A HISTÓRIA DO SERVIÇO SOCIAL

1 INTRODUÇÃO

O Serviço social peregrinou pelos séculos na busca por sua especificidade e campo de atuação. Foi usado pela burguesia em sua gênese no século XIX, buscando atender somente seus próprios interesses, alienando e subjugando o proletariado. Neste trabalho será analisada a gênese do Serviço Social enquanto profissão com estruturação metodológica e teórica em nosso país, já que em seus primórdios era utilizada como simples ajuda ao pobre e carente pelos mais ricos. Desta maneira sua formação no Brasil não se dará de forma diferente, já que as escolas de Serviço Social basearam-se nos ideais europeus de assistencialismo financiados pelos burgueses e apoiados pela igreja Católica.

Livro relacionado:

2 O SURGIMENTO DO SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL

O Serviço Social no Brasil tem suas origens na primeira metade do século XX, com suas raízes cristãs de assistencialismo, a igreja Católica controlava todo processo de ajuda ao próximo e benefícios aos menos favorecidos, sendo patrocinada pela ordem burguesa vigente. Com o surgimento do Capitalismo na Europa, a gênese deste ideal assistencialista encontra-se embasada na contradição fundamental que demarca a sociedade capitalista burguesa, mais precisamente no Brasil, onde a produção é cada vez mais social e a apropriação do trabalho, suas condições e seus resultados, são cada vez mais privadas, assumindo distintas roupagens nesta época. Igualmente, tem-se neste modo de produção, mediante o trabalho alienado e suas relações sociais antagônicas, garantidas tanto a reprodução das condições de exploração e apropriação da riqueza produzida quanto de seus mecanismos ideológicos. A profissão do Serviço Social, que participa dessa reprodução da sociedade, é historicamente determinada, sendo a atuação dessa categoria articulada de maneiras distintas na conjuntura social, política e econômica do Brasil.
Em uma ordem cronológica dos acontecimentos e evolução do Serviço Social no Brasil, observa-se a grande interferência católica neste percurso longo, árduo e mecânico de evolução desta profissão. No ano de 1922 a igreja Católica organizou a I Conferência de Ação Católica dando assim um salto em direção aos ideais assistencialistas de ordem cristã e exigida por Deus. Dez anos mais tarde, em 1932 o Brasil contou com a visita de Adele de Loneux, trazendo novos ideais europeus acerca do Serviço Social por meio de diversas conferências que fez pelo país e ao retornar para a Bélgica levou consigo duas brasileiras, Maria Kiehl e Albertina Ramos, que aos se formarem sob influência européia, voltaram ao país e fundaram a Escola de Serviço Social de São Paulo. Neste mesmo ano criou-se também o Centro de Estudos da Ação Social (CEAS) ? sendo considerado uma importante evolução para o Serviço Social no Brasil.
Ao governo brasileiro, enquanto detentor do poder público cabia a responsabilidade de regular os excessos e promover uma vida digna à população, principalmente neste período conturbado da história do país com o crescimento dos grandes centros, o pleno desenvolvimento do Capitalismo e sua implantação no Brasil com a construção de fábricas, gerando no país um forte e expressivo êxodo rural, superlotando as cidades e continuando o mesmo processo de urbanização e detereorização do proletariado, como na Europa e Estados Unidos.
Ajudar e solucionar estes graves problemas da população carente, revoltada e oprimida transformou-se em questão política, pois inúmeras greves explodiram neste período. Assim o governo, juntamente com os burgueses brasileiros e a igreja Católica uniram-se para tentar sufocar a voz do povo, proporcionando "acalentos" para os trabalhadores e suas famílias, criando consensos, onde na ilusão de ajudar aos pobres estaria a solução para a crise.
Por se haver instalado os ideais comunistas e liberais no país, a igreja Católica viu seus valores sagrados como, a moral, a ordem e o poder ameaçados. Como ao Estado cabia a função de promover a paz e aniquilar a desordem nas relações sociais e o fantasma do comunismo ameaçava o capitalismo no Brasil, o Estado criou sindicatos, instituições assistenciais, com o apoio da igreja Católica e financiamento dos burgueses. Com a criação do Centro de Ação social de São Paulo, cabia ao mesmo a responsabilidade de formar os membros que estudavam a doutrina da igreja fundamentando sua ação em sua lei, para auxílio ao proletariado e suas respectivas famílias tornando mais eficiente a atuação das então formadas trabalhadoras sociais, fortalecendo e unindo a coordenação e os esforços nas diferentes atividades e obras de cunho social por eles patrocinados e mantidos.
Ainda em 1932 foi ministrado o curso intensivo de filantropia para formação social de moças, promovido pelas cônegas de Santo Agostinho, onde estas apelaram para a criação de uma organização que atendesse os necessitados. As trabalhadoras sociais da época eram moças ricas e de famílias abastadas que lidavam diretamente com proletariado da época, geralmente das próprias empresas da família. Assim a culminância do Serviço Social era adaptar o homem ao meio que vivia e o meio ao homem, mas estas trabalhadoras sociais ainda não observavam de maneira crítica e consciente o seu trabalho e sua intervenção na sociedade, a sistematização e teorização da profissão, alienando a população e iludindo-se com a idéia de que serviam em amor ao próximo, segundo o que pregava a igreja.
Em 1935 criou-se a lei n.º 2.497 para a formação do Departamento de Assistência Social do Estado. O presidente da república neste período era o Sr. Getúlio Vagas, que foi considerado o "pai dos pobres" e a "mãe dos ricos", criou leis em benefício aos trabalhadores, já que sua política social era forte e assistencialista. No ano seguinte foi criado o Departamento de Assistência Social do Estado de São Paulo, ampliando um pouco mais os horizontes destes profissionais e formando mais pessoal, pois a demanda da época era muito grande.
O Curso Intensivo de Assistência Social, solicitado pelo Estado, formava assistentes sociais para atuarem em determinadas instituições estatais, regulamentando no mercado o trabalhador e contendo a exploração da força de trabalho, racionalizando a assistência, reforçando e centralizando a sua participação. Do mesmo modo regulando as iniciativas particulares, apoiando as instituições coordenadas pela igreja, adotando técnicas e formação técnica especializada, desenvolvidas a partir daquelas instituições particulares.
O Estado incentivava a formação técnica institucionalizando sua progressiva transformação em profissão legitimada dentro da divisão sócio-técnica do trabalho. Com a adaptação dessa formação técnica, os cursos adotavam novas orientações e tomavam novos e expansivos rumos. Entretanto, atualmente o Serviço Social ainda peregrina por indagações das mais diversas e pela busca de sua especificidade.
No ano de 1937 no Rio Janeiro houve a criação do Instituto de Educação Familiar e Social, pois a questão social passou por uma transição, de caso de polícia para uma questão política. No Rio de Janeiro neste mesmo ano criou-se a Escola Técnica de Serviço Social com um convênio firmado entre o CEAS e o departamento de Serviço Social do Estado em 1939, organizando os centros familiares. Em 1940 realizou-se o curso de preparação em trabalho social, visando melhor treinar, orientar e nortear os trabalhadores sociais da época.
O ano de 1942 foi de grande importância para a consolidação do Serviço Social no Brasil, com a criação da LBA ? legião brasileira da assistência. Os Estados Unidos da América neste período proporcionavam bolsas de estudos para assistentes sociais brasileiros, que com sua volta ao país introduziram o processo de Serviço Social de casos, marcando uma mudança na visão dos assistentes sociais do país, pois estes anteriormente tinham sua visão social voltada para os ideais franceses de assistência médico-social.
No ano de 1945 o Congresso Pan Americano foi um evento que aproximou os assistentes sociais de todo continente americano para debaterem sobre os novos rumos tomados pelo Serviço Social no continente.
A criação da Associação Brasileira de Escolas de Serviço Social - ABESS, e a Associação Brasileira de Assistentes Sociais - ABAS, em 1946 abria um pouco mais a visão dos assistentes sociais, pois a teorização da profissão mudou os rumos da assistência prestada, ampliou os horizontes dos assistentes sociais retirando dos mesmos a concepção mascarada de assistencialismo ao carente e implementou as políticas públicas de bem-estar da população excluída e confinada às margens da sociedade.
O I Congresso Brasileiro de Serviço Social São Paulo em 1947, explicou o Serviço Social como uma

"atividade destinada a estabelecer, por processos científicos e técnicos, o bem-estar social da pessoa humana, individualmente ou em grupo, e constitui o recurso indispensável à solução cristã e verdadeira dos problemas sociais". (VIEIRA, 1977, p. 143).

O II Congresso Pan Americano de Serviço Social no Rio de Janeiro em 1949 foi um marco na evolução do Serviço Social em nosso país como um congresso de larga escala. Com este misto de ideais americanos e franceses de assistência médico-hospitalar que enfocava também a família do trabalhador, apresentava, portanto uma característica paternalista na obtenção de benefícios matérias, na gratuidade dos medicamentos, alimentos, auxilio em espécie ou no encaminhamento a obras sociais que podiam melhor atendê-los. Essa atitude paternalista de auxílio se estende até os dias atuais em nosso país com o benefício do programa Bolsa-Família e suas variadas vertentes.
Em 1960 o relatório brasileiro para a X Conferencia Internacional de Serviço Social, observa que a expressão SERVIÇO SOCIAL no Brasil tem duas vertentes, a primeira o Serviço Social é apresentado como sinônimo de entidade e obra onde todos os auxílios prestados eram gratuitos como, hospitais, ambulatórios designados e etc, designados como serviços sociais. A segunda era de método por onde as pessoas, os grupos, ou as comunidades são ajudadas por profissionais formados que destinavam a observar seus interesses e promover meios para solucionar os seus problemas ou satisfazê-los.

[...]

 
Download do artigo
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Talita Carmona ------ Serviço Social ( Modelo De Documentos E Artigos)
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Talita Carmonia Vieira - Assistente Social - MBA Executivo Empresarial em Organizações e a Saúde do Trabalhador. ----- Não deixe perguntas aqui! Para saber mais, envie um e-mail pedindo informação: [email protected]
Membro desde agosto de 2010