Guerra espiritual
 
Guerra espiritual
 


Com freqüência ouvimos o lamento da sociedade que clama por justiça. As pessoas querem segurança, políticas sociais e a melhoria das condições de vida. A falta de distribuição de renda e a implantação de políticas educacionais são fermento para a decadência social.

Convivemos com a beleza do carnaval, futebol espetacular e músicas rimadas, então reclamar do quê? Falta de segurança, desemprego, saúde, educação, moradia? Não nos sombra tempo pra pensar nisso com tantas contas a pagar, não posso perder tempo preciso trabalhar em um, dois, três empregos, quantas profissões preciso ter pra sobreviver a tantas cobranças?

Como não bastasse tanta vida boa, ainda temos um trânsito sóbrio de acidentes, hospitais cheios de hospedes de licença “prêmio” e presos com liberdade assistida.

Cadê a voz do povo tão defendida nos palanques da vida com discursos intermináveis sobre a luta pela vida? Chega de propagandas descartáveis que só prega palavras bonitas com alusão a felicidade.

Difícil é assistimos os noticiários e não deparamos com a crueldade na sua mais plena especialização na arte da decadência humana. Já parou para pensar quantas vidas estão sendo ceifadas ainda no seu desabrochar e muitas vezes desperdiçamos nosso tempo com coisas descartáveis e nos esquecemos de quais são os pilares de uma sociedade que prioriza a vida.

Pense se puder e responda rapidamente: Quantas vezes você agradeceu pelo que tem? Elogiou alguém hoje? Deu um sorriso de bom dia? Abraçou aquela pessoa que chegou triste? Olhou no espelho é disse: eu sou capaz de ser uma pessoa melhor?

Acredito que podemos ser mais lúcidos a tudo isso que está acontecendo ao nosso redor e vence a Guerra contra mal, praticando as coisas boas todos os dias com alegria e dignidade e respeitando o diferente.

Declare “Guerra Espiritual” contra a violência, seja um defensor da vida.

Rosania Mota

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
5 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também