Didática do Ensino Superior - Resenha Crítica
 
Didática do Ensino Superior - Resenha Crítica
 


UNIFLU- FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS  FDC

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL

DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR

PROFESSOR: DR. ÁUNER PEREIRA CARNEIRO

ALUNO: PAULO RANGEL DE CARVALHO JÚNIOR

20/06/08

GIL, Antonio Carlos. Didática do Ensino Superior. 1º. capítulo  1ª. ed.  3ª. reimpressão  São Paulo: Atlas, 2008.

Antonio Carlos Gil possui graduação em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Nossa Senhora Medianeira (1978), graduação em Bacharelado em Ciencias Politicas e Sociais pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (1971), graduação em PEDAGOGIA pela Faculdade de Filosofia,Ciências e Letras ´Professor Carlos Pasquale´ (1976), mestrado em Ciencia Politica e Sociologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1978), doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (1998) e doutorado pela Fundação Escola de Sociologia e Politica de São Paulo (1982). Atualmente é parecerista - Revista de Administração Mackenzie e professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Pessoal, atuando principalmente nos seguintes temas: regionalidade, região do grande abc, regionalismo, recursos humanos e ensino.(Texto informado pelo autor  Plataforma Lattes).

RESENHA CRÍTICA

SUMÁRIO:

NOVA VISÃO PEDAGÓGICA

APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL E PEDAGÓGICO

MOTIVAÇÃO

TRANSFORMAÇÃO DO MEIO

RESUMO

No 1º. Capítulo da obra em tela, o autor discorre sobre o que é Didática do Ensino Superior, qual o lugar da didática na formação de professores, ensino ou aprendizagem? Como abordar o processo de ensino, pedagogia ou andragogia, o que torna o aprendizado eficaz, variáveis relacionadas aos alunos, variáveis relacionadas ao professor e variáveis relacionadas ao curso.

A priori, o autor destaca o pensamento que por muito tempo imperou no meio acadêmico, qual seja, o de que para ser um professor festejado nesse nível, somente se fazia necessário dominar técnicas de comunicação e o conteúdo da matéria lecionada. Não se entendia necessária a participação de Pedagogos no processo de ensino universitário. Ao professor cabia transmitir a matéria e debelar possíveis dúvidas, não existindo a preocupação de preparar os professores com recursos pedagógicos.

Para que o aprendizado seja mais proveitoso, deve o docente se ocupar de dominar e desenvolver habilidades pedagógicas, além de aprimorar sua visão de mundo, de cidadão, de cientista e educador, ajustáveis as necessidades de sua função.

Aduz que o termo didática oriunda do grego didaktiké, sendo apontada como a ciência, técnica ou arte de ensinar. No início do século XX surgiu um movimento denominado "Escola Nova" ou "Escola Ativa" que pregava que o aluno aprendia melhor por si mesmo. Foi muito criticada sob o argumento de não exigir muito dos alunos, de deixar de lado assuntos tradicionais.

O professor deve abandonar aquela velha posição de figura inatingível e senhor de todo o conhecimento para adotar uma postura preocupada em identificar as necessidades e aptidões de seus alunos. Deve agir como um fio condutor do conhecimento, incentivando os alunos a desenvolver seus próprios pensamentos e opiniões.

Desta feita, o papel fundamental do professor é de moldar cidadãos e prepara-los para os desafios da vida e do magistério do ensino superior. Quando não age dessa maneira, desempenha um papel esperado pelas classes dominantes e opressoras que preferem que as pessoas sejam obtusas e despreparadas. Preferem dar o peixe a ensiná-las a pescar. Neste contexto, deve o professor estar preparado para não só explanar a matéria, mas também esclarecer as dúvidas e redirecionar a matéria quando necessário.

Cabe ao educador ter mais sensibilidade para motivar seus alunos, despertando o interesse no conhecimento. Sob essa ótica, deve o professor reter os conhecimentos específicos da matéria, técnicas pedagógicas e motivação. Segundo a lei de diretrizes e bases, exige-se, para um melhor aperfeiçoamento, título de Pós-graduação, Mestrado e Doutorado.

PALAVRAS-CHAVE

Aprimoramento pedagógico

Aprendizagem e motivação

Uso do conhecimento para a transformação social

CRÍTICA CONSTRUTIVA

Ao nosso sentir a docência no Ensino Superior requer um profissional que, mediante habilidosa combinação de suas aptidões pessoais com as expectativas dos estudantes e as exigências do ambiente, seja capaz de garantir um aprendizado agradável e eficiente.

Mister, portanto, a presença em sala de aula de um professor que sabe definir objetivos de ensino, selecionar conteúdos, escolher as estratégias de ensino mais adequadas e promover uma avaliação comprometida com a aprendizagem. Deve incentivar a participação e direcionamento da matéria por parte dos alunos, sem, contudo, deixar desvirtuar o rumo que foi programado para a aula.

A Sociedade dever exigir qualidade no ensino ao Governo, que por sua vez cobrará melhores condições das Instituições de Ensino Superior. Para tanto, se for preciso, deve puni-las severamente e limitar a abertura de novos cursos. Daí, as Instituições de Ensino Superior irão incentivar o aperfeiçoamento profissional e didático de seus professores. Com esse pensamento o professor certamente irá corresponder as expectativas da Sociedade e de seus alunos.

 
Avalie este artigo:
(4 de 5)
30 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Paulo Rangel De Carvalho Junior
Talvez você goste destes artigos também