A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE CRIADORA NA EDUCAÇÃO
A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE CRIADORA NA EDUCAÇÃO



A Arte se apresenta no cotidiano infantil na forma de expressão da sua visão de mundo, sua representação da realidade surge quando a criança rabisca ou desenha no papel, na areia, na terra, na água; neste momento, ela está utilizando a linguagem da arte para expressar-se. Esses trabalhos de expressão não são apenas impressões que a criança deixa sobre o suporte, mas explicitam o seu desenvolvimento intelectual, emocional e perceptivo. Segundo Lowenfeld, [...] cada desenho reflete os sentimentos, a capacidade intelectual, o desenvolvimento físico, a acuidade perceptiva, o envolvimento criador, o gosto estético e até a evolução social da criança, como indivíduo ( pág.35).

1.A ARTE COMO MEIO DE COMPREENDER O DESENVOLVIMENTO

1.1 Desenvolvimento emocional

De acordo com o autor, o desenho pode proporcionar a oportunidade do desenvolvimento emocional, está intrinsecamente ligada a intensidade com que o autor se identifica com sua obra, ou seja, as freqüentes repetições estereotipadas só são usualmente vistas nos desenhos de crianças que desenvolveram padrões rígidos em seu raciocínio, assim [...] repetições ridas e estereotipadas expressam um tipo inferior de estado emocional (pág.37).
Dessa maneira, uma criança incapaz de reações emocionais pode expressar sentimentos desprendidos, sem incluir nada de pessoal na sua obra criadora. O autor destaca ainda que, com a inclusão direta do eu, a criança participa, com efeito, de seu desenho; pode aparecer diretamente em sua obra criadora ou representar alguém com quem se identifique isto é uma criança emocionalmente livre, desinibida, na expressão criadora, sente-se segura e confiante ao abordar qualquer problema que derive de suas experiências. Identifica-se, estritamente, com seus desenhos e tem liberdade para explorar e experimentar grande variedade de materiais.

1.2 Desenvolvimento Intelectual

O desenvolvimento intelectual está relacionado a compreensão gradativa que a criança tem de si própria e do seu meio, ou seja, o conhecimento está ativamente à disposição da criança, quando desenha, demonstra seu nível intelectual. Sob esse aspecto o autor destaca os desenhos como meios utilizados para demonstrar o indicio da capacidade mental da criança, principalmente quando os meios verbais de comunicação não são adequados. Dessa maneira é importante que se possa manter um equilíbrio apropriado entre a evolução emocional e a intelectual.

1.3 Desenvolvimento Físico

Segundo Lowenfeld, o desenvolvimento físico manifesta-se em sua capacidade de coordenação visual, na maneira como controla seu corpo, orienta seu traço e dá expressão as suas aptidões. ?as mudanças no desenvolvimento físico podem ser facilmente observadas nas crianças em sua fase de garatujas?, ou seja, quando os traços apontam o desenvolvimento físico em atividades criadoras, pois a projeção do eu do desenho é designada como figuração mental do corpo. A continua exageração ou omissão de algumas partes do corpo pode estar vinculada ao desenvolvimento físico do indivíduo.

1.4 Desenvolvimento Perceptual

A fruição da existência e a capacidade de aprendizagem talvez dependam do significado e da qualidade das experiências sensoriais. A observação visual é, normalmente, aquela a que se atribui maior ênfase na experiência artística. De acordo com o autor, o desenvolvimento perceptual revela-se na crescente sensibilidade às sensações do tato e dá pressão, desde o simples amassar do barro de moldagem e a exploração tátil de contexturas até as reações sensitivas ao barro, na modelação de uma escultura e na fruição das diferentes qualidades da superfície e do contexto, numa variedade de formas artísticas. Assim, [...] as experiências auditivas são freqüentemente incluídas na expressão artística. Esta inclusão varia desde a mera consciência de sons e sua introdução, até as reações sensitivas as experiências musicais, transformadas numa expressão de arte ( pág.44).

1.5 Desenvolvimento Social

O desenvolvimento social das crianças pode ser facilmente apreciado em seus esforços criadores, isto é, a criança muito pequena começa a incluir algumas pessoas em seus desenhos, logo que abandona a fase das garatujas. Dessa maneira, à medida que a criança cresce, sua arte vai refletindo sua crescente conscientização das pessoas e da influencia destas em sua vida, a criança passa a adotá-las numa grande porcentagem do seu conteúdo temático. Assim ao autor destaca no livro a importância do processo artístico, em si mesmo, proporcionando um meio de desenvolvimento social, isto é, a arte proporciona a oportunidade de interação social com as crianças da mesma idade, através dos trabalhos em grupos podem cooperar tendo a maior consciência da contribuição de cada individuo. Como cita Lowenfeld:

Essa capacidade só pode ser desenvolvida, se a criança aprender a assumir a responsabilidade pelas coisas que está fazendo, se for capaz de enfrentar suas próprias ações e, assim fazendo, identificar-se com outrem. As atividades criadoras fornecem um excelente meio para dar importante passo ( Pág.44).

Sob tal aspecto o autor considera a arte como um meio primordial de comunicação e, como tal, converte-se em expressão mais social do que pessoal. O desenho pode assim, torna-se uma ampliação do eu no mundo da realidade. Esse sentimento de consciência social é o inicio da compreensão de um mundo mais amplo, de que a criança passou a tomar parte.

1.6 Desenvolvimentos Estético

O desenvolvimento estético, está relacionado a capacidade sensitiva para integrar experiências num todo coeso, de acordo com Lowefeld cada material artístico possui exigências diferentes, em função do seu uso estético, isto é a estética está intimamente vinculada à personalidade, a falta de organização ou a dissociação de partes, dentro de um desenho, podem, ser um sinal da falta de integração psíquica do individuo. Portanto a educação pode ser encarada como a evolução do comportamento estético.

1.7 Desenvolvimento Criador

O desenvolvimento criador está relacionado a liberdade emocional: liberdade para explorar e experimentar, liberdade para envolver-se, emocionalmente, na criação. De acordo com o autor criança inibidas em sua criatividade, por regras ou forças que lhes são alheias podem retrair-se ou recorrer à cópia ou ao desenho mecânico. Na perspectiva do autor garatujar é importante e significativa, pois assim, a criança pode se expressar livremente e não de maneira imposta, a capacidade criadora é essencial em nossa sociedade, e o trabalho da criança reflete no seu desenvolvimento criador, tanto no próprio desenho como no processo de realizar a forma artística.

1.8 Resumo das características do desenvolvimento
Lowefeld aborda a arte como importante para a criança, para seus processos de pensamento, para seu desenvolvimento perceptual e emocional, para sua crescente conscientização social e para seu desenvolvimento criador. Tal importância engloba a arte como, parte do processo psicológico que ocorrem e que são experimentados e se desenvolvem na criança, à medida que esta é influenciada pela aprendizagem, dessa maneira a arte proporciona à criança uma vasta gama de possibilidades, e seu desenvolvimento não está limitado, às áreas que foram predeterminadas pelo sistema educacional, assim o desenho, a pintura ou a construção que executa reflete sua crescente capacidade para lidar com uma série diversificada de possibilidades, de forma construtiva.



2 A ARTE COMO REFLEXO DO DESENVOLVIMENTO

Segundo o autor através da arte podemos penetrar em seu comportamento e desenvolver a apreciação dos vários e complexos modos como ele cresce e se desenvolve.Assim para trabalhar com crianças na área de arte é necessário compreender as várias fases da evolução e possuir um completo conhecimento é necessária para que o professor determine até que ponto a criança pode compreender e utilizar a experiência artística.tais experiências não possuem um tema a ser ensinado, ou seja, num certo sentido não existe temas para a arte, somente modos diversos de representar as relações do artista com os objetos e as pessoas que o cercam e com os sentimentos e as emoções que são provocadas pelo mundo à sua volta.A criança transmite sua experiência subjetiva do que é importante para ela no ato de desenhar, unicamente demonstra o que se encontra de forma ativa em sua mente. Portanto, o desenho fornece-nos um excelente registro das coisas que se revestem de importância para à criança, durante o processo de desenhar.

2.1 Fases do desenvolvimento na Arte

A medida que a criança mudam sua arte se transforma sobre esse aspecto Lowenfeld destaca fases do desenho infantil onde destaca a primeira dela como fase das garatujas, momento em que a criança desenha rabisco desordenados, numa folha de papel,tais traços vão se tronando cada vez mais ordenados organizados e controlados, esse período dura em torno dos dois aos quatro anos. A etapa seguinte é denominada estágio pré-esquemático, nesse estágio a criança faz a representação típica de um homem apenas com a cabeça e pés, e começa desenhando uma quantidade de outros objetos do seu meio, com os quais teve contato.
Essas figuras ou esses objetos aparecem colocados de um modo um tanto desordenado no papel e podem variar, consideravelmente, de tamanho. A fase seguinte é o estágio esquemático, que começa por volta dos sete anos e se estende até os nove, nesta fase a criança desenvolve o conceito definido da forma. Seus desenhos simbolizam partes do seu meio, de um modo descritivo, habitualmente, ela repete uma a outra vês no esquema que criou para representar um homem. Quando a criança atinge na idade de nove anos ingressa no Estágio do realismo, os desenhos simbolizam mais do que representam os objetos. O jovem está muito cômico de si mesmo e essa consciência manifesta-se em seus trabalhos, até ingressar num ultimo estágio de pseudonaturalista o período do raciocínio, nesta o desenho da figura humana apresenta muitos detalhes e, como era de esperar, revela um incremento na conscientização das características sexuais.

2.2 O significado das fases do desenvolvimento

De acordo com o autor as fases do desenvolvimento infantil, torna-se um trabalho artístico que significa a reconstruir o seu meio, proporcionando uma boa indicação sobre o desenvolvimento da criança, segundo Piaget apud Lowedfeld (pág.60):
[...] ao estudarmos o raciocínio das crianças devemos descobrir as fases no seu desenvolvimento em estreito paralelo com os períodos de crescimento mencionados [...] a primeira etapa chama-se período das adaptações sensórios motoras, ao qual segue o período pré-operacional e o período das operações concretas [...] o trabalho de Piaget demonstra que nada resulta de bom para a criança, quando se critica seus desenhos ou outras formas visuais por ela produzidas; se é importante mudar a forma de um trabalho artístico, realizado por um jovem.
Sob essa premissa os desenhos podem refletir a capacidade da criança para manejar certas partes do seu meio de um modo muito prático. O ensino torna muito significativo, quando a criança pode dominar essa informação.


3 ARTE E CRIATIVIDADE

A arte e a capacidade criadora sempre estiveram ligadas de acordo com Lowedfeld, assim o termo criatividade tornou-se excessivamente popular. As palavras criatividade ou capacidade criadora são aplicadas como pintura brilhante em livros e títulos. Em geral, considera-se criatividade como um comportamento produtivo, que se manifesta em ações ou realizações. O autor destaca as dificuldades que o professor de crianças pequenas de apresenta formas aceitáveis em que as crianças possam usar e são encorajadas a utilizar sua capacidade criadora, existem diferent6es fases do pensamento criador, onde a criatividade necessita ser alimentada por um tipo especial de ambiente, a criatividade deve ser amparada, e ao mesmo tempo orientada para caminhos socialmente aceitáveis, as experiências artísticas proporcionam uma excelente oportunidade para reforçar o pensamento criador e propiciar os meios pelos quais os jovens podem desenvolver suas representações imaginativas e originais sem censura.


BIBLIOGRAFIA
LOWENFELD.W.L. Desenvolvimento da capacidade criadora.
 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Ana Carla Vale Lago
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Possui graduação em Pedagogia e Educação Artística pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA). Tendo Especialização em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA).
Membro desde julho de 2010