Se um dia nós caímos, é porque não soubemos bem aonde estávamos pisando. É porque não vimos o tamanho do buraco a nossa frente. É porque tentamos (e esse foi um erro somente nosso, de mais ninguém) nos enganar, decorando com flores os lugares por onde passamos, mas que não fazem florir nada além de angústia. Se um dia nós caímos, não é porque alguém nos derrubou, mas principalmente, porque nós mesmos fomos os algozes da nossa queda. Não há que culpar ninguém, muito menos que se eximir de culpa alguma, mas se um dia nós caímos, é porque não tínhamos bases sólidas para continuar como estávamos. Estamos hoje despedaçados, aos cacos, aos prantos, às escuras... Estamos partidos, esperando uma melhor hora para sorrir, um melhor jeito para viver, um outro coração para amar. Buscamos em vão por respostas, mas caímos sem saber perguntar as perguntas certas. Não é simplesmente nos questionar, "por que nós"? Mas sim, devemos perguntar, "para que nós"? Se um dia nós caímos é porque a vida foi nos derrubando pouco a pouco, dia a dia, morrendo aos poucos, mas renascendo de outras formas (não como precisávamos, mas como podíamos). Se um dia nós caímos é preciso um dia levantar. Do mesmo jeito não dá? Então mudamos... No jeito de falar, na maneira de olhar, no nosso receio de sentir (porque temos receio até de amar novamente ? para sofrer tudo outra vez? Não conseguiremos aguentar mais a dor da solidão que dói mais a cada queda). Mudamos nosso corte de cabelo e nossas atitudes em tudo. Nossos "nãos" soam mais amargos e talvez por isso mesmo ouvimos menos convites e perguntas das pessoas... Daí fica a sensação de estarmos decepcionando as pessoas que mais amamos na vida (do nosso jeito ? um sentimento imperfeito). Enfim... Se um dia nós caimos, podemos nós mesmos nos levantar. Na multidão ou na solidão... Com a palavra da tentação ou da salvação... Depende de como ouvimos quando caímos, ou sentimos quando tentamos levantar...