A PAIDÉIA GREGA E A EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA
 
A PAIDÉIA GREGA E A EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA
 


INTRODUÇÃO


O presente artigo procura em seu desenvolvimento apresentar aos seus respectivos leitores o quão importante foi à metodologia de ensino aplicada na Grécia antiga e o verdadeiro objetivo que permeava tal concepção pedagógica. Também neste breve texto é encontrada a figura de uma das personalidades mais intrigantes da humanidade, Sócrates. Como e porque ele conseguia tantos adeptos aos seus ensinamentos? O que Sócrates possuía de tão cativante para os seus interlocutores? Qual era o segredo que ele possuía para ser um grande pedagogo em sua época? E como é vista a educação e nossos educadores nos dias atuais? O que falta para despertar em nossos alunos o senso de pertença do ensino como força transformadora da realidade vigente? As respostas para tais indagações serão encontradas ao longo deste peregrinar nos caminhos da sabedoria que hoje se inicia com esta pesquisa.


























1. A EDUCAÇÃO GREGA COMO EXEMPLO PARA OS DIAS ATUAIS

Ao se fazer uma analise sobre a formação do homem grego na antiguidade para servir de comparativo com a atual educação, nota-se algo muito curioso. E que seria o quanto perdemos com o passar dos séculos no quesito educação de qualidade. Ou pelo menos o sentido mais puro e verdadeiro que por traz deste ideal estaria. A educação grega em seus primórdios e principalmente em seu auge já era muito avançada em relação aos tempos atuais. Faz-se necessária a explicação de que tal comparativo não leva em conta a gama de conhecimentos que hoje se tem e nem muito menos as várias tecnologias. Mas sim o "espírito grego" - como diria Werner Jaeger - o desejo, a vontade de evoluir e com qualidade e principalmente assegurar tal desejo e condições para as gerações futuras. Era o mais puro desejo de educar para o bem, pois eles sabiam que cuidando bem de suas futuras gerações teriam um futuro bem assegurado. Quanto melhor educadas as pessoas melhor o Estado Grego seria administrado. Pois, "o Estado Grego, cuja essência só pode ser compreendida sob o ponto de vista da formação do homem e de sua vida inteira..." (JAEGER, 2003, pag. 14). Em outras palavras, os gregos antigos tinham como ideal aquela preocupação com a formação de seres humanos integrais e de modo pleno. Para Werner Jaeger (1888 ? 1961) grande filólogo alemão e que escreveu uma belíssima obra intitulada "Paidéia ? A formação do homem Grego" de 1936, era esta a intenção primeira dos gregos antigos, um constante aperfeiçoar-se e isso obviamente teria seu reflexo nas gerações posteriores. E se tal fato não fosse real, já haveria se perdido nos porões do esquecimento da história da humanidade. O que ocorre é que os sintomas da assim chamada "Paidéia" estão presentes na cultura ocidental até os dias atuais, ou pelo menos o que sobrou de tal ideal.

Contudo essa história vivida já teria desaparecido há longo tempo se o homem grego não tivesse criado a sua forma perene. Criou-se como expressão da altíssima vontade com que trabalhou seu destino. Nos estádios primitivos de seu crescimento não teve a idéia clara dessa vontade; mas, á medida que avançava no seu caminho, ia-se gravando na sua consciência, com clareza cada vez maior, a finalidade sempre presente em que sua vida se assentava: a formação de um elevado tipo de homem (JAEGER, 2003, pag. 7).


Basicamente o que ocorreu foi à evolução gradual da mentalidade das pessoas referentes à educação e que resultou na construção de um individuo integral, completo e bem estruturado. O que este antigo e precioso sistema de ensino pretendia era "colocar os conhecimentos como força formativa a serviço da educação e formar por meio deles verdadeiros homens, como o oleiro modela a sua argila e o escultor as suas pedras..." (Cf. JAEGER, 2003, pag. 13). Talvez tal comparação entre escultor e oleiro se deva ao fato de existir uma observação do cotidiano e de como construir uma educação que se aplica perfeitamente a esta realidade. Um exemplo clássico é o próprio surgimento da filosofia que em primeiro momento era uma forma de explicar os fenômenos naturais e as relações que mantinham com os seres humanos. A esta filosofia e aos seus seguidores ficou-se rotulados como filósofos da natureza. Pois era uma forma de edificar o ser humano, para estar atento a realidade e assim torná-lo capaz de desvendar o universo. Portanto, isto tem a ver "com a educação ser um processo de construção consciente do ser humano" (JAEGER, 2003, pag. 13).
O método grego de educação foi tão importante que até em outros períodos da história, incluso o nosso, foi e é observado, interpretado com admiração.

Finalmente teve a pedagogia grega enorme energia procriadora. A civilização ocidental volta vistas, periodicamente para ela, como ocorreu na Renascença e no século XVIII e como, em parte, ocorre em nossos dias. Essa faculdade criadora tem sido interpretada de varias maneiras, quase todas, porém coincidentes no reconhecer-lhe valor humanístico, de afirmação da personalidade livre sobre todas as circunstancias políticas (LUZURIAGA, 1985, pag. 44).

É preciso ainda salientar que não se trata aqui de um saudosismo, mas si, um exemplo clássico de como foi vista e definida a educação para os antigos. Educar, para eles era algo muito mais profundo, precioso e que infelizmente com o passar dos séculos foi-se perdendo tal ideal. E para a humanidade este é um grande prejuízo. Nas palavras de Schmitz "o homem é um eterno insatisfeito. Ele quer a perfeição. Ele quer o absoluto. E sempre continua procurando" (SCHMITZ, 1984, pag. 183). A busca de superação é inerente ao ser humano de todas as épocas, bem como sua sede de conhecimento e as duas são semelhantes à necessidade de respirar. Ou seja, se o ser humano não respira ele morre, se não conhece e com isso se supera, definha até o seu aniquilamento total. A perda, portanto, de uma educação cuja única meta é a edificação do homem leva-o para longe da sua grande vocação que é ser mais do que foi ontem.
Se não fosse assim os seres humanos não haveriam conquistado e destruído reinos e assimilado suas culturas e impostas outras ao longo dos séculos. Nem teriam feito as descobertas dos assim chamados "Novos mundos" antes inimagináveis. Por sua vez o ser humano haveria conquistado o espaço.
Enfim o desejo de saber o que está do outro lado do muro é natural, intrínseco e arraigado no cerne da humanidade. Arrancar isso ou pelo menos plantar idéias falaciosas neste terreno fértil e abundante é o mesmo que aniquilar a vida da humanidade.

2. A FIGURA DE SÓCRATES

Como foi visto apriori os gregos ao longo de sua história e principalmente com mais efervescência no século IV antes de Cristo, desenvolveram um ideal de transformação de sua sociedade por via do ensino. Para eles a educação era muito mais do que apenas um comércio com finalidade lucrativa. Pelo contrário a educação para os gregos era a oportunidade de construir indivíduos integrais. Ou seja, as pessoas tinham a oportunidade de desenvolver suas várias possibilidades nos locais de ensino da época. As pessoas aprendiam sobre poesia, filosofia, matemática, geometria, astronomia, medicina, artes, esportes etc. Parece muito com o nosso curriculum nos dias de hoje, no entanto esta é uma visão que já existia na Grécia a muitos e muitos séculos atrás. E o que tornava o ensino de tantas diciplinas agradável era o método de ensino claro, objetivo e fundamentado.

A principal característica dessa nascente pedagógica é a claridade e transparência, como sucede com quaisquer correntes tomadas na fonte. As idéias aparecem expostas de forma essencial, elementar, isto é, em seus fundamentos. Daí seu valor pedagógico, didático, clássico (LUZURIAGA, 1985, pag. 44).

Pois bem, é neste contexto fabuloso e próspero da humanidade e que deixou suas marcas na civilização ocidental até os nossos dias que se insere a personalidade de Sócrates.
Sócrates (469 ? 399 a. C) nasceu em Atenas e lá morreu é considerado por historiadores e filósofos como um dos grandes responsáveis pela criação da filosofia ocidental como a conhecemos hoje. Também é conhecido como um dos três nomes da filosofia grega antiga juntamente com Platão seu discípulo e Aristóteles.

2.1 TESTEMUNHOS

Sócrates, porém, nada deixou escrito de próprio punho para a posteridade. Tudo o que sabemos sobre seus feitos são por via de três contemporâneos seus:
O primeiro é o próprio discípulo Platão (428/ 427 ? 348/347 a. C) ateniense e fundador da Academia de Atenas no ano de 387 a. C. em Atenas. Platão retrata a figura de Sócrates em suas obras: "Defesa se Sócrates" ou "Apologia de Sócrates", em seus diálogos "O Banquete", "Fédon", "Sofista", "Político" e por ultimo, mas não menos importante na "A República".
Outros testemunhos são relatados por outro discípulo de Sócrates, Xenofonte (430 ? 355 a. C) historiador de seu tempo escreve duas obras de suma importância sobre a manifestação de Sócrates em seu tempo, são elas: "Ditos e feitos Memoráveis de Sócrates" e a "Apologia de Sócrates".
E por ultimo temos Aristófanes (447 ? 385 a.C) dramaturgo grego e que escreveu diversas obras e dentre elas "As Nuvens" na qual satiriza a pessoa de Sócrates, visto que Aristófanes e Sócrates eram inimigos.
Enfim, é por via dos escritos destes celebres homens é que podemos ter acesso a real identidade deste Proto Filósofo, um filosofo anterior. Ou seja, Sócrates.
Sócrates era filho de um oleiro e de uma mãe parteira. Era casado com Xântipe, que segundo alguns historiadores, era cerca de quarenta anos mais nova do que ele. Sócrates com Xântipe teve três filhos Lamprocles, Sophroniscus e Menexenus.

2.2 A MAIÊUTICA SOCRÁTICA

Por Maiêutica entende-se o método socrático de ensino e persuasão que nada mais era do que um "jogo" de perguntas e respostas aos interessados. Tal movimento dialético levava os interlocutores para o caminho que Sócrates deseja-se que eles caminhassem, ou seja, o conhecimento total das coisas. Este método por vezes era constrangedor por que as pessoas se julgavam conhecedoras plenas daquilo que praticavam. No entanto, quando perguntadas sobre os fundamentos de suas ações e percebiam que nada sabiam se sentiam inquietas e medíocres.
O significado de tal palavra é "dar a luz", ou seja, essa idéia de fazer as pessoas parirem intelectualmente vem possivelmente da comparação que fazia com a profissão de sua mãe, parteira. Ele por sua vez grego - e como muitos em sua época um bom observador da realidade ? desenvolveu de imediato um método simples de perguntas e respostas. A maiêutica como assim ficou rotulada era uma forma muito simples de fundamentar as argumentações dos presentes em uma educação.
Sócrates, portanto, em relação ao "parto das idéias", maiêutica era uma espécie de médico, não do corpo, mas do espírito. Sua preocupação principal era a edificação do ser humano e seu bem estar, aliás, o ser humano é o centro de seu pensamento.
O fato de sua presença ser tão agradável e cativante é dado pelo testemunho de Xenofonte em seus Memoráveis, onde vemos Sócrates retratado como uma espécie de médico, que literalmente "cura" a quem o procura e o modo como influenciava os seus: "Tampouco fazia de seus discípulos homens cúpidos, pois curando-os das outras paixões não pedia a menor paga aos que lhe procuravam a companhia" (XENOFONTE, 1972, pag. 43).
Xenofonte em seu texto por diversas vezes ressalta que Sócrates era um homem desprendido das coisas materiais. Que buscava unicamente o bem das pessoas como fim ultimo e desprezava toda e qualquer forma de exploração comercial por via do ensino: "Sócrates se mostrava abertamente amigo do povo e filantropo. De fato, era cercado de discípulos, atenienses e estrangeiros, jamais auferiu proveito deste comercio, transmitindo a todos e sem reserva o que sabia" (XENOFONTE, 1972, pag. 49). E em outra passagem Sócrates, segundo Xenofonte, chama de "... escravizadores de si mesmos os reclamam salários por suas palestras, visto se imporem a obrigação de conversar com os que lhes pagam" (XENOFONTE, 1972, pag. 43).
Esta classe de indivíduos eram chamados de sofistas. Famosos e dotados de uma grande capacidade de persuasão. Talvez tamanha capacidade de persuasão esteja mai ligada ao seu exibicionismo do que propriamente aos conteúdos expostos. O historiador holandês Johan Huizinga autor da obra "Homo Ludens" assim os define:

As proezas dos sofistas são chamadas epideixis ? exibição. Cada um destes tem... um repertório, e recebe honorários por seus ensinamentos. Algumas de suas peças têm preço fixo, como as conferencias de cinqüenta dracmas de Pródico. Górgias, por exemplo, ganhou tanto dinheiro com sua arte que pode dedicar uma estátua de si mesmo ao deus de Delfos, toda em ouro maciço (HUIZINGA, 2001, pag. 164).

O modo como tudo isso era praticado na visão de Sócrates era terminantemente abusivo, visto que o conhecimento para ele era algo que se era recebido de graça e do mesmo modo deveria ser passado. A prova disso e também a grande diferença entre Sócrates e seus opositores sofistas era o seu próprio modo de ensinar.
Os sofistas davam suas aulas particulares nas residências dos pagantes, como nos testemunha Werner Jaeger:


É por dinheiro que ministram os seus ensinamentos. Estes versam sobre disciplinas ou artes específicas e dirigem-se a um publico seleto de filhos de cidadãos abastados, desejosos de se instruírem. O palco onde, em longo solilóquio, brilham os sofistas é a casa particular ou a aula improvisada (JAEGER, 2003, pag. 523).

Sócrates em contrapartida freqüentava lugares públicos como os banquetes e os ginásios e a todos os interessados os instruía sem nenhuma paga. Tais lugares segundo Werner Jaeger já se praticava um novo tipo de ginástica, a do pensamento: "Surgiu assim uma ginástica do pensamento que logo teve tantos partidários e admiradores como a do corpo, e não tardou a ser reconhecida como o que esta já vinha sendo há muito tempo: como uma nova forma de paidéia"( JAEGER, 2003, pag. 523).
Deste modo surge um novo modelo de ensino muito mais cativante pelo simples fato de não haver cobranças e cujo único comprometimento era com o ensino da verdade para a construção de homens muito melhores. Não é por acaso que "em face dele, estava o grande numero de pais que a Sócrates iam pedir conselho para a educação de seus filhos" (JAEGER, 2003, pag. 553).
Portanto, este é o exemplo mais perfeito para nós hoje de amor e comprometimento com a verdade. Verdade esta que é preciso se colocar acima de todas as outras coisas. É bem verdade que o desejo habitante nas entrelinhas do método socrático é uma educação política e é por isso mesmo que Sócrates tanto se preocupava com a formação das pessoas. Por que ele sabia que somente por meio de uma educação exemplar é possível moldar o caráter de futuros governantes e por conseqüência ter um Estado muito mais bem governado. Uma coisa leva a outra, basta parar por um instante e refletir.

3. O CONCEITO ATUAL DE EDUCAÇÃO

Com certeza a conceituação presente de educação é totalmente distinta de conceitos antigos elaborados pela humanidade ao longo das épocas. A educação hoje passou a ter uma conotação muito voltada ? por parte dos governos principalmente ? para o comercial. Ou seja, "neste mundo de estilo empresarial, racional, num mundo em que se procura o lucro instantâneo, a administração das crises e a limitação dos danos, qualquer coisa que não possa provar eficácia instrumental é ?um tanto evasiva?" (BAUMAN, 2009, pag. 39).
Portanto, não existe mais aquele ideal, aquela preocupação com a formação de seres humanos integrais e de modo pleno. Pois era este o ideal grego, uma educação que trabalhasse o ser humano de todos os modos. Seja de modo físico, intelectual e também espiritual.
Basicamente o que ocorreu foi à evolução gradual da mentalidade das pessoas referentes à educação e que resultou na construção de um individuo integral, completo e bem estruturado.
É preciso ainda salientar que não se trata aqui de um saudosismo, mas si, um exemplo clássico de como foi vista e definida a educação para os antigos. Educar, para eles era algo muito mais profundo, precioso e infelizmente com o passar dos séculos foi-se perdendo tal ideal.
A educação as portas deste novo século que se abre é vista muito mais com motivos políticos e comerciais do que realmente preocupada com a evolução saudável do ser humano. Tal afirmação reside nas entrelinhas dos discursos apoteóticos do estado e da sociedade. Segundo Zygmunt Bauman, "para a maioria dos estudantes, a educação é acima de tudo uma porta de entrada para o emprego. Quanto mais ampla a passagem e melhores as recompensas do árduo trabalho, melhor" (BAUMAN, 2009, pag. 41).
Nenhum governo em sã consciência deseja criar em seus domínios seres inteligentes o suficiente a ponto de contestar as decisões estatais. Não é a toa que o ensino do pensar reflexivo, filosofia, fora banido do Brasil no período da ditadura.
Criou-se em nossa sociedade uma cultura em que: "História Antiga, música, filosofia e coisas que afirmam fortalecer o desenvolvimento pessoal, e não a vantagem comercial e política, dificilmente engrossam os números e índices de competitividade" (BAUMAN, 2009, pag. 40). Com esta limitação do grau de visão do ser pela busca de uma educação maior fica evidente que cada vez será mais fácil governar sem oposição. E no fundo quem sempre sai perdendo são as novas gerações que vão crescendo com conceituações e visões de mundo defasadas, como é o caso da educação cujo único significado hoje é o de abrir portas para um bom emprego.
O ser humano existe para muito mais, segundo Aristóteles, "todos os homens tem por natureza o desejo de conhecer..." (ARISTÓTELES, 1979, pag. 11). Mas se em uma cultura o ensino é apenas repassado com uma segunda intenção sem grande perspectiva ? além é claro de uma perspectiva mecanicista como já fora mencionado ? logo se aprende como foi ensinado.
A Paidéia contemporânea não tem mais o objetivo de "colocar os conhecimentos como força formativa a serviço da educação e formar por meio deles verdadeiros homens, como o oleiro modela a sua argila e o escultor as suas pedras..." (Cf. JAEGER, 2003, pag. 13). Muito pelo contrário, a Paidéia contemporânea tem por único objetivo "... ajudar o governo a vencer a próxima eleição" (BAUMAN, 2009, pag. 40). Como já fora dito não existe, portanto, a preocupação "com a educação ser um processo de construção consciente do ser humano" (JAEGER, 2003, pag. 13). Mas sim, no como a maquina estatal e os demais interessados podem se beneficiar de tal realidade.
Infelizmente enquanto houver este jogo mesquinho de interesses será impossível termos uma educação de qualidade voltada para a edificação do ser humano. Sempre estaremos presos aos grilhões ditatoriais semelhantes aos que alegorizou Platão no livro VII da Republica. Donde só veremos e ouviremos o que os detentores da "verdade" quiserem que vejamos.
Este totalitarismo intelectual, invisível, sorrateiro e venenoso é o que vem matando lentamente nossa sociedade, impedindo-a de avançar cada vez, mas rumo ao desconhecido e obscuro futuro que nos assombra. Segundo Zygmunt Bauman: "Precisamos da educação ao longo da vida para termos escolha. Mas precisamos dela ainda mais para preservar as condições que tornam essa escolha possível e a colocam ao nosso alcance" (BAUMAN, 2009, pag. 166). A educação, portanto, é o passaporte para a preservação de nossas escolhas e as nossas responsabilidades que surgem devido a tais escolhas.


























CONCLUSÃO;

Finalizando esta obra nota-se o como o sentido da educação mudou ao longo dos séculos. Isto quer dizer, que a educação de modo geral passou de uma preocupação com a edificação de futuros lideres que realmente aprendiam ? pois os conteúdos eram passados de forma clara e objetiva além é claro do compromisso de uma formação sólida ? para uma educação cujos únicos objetivos são reeleger governos e apresentar novos dados "avançados" a comitês internacionais.
É preciso antes de tudo de resgatar aquele desejo antigo que pairava na Grécia, de formar cidadãos capazes de bem administrar o estado e estarem conscientes do que fazem. E é somente por meio da educação que podemos alcançar isto. Mas a educação que aqui se diz é uma educação apaixonada, onde as crianças, os jovens se sentem cativados e gostam do que fazem.
Com a figura de Sócrates só temos a aprender com os seus riquíssimos ensinamentos, mas também por via de seu exemplo a por todos esses desejos de uma reforma educacional em ação. E com isso tornar os educandos mais apaixonados e curiosos com o ensino.
Uma educação apaixonada, sim, é disso que a nossa sociedade precisa para se reerguer com dignidade e compromisso para com o futuro.































Referências:

ANDRADE, Líbero Rangel de. Xenofonte: Ditos e Feitos Memoráveis de Sócrates. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1972.
BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.
HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2008.
JAEGER, Werner. Paidéia ? A formação do Homem Grego. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
LUZURIAGA, Lorenzo. História da Educação e da Pedagogia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1985.
SCHMITZ, Egídio F. O Homem e sua Educação ? Fundamentos de Filosofia da Educação. Porto Alegre: Sagra, 1984.
VALLANDRO, Leonel; BORNHEIM, Gerd. Aristóteles II: Ética a Nicômaco. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Ricardo Valim
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Bacharel em Filosofia pela Faculdade São Luiz de Brusque SC e Pós-Graduado em Metodologia do Ensino de Filosofia e Sociologia pelo Grupo Uniasselvi Assevim Pólo de Brusque SC. Atualmente Cursando Licenciatura Plena em Filosofia pela UNIFAI - Centro Universitário Assunção - de São Paulo Capital.
Membro desde julho de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: