A Contabilidade esá automatizada, mas ainda é feita por seres humanos.

Os lançamentos de débito e crédito são conduzidos por pessoas totalmente falíveis, vulneráveis e limitadas.

Os fechamentos são realizados por humanos demais para dar 100% de si, estando a menos 50% do que um dia já foi.

Todos têm suas deficiências e limitações!

Alguns conseguem enxergar além, outros conseguem realizar aquele "algo mais", mas o sistema não é perfeito e nem as pessoas o são.

Por isso, pode-se contar com os melhores sistemas, com as amarrações mais perfeitas, e com os melhores procedimentos internos que uma organização pode dispor.

Mas ainda sim, há fatores, não mensurados, mas que se mostram com o tempo, que fazem o trem sair do trilho. E quando isso ocorre, já não há mais tempo para tentar pará-lo. E o resultado disso é um enorme estrago em bens materiais, intangíveis, e, principalmente, em capital intelectual.

Um deles é algo que não se pode contar: a omissão profissional.

É além de esconder algo, alguma informação relevante, é esconder-se atrás de uma máscara, de uma posição confortável.

Uma conduta anti-ética, semi-profissional e que degrada moralmente a si mesmo!

Omitir-se, omitir informações precisas e pontuais, fazer pouco caso do desdobramento que essa omissão acarretará. Não estar nem aí para o que acontecerá, seja danos materiais ou danos morais. Psicológicos e emocionais. Estreitando ou matando relacionamentos.

A omissão é suja porque a sujeira fica impregnada em quem sofre com ela, mas suja fica a mão do profissional omisso.

Quem sofre com essa situação tenta se limpar, mas por mais alvejantes que jogue, tentando tirar a mancha que fica, ainda sim sempre correrá o risco de rasgar toda uma história, incorrendo em ter que "segurar a onda" como pode, sem necessariamente estar podendo.

Por isso mesmo, deve-se "tentar deixar de lado" um pouco toda a sujeira, para recolocar a casa em ordem.

Mas o trabalho fica em xeque, tudo julga-se errado, e o que sobra é desconfiança e tratamento diferenciado (da pior maneira possível).

Mas a pessoa omissa (pois omissão faz confundir pessoal com profissional) talvez não perceba que o maior embaraço profissional fique marcado nela. Que a própria história foi igualmente manchada, com o agravante da omissão.

Não se eximir de culpa alguma, assumi-la e tentar ao extremo reparar um erro, mas sem perder o limite da postura, da ética e da saúde.

Sobre a omissão: é inadmissivel!

Não há argumento ou palavra que faça acreditar.

Por isso, este artigo é um complemento ao artigo "Falta de confiança profissional".

Para quem se omite na profissão, a desconfiança é o primeiro e-mail do dia a ser digerido. A falta de ética é o tempero amargo do almoço. E a postura mediocre é a acompanhante na volta para casa.

Entre a entrada e a saída do trabalho, este período deve pertencer (no caso dos omissos) a si próprio, pois não deveria pertencer a mais ninguém...