Insensibilidade humana

 

 

Estamos todos mortos!

Ao amor nenhuma porta,

Nem a mínima fração do universo!

 

Toda emoção ficou encerrada

Em um único monossilábico verso:

O mais silencioso da última poesia.

 

O sentimento desfigurou-se,

Foi posto à margem, ultrapassado

Pela mecanização do coração humano,

 Ora entorpecido; cruel máquina fria!

 

Às lágrimas sentidas ausência de nexo,

Afinal, o dinheiro e o sexo

Dão a tônica destes novos dias!

 

Regozijarmo-nos com o outro

É besteira, futilidade, pura fantasia!

O amor, já quase ridicularizado,

É superada fraqueza dos nossos ancestrais.

 

O prazer de ter, sentir prazer e nada mais

Confina-nos numa tola e aparente comunhão.

Não importam mais as dores, as nossas feridas.

 

Tentamos seguir entre as máquinas ambulantes

Sem flores, nem tempo de sorrir.

Próximos, mas distantes uns dos outros

Definhando-nos burramente,

Quando assim pensamos nos construir.

 

Aos poucos, morremos

Sem palco, nem história!

Da existência sumiremos num instante.

 

 E faleceremos sem despedida

Anônimos, atônitos e mecanizados!

Urgentemente e sem sequer havermos provado

Do  gosto mais pleno da humana vida.

 

 

 

 

 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Eliege Emidio
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Nascida na cidade de Muqui- maior sítio histórico do estado do espírito Santo- em 30/12/1964.Cantora e violonista, sempre dedicou-se por amor à musica e as expressões poéticas.Desde a mais tenra idade achava que escrever era dar forma e consistência às emoções oriundas de tudo que via ou sentia.
Membro desde março de 2010