PÓLO INDUSTRIAL DE FEIRA DE SANTANA
 
PÓLO INDUSTRIAL DE FEIRA DE SANTANA
 


PÓLO INDUSTRIAL DE FEIRA DE SANTANA ? SUBAÉ
CIS ? Centro Industrial Subaé


Abraão Costa Lima,Danillo Cedraz,José Vandesrson Paiva de Lima,Valério Amós da Silva
Wélio Sousa de Araújo



RESUMO

O Centro Industrial Subaé órgão vinculado à Secretaria da Indústria Comércio e Mineração, autarquia responsável por planejamento e implantação de negócios na região através de uma política de incentivos fiscais tem de maneira viável atraído empresas para os núcleos industriais do Subaé, devido também a sua localização estratégica que permite a possibilidade de negócios sólidos. Com o incentivo do governo o CIS vem consolidando o PDDI-Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado que superintenderá 40 municípios e concernente desenvolverá o potencial regional.

Palavras ? chaves: O CIS, Localização Estratégica.


ABSTRACT

The Industrial Center Subaé body linked to the Ministry of Industry Commerce and Mining, government agency responsible for planning and implementation of businesses in the region through a policy of tax incentives has attracted companies from viable way for the industrial centers of Subaé, also because of its strategic location allowing the possibility of solid business. With the encouragement of the government has been consolidating the CIS PDDI-Integrated Development Plan which 40 municipalities oversee and develop concerning regional potential.


INTRODUÇÃO

O Centro Industrial do Subaé - CIS, criado há quase 40 anos é posicionado em terceiro lugar em área de concentração de indústria da Bahia. Desde sua homologação como órgão municipal a estadual que aconteceu em 07 de novembro de 1983, por a lei Estadual nº 4.167, que formalizou o CIS a Autarquia vinculado à estrutura da Secretaria da Indústria Comércio e Mineração. Sendo que o mesmo engloba 3 (três) núcleos industriais, e sua superintendência em quatro municípios como: Feira de Santana, Conceição de Feira, Conceição do Jacuipe e São Gonçalo dos Campos.
A unificação do Centro Industrial Subaé se tornou real, haja vista que seu espaço físico industrial planejado possibilitou a entrada de novos investimentos. O CIS experimentou avanços importantes no processo de desenvolvimento por sua estratégia de localização, por estar situado no maior entroncamento do norte/nordeste, a menos de 80 km do porto de Aratu e a 108 km da capital do estado, Salvador.
Não só por este motivo, mas outros aspectos determinantes, também contribuíram no processo de desenvolvimento da cidade de Feira de Santana, que é sede de um importante pólo de desenvolvimento regional, é a segunda maior cidade do estado, ficando atrás da metrópole Salvador. Estudos de viabilidade econômica para implantação industrial e pré-análises empresariais revelam que Feira de Santana é uma cidade com infra-estrutura desejável tanto na área urbana como de serviços. A mesma é repleta de potenciabilidades regionais como: as matérias primas, os insumos, a avaliação dos mercados emergentes, as universidades, entidades e centros educacionais de capacitação profissional.
A metodologia da pesquisa do determinado assunto foi com base na entrevista em que buscamos os dados no próprio órgão, que para Marconi e Lakatos 2005, determinam alguns modelos no caso o utilizado foi o tipo de entrevista despadronizada ou não ? estruturada em que o:

Entrevistador tem liberdade para desenvolver cada situação em qualquer direção que considere adequada. É uma forma de poder explorar mais amplamente uma questão. Em geral, as perguntas são abertas e podem ser respondidas dentro de uma conversação informal. [MARCONI E LAKATOS, 2005, p. 199].



O PÓLO INDUSTRIAL
O pólo industrial de Feira de Santana ? BA, formado por três núcleos, tomba com área estimada em 24Km2, situa-se entre o anel de contorno rodoviário e a linha divisória Feira de Santana/São Gonçalo dos Campos, no sentido Norte-Sul, e entre o Rio Jacuípe e a Rodovia Feira de Santana - São Gonçalo dos Campos, no sentido Oeste-Leste; BR 324 com Área medindo, aproximadamente, 28,4 KM2, localizada ao longo da BR-324, no Município de Feira de Santana, com 14,2 km de comprimento, a partir do anel de contorno rodoviário, em direção a salvador, por 1.000m de largura para cada lado, a contar do limite da faixa de domínio da citada rodovia; e o núcleo de São Gonçalo dos Campos.
A região tem grandes desafios devido à urbanização em área de indústrias, o que dificulta para o CIS o processo de negociação de terrenos nestes locais a exemplo o Tomba que com área disponível não pode ser negociada por causa de um planejamento divergente entre indústria e área residencial. O CIS esta com um projeto chamado PDDI-Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado, que dividiria os setores de indústrias por segmentos e certamente resolveria alguns dos problemas de divergência.


Fonte: Google.com

A cidade está situada em uma das principais rodovias do nordeste brasileiro, aonde ocorre o encontro das BRs 101, 116 e 324, que funciona como ponto de passagem para o tráfego que vem da região Sul e do Centro-oeste, e se dirige para a capital Salvador e outras cidades do nordeste.
Graças a esta posição privilegiada e à distância relativamente pequena de Salvador, possui um importante e diversificado setor de comércio e serviços, além de indústrias de transformação e a Universidade Estadual de Feira de Santana, com 21 cursos, além de seis faculdades particulares e uma complexa fábrica de aviões ultraleves, ao lado do aeroporto existente no município.
Com o desenvolvimento das unidades logísticas da região arquitetados por o governo e as entidades privadas a região na ultima década alcançou um crescimento de 350%, esse numero surpreendente deve-se a participação de um aglomerado de 150 indústrias de pequeno, médio e grande porte. Tamanha expansão representa um total de empregos gerados de 10.000 [CIS-2005].
A cidade é conhecida como "princesa do sertão", com uma população de 591.707 habitantes dados do IBGE-2006, e ocupando o 34º no ranking nacional sendo maior que oito capitais como: Aracaju, Vitória, Florianópolis, Rio Branco, Palmas, Porto Velho, Boa Vista e Macapá, conforme estimativa do (IBGE 2005).
A estrutura urbana leva em consideração a paisagem contrastante que representa a geografia da região, em que situa a ruas e que determina as formas de planejamento do território. A mesma possui um sistema de rede de esgoto com um percentual de 41%, sendo o segundo maior da região, parte importantíssima que agrega possibilidade de crescimento como retratado em seu IDH-Índice de Desenvolvimento Humano de 0,740 ? PNUD - (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) é terceiro maior município arrecadador de ICMS do Estado da Bahia com R$ 212.935.393,00, um PIB per-capita/ano de R$ 5.025,00 e PIB total de 2.608.660 mil a preços correntes, dados CIS 2004.







TABELA 1 ? ATIVIDADES ECONÔMICAS
Atividade Número de estabelecimentos Pessoal Ocupado
Indústria 963 9.727
Comércio 4.292 23.207
Serviços 6.373 24.829
Fonte: Censo Empresarial ? 98. Números de estabelecimentos na indústria, comércio e serviços em Feira de Santana.


Os dados da Tabela 1 das atividades econômicas revelam que a indústria em Feira de Santana é responsável por um número de estabelecimentos de 963, o que repercute na geração de emprego da cidade ocupando nos postos de trabalho 9.727 pessoas no setor. O que representa para a indústria um avanço importantíssimo, já que os tipos de segmentos são diversificados como: a manufatura de produtos químicos, vestuário, metalúrgica, papel e embalagem. O que atrai estas indústrias para a região? Geralmente uma política de incentivos fiscais e acesso a crédito. Empresas de porte tais como: a Nestlé, Brasfrut, Pneu Pirelli e Siemens dentre outras arrecadaram em 2005 o valor de R$ 85,1 milhões de ICMS representando 40,10% do total arrecadado no município.
Como é visto na Tabela 1 o comércio é o seguimento de maior importância econômica da estrutura produtiva municipal em geração de emprego e de renda. Segundo o CIS ? 2004, a importância de 4.292 estabelecimentos, sendo 81,4% varejista e 18,6% atacadista, gerando 23.207 empregos diretos e mais de 75 mil indiretos. Em 2007 foram arrecadados R$ 200,5milhões de ICMS representando 66,46% do total arrecada no município. Dentro da estrutura econômica do setor, a cidade conta com o shopping Boulevard (ex Iguatemi) com 86 mil metros quadrados de área, gerando mais de 6 mil empregos diretos e indiretos, divididos em mais de 130 lojas: hipermercado Bom Preço; Mcdonald's, C&A, Lojas Americanas, Marisa, Riachuelo, Insinuante etc. e quatro salas de cinema Multiplex.
Outro equipamento importante dentro da estrutura econômica comercial da cidade, o Centro de Abastecimento de Feira de Santana (CAF), autarquia ligada à Prefeitura Municipal, concentra comerciantes de carnes, cereais, artesanatos e hortifrutigranjeiros, varejistas e atacadistas, exerce papel importante na cotação e regulação de preços e no abastecimento da macrorregião, reunindo 2.162 comerciantes, gerando mais de 7 mil empregos diretos e indiretos. Nos últimos anos, surgiu na estrutura econômica da cidade um novo centro de comercialização de produtos importados, denominado Feiraguai, reunindo cerca de 600 comerciantes de produtos importados de outros países, que abastece a macrorregião de influência da cidade, gerando mais de 1.800 empregos diretos e indiretos, segundo a associação dos vendedores do Feiraguai.
Segundo o censo empresarial foram contabilizados 6.373 estabelecimentos, gerando 24.829 empregos diretos e 75 mil indiretos. Dentro do seguimento destacamos os ramos assistência medico-sanitaria, educação e transporte que tem grande importância polarizadora.

TABELA 2 ? DIVISÃO REGIONAL
RECIÕES ECONÔMICAS ANO A ANO TOTAL GERAL
2007 % 2008 % 2009 % % Var/07/09
Metropolitana
Salvador 11.294 38 11.164 32 13.134 33 35.592 34 16,3
Litoral Norte
1.007 3 1.289 4 1.445 4 3.741 4 43,5
Recôncavo Sul 1.013 3 1.284 4 1.422 4 3.719 4 40,4
Litoral Sul
2.640 8 3.628 10 3.717 9 9.805 9 51,1
Extremo Sul
1.979 7 2.615 7 2.696 7 7.290 7 36,2
Nordeste
1.456 5 1.924 5 2.301 6 5.681 5 58,0
Paraguaçu
2.770 9 3.505 10 3.413 9 9.688 9 23,2
Fonte: Revista Bahia Oportunidades.

O Estado da Bahia aparece como grande promissor diz pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ? IBGE e indica que a indústria baiana ganha destaque no cenário nacional, respondendo por 60% de toda produção do nordeste. Neste ínterim a economia do interior baiano tem mostrado crescimento nos últimos anos. Com programas do governo para melhoria da qualidade de vida, como Luz para Todos e Água para Todos, tem crescido o consumo da população do interior. Números da Junta Comercial expressa na tabela 1 acima, mostram que, entre 2007 e 2008, foram abertas mais empresas no interior baiano do que na Região Metropolitana de Salvador.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Em suma, o desenvolvimento econômico desta região está atrelado a uma forte infra-estrutura regional que possibilita a implantação de vários tipos de negócios, o que é relevante para a região já que através de meios logísticos representativos para o estado, permitem que essas empresas se deslocam de outros estados tenham a viabilidade de escoamento da produção e com uma demanda adjacente local, o Cento Industrial Subaé trabalha numa linha em que atribuirá o mercado potencial dando suporte a estas entidades através do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado-PDDI, que breve oportunizara a divisão das indústrias por segmentos e resolverá a divergência entre a indústria e zona residencial.




 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Welio Sousa De Araújo
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou um Acadêmico de administração na FADBA - Faculdade Adventista da Bahia, curso o 7º período.
Membro desde dezembro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: