Contabilidade Gerencial no Controle Interno da Empresa
 
Contabilidade Gerencial no Controle Interno da Empresa
 


RESUMO  A contabilidade gerencial vem a ser um instrumento indispensável no processo do controle interno das empresas. A forma de dados é processada até ser gerada a informação é que leva ao estudo do controle interno, e a informação que é de estrema importância para que as decisões sejam tomadas conforme as empresas no ramo de moto peças esta inserida. Este artigo tem como objetivo conceituar o que o sistema de informação gerencial, mostrando sua importância e benefícios para as empresas que adotam o controle interno como diferencial estratégico e como ferramental no processo decisório da administração. Para melhor compreensão do leitor, neste caso as empresas que utilizam este controle garantem a vantagem importante sobre aquelas que não contam com um processo organizado e eficaz.

Introdução

Nos últimos tempos, a contabilidade vem tomando um novo rumo, tanto de conceito quanto de atuação. A visão que se tinha do contador era bastante restrita e a sua única função seria apenas contabilizar dados e apresentar relatórios do crescimento ou retrocesso da empresa. Nos dias atuais essa imagem sofreu algumas modificações e já se pode ver a contabilidade como algo mais complexo e necessário para uma empresa, como no sentido da contabilidade gerencial.

Dessa forma, a contabilidade gerencial se tornou uma arma de grande poder e que contribuir bastante para subsidiar a administração empresarial, assim ela se tornou indispensável e necessária até mesmo nas tomadas de decisões de uma empresa.

É inevitável que o estudo sobre contabilidade gerencial seja realizado com intenção de atualizar e conhecer tais conceitos e, claro, colocá-los em prática, levando em consideração a realidade de cada empresa.

Contabilidade gerencial pode contribuir, e muito, no controle interno das empresas, pois funciona como instrumento indispensável nas ações gerais da empresa.

Metodologia

Essa pesquisa tem como objetivo analisar as contribuições no controle interno no processo da gestão empresarial, tal investigação tem caráter de pesquisa bibliográfica, internet, lançará mão de livros e artigos científicos como instrumento de análise gerência e decisão que foram usados para edição de toda a parte teórica do trabalho que trazem a contabilidade gerencial no controle interno da empresa.

Referencial Teórico

Dentro do processo da contabilidade gerencial temos um objetivo que é o controle interno diário nas empresas é saber como conciliam as informações que possui com o balancete de verificação com o contador e as técnicas e procedimentos contábeis, tomando-se temas fundamentais para a organização do trabalho nas empresas.

A contabilidade pode ser caracterizada, superficialmente, como um enfoque especial conferido a várias técnicas e procedimentos contábeis já conhecidos e tratado na contabilidade colocadas numa perspectiva diferente, num grau de detalhe mais analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada de maneira a auxiliar os gerentes das entidades em seu processo decisório.

A contabilidade gerencial, num sentido mais profundo, esta voltada a uma única e exclusivamente para a administração de empresas, procurando suprir informações que se encaixem de maneira valida e efetiva no modelo decisório do administrador. (IUDÍCIBUS, 1998, p. 21).

Hoje, no Brasil, as micros e pequenas empresas são praticamente 99% das empresas formais, e exercem a função de descentralização do capital e melhor distribuição de renda, que tem permanência na economia da comunidade ao qual esta inserida a micro e pequena empresa.

Como a contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio e tem como objetivo mensurar, avaliar, escriturar, analisar e prever todos os fatos que provoquem mutações patrimoniais com a finalidade de gerar informações quer subsidiem o processo de tomada de decisão.Surge a necessidade de nutrir as micros e pequenas empresas, através da contabilidade gerencial, com as informações alterações na pratica de controles com o intuito de evidenciar os dados reais que realmente auxiliarão na administração das empresas no que engloba o alcance de seus objetivos, aumento de sua competitividade, redução de desperdício, melhoramento de sua qualidade e de seus resultados.(CAVALCANTE & SCHNEIDERS, 2008, P.64)

Braga (1999, p. 21) defende que:

A contabilidade, como instrumento para as funções de controle e planejamento da administração, é projetada no sentido de fornecer dados suplementares de maneira sistemática e oportuna, para facilitar a avaliação, seleção e subseqüente analise de planos.

Contabilidade é um instrumento da administração e, para ser útil, deve adaptar-se as suas necessidades. A complexidadeda tomada de decisões nos negócios da empresa acarretou o uso sistemático da contabilidade [...]

A discussão sobre as conexões dos conceitos de controle interno, o trabalho estará contribuindo para que os empresários e gerentes possam analisar as visões administrativas em relação ao controle interno. Dessa forma, procura superar a imagem de fraude que esconde e limita as melhores vantagens que os controles possam trazer ao empresário frente aos desafios de que a importância do controle interno para a gestão das empresas não se limita a evitar praticas fraudulentas.

Referente o controle interno vem despertando interesse do mercado de capitais, então essa atenção sinaliza que por trás de bons controles pode existir indicio de valor para o acionista e investidores.

Na contabilidade é categórico ao afirmar que o sistema contábil, juntamente com seus relatórios, forma elementos que servem de controle interno e possuem também função informativa para os gestores. Isto acontece devido existência de informações para finalidades amplas, a saber:

·Relatórios internos para os administradores, para uso no planejamento e controle das atividades de rotina;

·Relatórios internos a administradores, para serem usados no planejamento estratégico, quer dizer, na tomada de decisões especiais e na formulação de políticas globais e de planos de longo prazo;

·Planejamento e controle são atividades distintas, mas elas andam lado-a-lado. Para maximizar o beneficio do planejamento, o gestor deve usar o planejamento para controlar. (HORNGREN, 1985, p. 4-5).

Sobre o controle interno que vem despertando o interesse do mercado de capitais, então essa atenção sinaliza que por trás de bons controles pode existir indicio de valor para os acionistas e investidores.

Pode-se notar que os autores tendem a considerar o controle com grande utilidade para realizar avaliações do processo de gestão. Nos conceitos apresentando, é notável a presença de aspectos diretivos e econômico-financeiros. Logo, existe pela forte vinculo entre o controle interno e administração empresarial.

O controle interno tem um plano de organização e o conjunto coordenado dos métodos e medidas adotados pela empresa, para salvaguardar seu patrimônio, conferir exatidão e fidedignidade dos dados contábeis, promover a eficiência operacional e encorajar a obediência às diretrizes traçadas pela administração da campanha. (ARAÚJO, 1998, p. 5)

Pode-se observar pelo fato de que os processos contábeis serviram de importante ponto de controle para os gestores, também o qualifica como ferramental administrativo. Mas ultimamente o crescimento da participação dos investidores nas empresas vem despertando grande interesse, mesmo por partes do mercado de capitais.

Um dos objetivos do controle interno é fazer as grandes empresas funcionar e é o maior desafio com que nos defrontamos na década de 90.

O controle interno e sua relação com o processo de geração de informações contábeis e gerenciais, como representa em uma organização o conjunto de procedimentos, métodos ou rotinas com os objetivos de proteger os ativos, produzir dados contábeis confiáveis e ajudar a administração na condução ordenada dos negócios da empresa. ALMEIDA, (1996, p. 50).

Apesar de serem peças fundamentais na economia e manutenção do desenvolvimento do país as empresas possuem baixa taxa de sobrevivência. (LACERDA, 2006, p. 40) Cavalcante & Schneiders (2008) salientam que "uma das causas da mortalidade nas pequenas empresas nos primeiros anos de vida é a falta de capacidade gerencial", por isso faz-se necessário a implementação da contabilidade gerencial como ferramenta de gestão das pequenas empresas.

"Pois, a contabilidade gerencial, segundo Lacerda (2006, p.65) se difere da contabilidade habitualmente utilizada nas micros e pequenas empresas, às quais se restringem à preocupação com o físico e as rotinas trabalhistas". muito importante para a sobrevivência das micros e pequenas empresas a aceitação da contabilidade gerencial em suas tomadas de decisão, pois todos os métodos e praticas desenvolvidos no gerenciamento de grandes empresas, através da adaptação para a realidade, podem ser aplicados em micros e pequenas empresas, contudo, é necessário a mediação e auxilio do contador gerencial.

Defendendo essa idéia, Lacerda (2006, p. 51) afirma que:

A principal característica das ferramentas recomendadas é a respeito às limitações das MPMEs, a qual expressa tanto na falta de recursos financeiros para investimento em tecnologia de informação (T.I) quando na capacidade de compreensão de técnicas administrativas e gerenciais modernas.

É imprescindível a orientação exercida pela contabilidade gerencial às micros e pequenas empresas, entretanto essa necessidade de nutrir estas empresas com as informações para um melhor gerenciamento deve ser adequada as suas limitações de custos e capacidade de interpretação.

Resultado

O controle interno esta diretamente ligado ao potencial informativo da contabilidade gerencial para dar suas informações que a empresa precisa no momento certo, e as necessidades gerenciais no controle costumam atender grande numero de empresas que sempre é possível para obter informações desejada com rapidez desejável, embora esse seja um dos objetivos e suas principais finalidade é o controle, envolvendo ações corretivas quando necessário.

Conclusão

A contabilidade gerencial no controle interno encontra-se em busca de melhorar cada vez mais nas suas vendas, produtos e de reduzir custos operacionais. Ao decorrer dos anos são criados métodos que ajudam ao gestor tomar decisões para o melhor andamento d organização, sendo que nas ultimas décadas os sistemas de informação fora essenciais para auxiliar o gestor neste processo decisório e para executivos.

O controle interno e com suas informações gerenciais quanto mais ágeis e confiáveis for, melhor será para o gestor a uma tomada de decisões eficaz.

Referencias Bibliográficas

ALMEIDA, Marcelo C. Auditoria: um curso moderno e completo, 5ª. Ed. São Paulo: Atlas, 1996.

ARÁUJO, Francisco José de. A estruturação dos controles internos e a independência da auditoria interna. Vitória-ES. COBRAI (Congresso Brasileiro de Auditoria interna), 1998.

CORBETT NETO, T. Contabilidade de ganhos: a nova contabilidade gerencial de acordo com a Teoria das restrições. São Paulo: Nobel, 1997.

HORNGREN, Charles T. Introdução à contabilidade gerencial. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1985.

IUDÍCIBUS, Sérgio de, Contabilidade gerencial, 6ª ed.  São Paulo: Atlas 1998.

LACERDA, J. B. A contabilidade como ferramenta gerencial na gestão as micros e pequenas empresas (MPMEs): necessidade e aplicabilidade. Revista Brasileira de Contabilidade, ano XXXV, n. 160, p. 39-53, jul./ago. 2006.

BRAGA, H. R. Demonstrações contábeis estrutura, análise e interpretação. 4 Ed. São Paulo: Altos, 1999.

CAVALCANTE, C. H. SCHENEIDERS, P. M. M. A contabilidade como geradora de informação na gestão de micros e pequenas empresas de Iporâ do Oeste / SC. Revista Brasileira de Contabilidade, ano XXXVII, n. 172, p. 63-75, jul./ago. 2008

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Eu gosto da area de controle interno.
Membro desde dezembro de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: