Geopolítica do Petróleo no Mundo.
 
Geopolítica do Petróleo no Mundo.
 


Geopolítica do Petróleo

Resumo: Após a Revolução Industrial o petróleo começou a imprimir suas marcas e importância no espaço geográfico, e como fonte primária de combustível ele é de extrema importância para as indústrias petroquímicas. Em meados dos anos 30 essa indústria se tornou a maior fonte de em produção de produtos com matéria prima derivadas do petróleo com diversos produtos já comercializados no mundo que iam desde pneus à industrial calçadista, diversos combustíveis, plásticos.
Palavras Chave: Petróleo; Geopolítica; mar Cáspio; Rússia; China; Europa

Porém a Geopolítica do Petróleo se materializou através de cinco fases na qual a primeira começou em 1956 depois que o presidente do Egito neste ano nacionalizou o Canal de Suez de propriedade de uma empresa Anglo-Francesa. O canal era/é uma importante passagem para exportação de produtos da região para países ocidentais, e essa nacionalização do canal gerou consequentemente o interrompimento de passagem da exportação o que elevou o preço do petróleo, a segunda fase se caracterizou quando os EUA deram apoio a Israel, a terceira ocorreu quando durante a crise política no Irã e a consequente deposição de Xá Reza Pahlevi o que desorganizou todo o setor de produção no Irã, a quarta fase se deu quando Guerra do Golfo em 1991, depois que o Iraque governado por Saddam Hussein invadiu o país vizinho Kuwait, um dos maiores produtores de petróleo do mundo a quinta e mais recente foi em 2008 quando os preços subiram mais de 100% entre Janeiro e Julho, em virtude de movimentos especulativos em nível global, e no decorrer de todo esse processo especialistas dizem que a demanda por petróleo pode crescer 50% até 2030, e isso vai acontecer em decorrência do crescimento da índia e também da China, visto que países do ocidente ainda continuaram muito dependentes de combustíveis fosseis, atualmente no Oriente Médio foi descoberto a existência de uma grande reserva de petróleo no mar Cáspio e nessa região quem disputa rota de transporte a exploração de petróleo e gás para o Ocidente e demais regiões é a Turquia e a Rússia, visto que o mar Cáspio não tem saída para o mar aberto; a geopolítica do petróleo no mundo indica que a dependência dos países é crescente embora seja duvidoso ter fornecedores como a Rússia, e na Europa grande parte do petróleo e gás consumido é de origem russa, o que gera problemas pois as politicas do governo autoritário da Rússia estatizou varias companhias do setor petrolífero, cancelando assim projetos de empresas multinacionais e mostrou em vários lugares que não hesitaria em fechar gasodutos por motivos políticos, tais situações geram um grande nervosismo acerca da dependência dos países europeus com o petróleo russo, resultando assim em incertezas e grandes preocupações em países como a Alemanha que quase todo gás e petróleo consumido vem da Rússia e para alguns países europeus a única saída seria a exploração das reservas existentes no mar Cáspio, mas no que diz respeito a geopolítica o acesso a essas reservas é mais complicado do que o de qualquer outra existente no mundo, visto que o mar Cáspio se situa numa região entre países como Azerbaidjão; Cazaquistão; Uzbequistão; Quirguistão; Turquemenistão; Geórgia e por ultimo a Romênia todos ex republicas da União Soviética o que dificultaria e entrada de qualquer outro país para a exploração de suas reservas que segundo estudos tem reservas estimadas em mais de 110 bilhões de barris ou o dobro, uma reserva com esse patamar petrolífero é muito cobiçado por empresas do setor como Exxon Mobil; Chevron; e BP entre outras, e foram essas empresas que mais investiram nessa região do Cáspio e muitos dos governos dos países acima estão sendo cortejados por países do mundo inteiro para abrirem caminhos para exploração das possíveis reservas, porem existe vários países dando palpite de como sairia os produtos retirado do mar Cáspio a Rússia intervém da maneira que pode através de sua área de influencia, a China com sua fome de petróleo para sua economia turbinada tenta de todas as formas estreitar as relações com esse países para poder usufruir desse petróleo o Japão dá lá seus palpites e obvio os EUA não admitem perder espaço para nenhum outro inclusive para a China. A exploração do mar Cáspio é de extrema complicação com aspectos que vão desde sua localização e a disputa pela rota através dos países situados na sua proximidade, o que aumenta o nervosismo acerca do mercado do petróleo, pois países com crescimento exacerbado iguala china e Índia que são os casos mais evidentes tendem ter uma demanda muito alta por petróleo o que implica numa possível disputa entre consumidores supremos como os EUA e para explorar as reservas do mar Cáspio é necessário que a produção passe por um dos países que se situam ao seu redor o que pode gerar grandes divergências entre os mesmo, logo gerando conflitos geopolíticos intermináveis que além do medo do controle russo há também a insatisfação dos países que não se situam na região do Cáspio mas que ficam próximos ao países que o são como o caso do Irã; Afeganistão e a guerra entre a Armênia e o Azerbaidjão; e a potencial estabilidade da Geórgia na região, o que torna o mercado petrolífero mundial incerto pois é capaz de a qualquer momento haver embates sobre possíveis explorações de reservas como essa do Cáspio. Já no Brasil como todos sabemos apesar do aumento na produção e reservas de petróleo os brasileiros ainda pagam um preço bem mais alto do que os americanos pagam no valor de produtos finais derivados de petróleo como os combustíveis, porém com a descoberta do pré-sal e com uma possível autonomia da Petrobras essa situação pode melhorar ou ao menos ser amenizada através de um cenário de abertura, da Petrobras se reinventando, mudar com os novos tempos a imagem da empresa envolveu a criação em1999, de um novo plano estratégico baseado em três pilares: consolidar o que foi construído, reformando para competir; internacionalizar a empresa, comprando ativos no exterior; e explorar os setores de energia elétrica e gás. Logo a geopolítica do petróleo é uma área de extrema oscilação e nervosismo, pois na medida em que as indústrias tentam explorar áreas como a do Mar Cáspio ressurge também a Rússia causando grande preocupação mundo em toda Europa e no restante do mundo visto que o setor petrolífero mundial é de toda uma complexidade onde no decorrer dos meses e anos não se sabe ao certo o que pode acontecer.

CALEIA RODRIGUES, J. (2000) A Geopolítica do Petróleo: anatomia dos
Conflitos. Diplomacias, Seguranças, Soberanias, Atelier de Livros, Lisboa.
CHAUPRADE, A. (2003) "États-Unis, Russie, Chine: Guerre pour le pétrole!", in
Histoire n.º 279 Septembre 2003, pp. 56-59.
FIK, T.J. (2000) The Geography of Economic Development ? Regional Changes,
Global Challenges, McGraw-Hill.
FISHER, J.S. (ed.) (1995) Geography & Development ? A World Regional
Approach, Prentice Hall, New Jersey.
KLARE, M.T. (2001a) Resource Wars: The New Landscape of Global Conflict,
Metropolitan Books, New York.
 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
19 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Juciane Bezerra
Talvez você goste destes artigos também