-las e, que o leitor deste trabalho busque aprofundar-se das questões objeto da temática.


4. REFERÊNCIAS


BIGGE, Morris L. Teorias da Aprendizagem para professores. São Paulo: EPU, 1977.

CORSO, Luciana. Dificuldades de Aprendizagem e Educação Infantil. in REVISTA PÁTIO. Porto Alegre, VI, 16, p.22, 2008.

COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: Arte Médica, 1994.

CHALITA, Gabriel. Educação: a solução está no afeto. São Paulo: Ática, 2001.

DROUET, Ruth Caribé da Rocha. Distúrbio da aprendizagem. São Paulo: Ática, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 1996.

GOLFETO, José Hércules; PELEGRINI, Rosylene Machado. Problemas de Aprendizagem: um enfoque em psiquiatria infantil. in FUNAYAMA, Carolina Araújo Rodrigues (org). Problemas de aprendizagem. 2ed. São Paulo: Alínea, 2005.



MALUF, Maria Irene. A dificuldade de Aprendizagem Vista pela psicopedagogia clínica. in
VALLE, Luiza Elena L. Ribeiro do. Neuropsicológica & aprendizagem, para viver melhor. Ribeirão Preto: Tecmedd, 2005.

MARTURANO, Edina Maria. A criança, família e a aprendizagem escolar. in:FUNAYAMA, Carolina Araújo Rodrigues(org). Problemas de aprendizagem. 2ed. São Paulo: Alínea, 2005.

WEISS, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia Clinica: Uma visão diagnostica dos problemas de aprendizagem escolar. 11 ed. ver e ampl. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.


 
Avalie este artigo:
2 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também