Projeto: A escassez das águas do Rio Arareal de Rondonópolis-MT

1.INTRODUÇÃO

Franca e Silva (2009) nos alertam que cada vez mais se aumenta na sociedade a capacidade de intervir na natureza para satisfação de necessidades e desejos de ocupação e danificação dos espaços e dos recursos em função do valor econômico.

Considerando a importância da temática ambiental e a visão que se tem hoje da água potável em nosso município, organizamos um estudo sistematizado através de um projeto para que cada aluno compreendesse a respeito da escassez da água e conscientizar-se da necessidade de colaborar para que as sociedades de modo geral preservem a água do Rio Arareal, garantindo as condições para que elas sejam respeitadas em todo seu leito, abundancia e diversidade.

Procuramos assim, centra-se principalmente no desenvolvimento de valores, atitudes e posturas no domínio de procedimentos que favorecessem o conhecimento do referido tema de forma abrangente, critica e criativa. Oferecendo atividades que despertassem a curiosidade e comprometimento dos alunos.

Dentro de cada etapa foi sugerido uma seqüência de atividades que ressaltassem a necessidade desse recurso e conseqüentemente tendência de escassez de água com qualidade suficiente para a população rondonopolitana.

 

2.0 A ÁGUA NO MUNICIPIO DE RONDONOPOLIS

Segundo pesquisa realizada no site scielo, o  sistema de captação de água bruta subterrâneo estrutura-se sobre uma rede de 34 poços tubulares distribuída pelo perímetro urbano de Rondonópolis. Atualmente somente 27 estão em funcionamento, e juntos respondem por mais de 50 % do abastecimento da cidade. O sistema de tratamento de água bruta é composto pela Estação de Tratamento de Água de Esgoto (ETE) e por sistemas dosadores de cloro, instalados em cada poço tubular.

Construída em 1982, a ETE tem como finalidade fazer o tratamento da água captada superficialmente e funciona 24 horas por dia. O tipo de tratamento empregado nessa água bruta é o convencional para limpeza de resíduos físicos (com utilização de filtros) e descontaminação biológica através da utilização de produtos químicos como cloro, cal, sulfato de alumino e hipoclorito de sódio.

A água produzida na ETE é responsável por cerca de 50% do abastecimento da cidade, sendo parte bombeada para um reservatório localizado no Setor Operacional do Jardim Monte Líbano, e parte enviada diretamente para o abastecimento de alguns bairros da cidade

A água potável de boa qualidade e fundamental para a saúde e o bem estar humano. Entretanto, a maioria da população não tem acesso a este bem essencial.

A evolução do consumo de água no município de Rondonópolis entre janeiro de 2008 a março de 2014. O saldo final do período foi um aumento do consumo de água de aproximadamente 27,73%. Entretanto, esse aumento pode ser divido em dois períodos: antes e depois de 2010. O aumento no consumo médio de 2008 para 2009 foi de 2,67%; de 2009 a 2010 o aumento do consumo médio foi de 6,89%; de 2011 a 2010 o aumento foi de 1,73%; de 2012 a 2011 o aumento foi de 5,66%. A evolução do primeiro trimestre de 2014 frente ao quarto trimestre de 2013 foi uma elevação de 4,8%. Ressalte-se que a evolução do consumo de água foi restringida pelo controle da oferta de água realizado pelo poder municipal em decorrência da insuficiência da rede ao atendimento da demanda. Desta forma, o consumo de água apresentou crescimento inferior ao das demais variáveis parcialmente sob o efeito do racionamento à oferta. (cirmt)

Comparando a outros recursos naturais a água que é distribuída em nossa cidade também passa por um processo de escassez, como um grave problema ambiental e socioeconômico.

Pelo fato da cidade ser cortada por dois rios não se tem procurado controlar e recuperar a água dos rios, principalmente do rio arareal.

È um rio pequeno desde o seu curso quanto na dimensão de seu tamanho, que deságua suas águas no Rio Vermelho, antes de chegar na cidade, ele trás beneficio a fauna e flora. Porém, quando atravessa a cidade presenciamos a morte de suas águas.

As pessoas que moram em sítio e chácaras com suas margens, necessitam despertar e valorizar a consciência ecológicas para que elas sejam zeladoras das matas de sua margem.

As cargas de resíduos domésticos, são os maiores responsáveis pela poluição desse recurso hídrico urbano. Há também desejos industriais diversificados e causa grande prejuízo a saúde.

O perigo das substâncias químico relaciona se com a sua capacidade de bioacumulação em plantas e animais, dificuldade na sua eliminação (persistência) e toxicidade (ecotoxicidade).

Como exemplo de dano ao ambiente, podemos citar o estrógeno, um hormônio feminino presente nos anticoncepcionais e nos medicamentos de reposição hormonal pós-menopausa. Esse hormônio pode afetar o sistema reprodutivo de organismos aquáticos, acarretando na feminização de peixes machos que habitam ambientes contaminados.

Segundo web-aula a legislação ambiental e o conjunto de normas jurídicas cujo objetivo é disciplinar a atividade humana, para torná-la compatível com a proteção do meio ambiente.

O descarte feito no lixo convencional não é diferente o chorume dissolve e coleta as substâncias dos remédios, o qual, muitas vezes, acaba atingindo o lençol freático, abaixo do qual a água subterrânea preenche todos os espaços porosos e permeáveis das rochas ou dos solos, ou ainda, de ambos ao mesmo tempo, contaminando assim a água que utilizamos.

2.1 Projeto

Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes

Turma: 3 ano do II Ciclo

Tema: A escassez das águas do Rio Arareal de Rondonópolis-MT

 

Introdução

Em Rondonópolis-MT, como nos demais municípios, pouco resta da paisagem natural propriamente natural. A mecanização tecnológica modificam a natureza a tal ponto que pela própria lógica do capitalismo, o conceito de recursos a natural se confunde com o de matéria prima. Em nome da produtividade econômica imediata não se avaliam os riscos de uma exploração que por falta de planejamento e legislação reguladora eficiente, mas se assemelha ao saque do patrimônio público.

O fato de o clima, a vegetação, os recursos hídricos se modificam em conseqüência da ação do homem a ser objeto de preocupação quando mais esforços tem de ser despendidos em reparos os danos de tais alterações do que é necessários para evitá-los.

Comprando a outros recursos naturais sem duvida a água, começa um ciclo de escassez no município vista como grave problema ambiental e socioeconômico.

São múltiplos os usos da água, abastecimentos domésticos, atividades pesqueiras, irrigação e outros.

A escolher da temática justifica-se, diante da necessidade de conscientização a população, iniciando nas escolas, para que desperte nos alunos o interesse e comprometimento com esse recursos.

Por enquanto os principais espaços afetados com a escassez de água são os habitantes dos bairros periféricos da grande Rondonópolis-MT, principalmente os mais carentes. Os manaciais estão sendo prejudicados basicamente em função dos resíduos domésticos e industriais.

Sem duvida são as camadas mais pobre as mais afetadas devido ao abastecimento e qualidade desse determinado recurso. Em um ciclo viciosos, por falta de saneamento essas camadas são responsáveis em grande parte pela poluição hídrica e por sua vez sofrem mais com a própria degradação ambiental.

 

Objetivo geral

Analisar os principais aspectos ambientais do Rio Arareal, desde as formas de degradação de suas águas e conseqüências para a população Rondonopolitana.

Objetivo especifico

  • Trocar experiências entre os alunos do 3° ano do II ciclo do Ensino Fundamental, como conhecimento teórico do tema em discussão e analise;
  • Explicar o que pode ocorrer futuramente com a escassez da água e nosso município;
  • Realizar uma excursão para coletar dados referente as águas do Rio Arareal.

 

Procedimentos metodológicos

Época

Atividades Proposta

Pessoas Envolvidas

Junho

1° semana

Leitura de texto relativo a importância da água. Atividade do ato de ler com ligação a formação social, cultural

Professora/alunos

2°semana

Rodas de leitura como estratégia a socialização de um determinado procedimento, ou seja, visitas as margens do Rio Arareal. È uma atividade que estimula e compromete cada aluno em ler, opinar, ter a sensação de descobrir algo sobre os textos que a principio não observado

Alunos/professores de diversas áreas curricular

3° semana

Atividades com jornais , revista, demonstrar aos alunos que existe várias visões da temáticas, através de noticias, Quanto a revista incentiva o hábito da leitura, e desenvolve o senso critico do aluno. Proporcionam sensações de sentirem capacitados de decifrarem o texto por meio de imagens.

Alunos/professores com visões do processo interdisciplinar

4° semana

Atividades avaliativas através de: Poesias; crônicas e teatro. Possibilitando ao aluno o desenvolvimento de falar em público, interagir-se ao convívio com o grupo. Canal de dialogo que é estabelecido pela leitura, interpretação e produção dramáticos. Ainda favorece a diversão, por meio de falas, gestos e cenários, figurinos e sons

Alunos, orientados pelos professores de diversas áreas

 

Recursos

Partindo do pressusposto teórico que contextualiza que o ato de pesquisar é motivado e direcionado pela aquisição de novos conhecimentos que possibilitam a solução e a experimentação do tema focado, estruturdo por diferentes recursos que contribuíram no desenvolvimenhto das atividades elencadas.

A eficácia do projeto num lado resultado da criatividade, agilidade, compromisso do aluno, junto com incorporação das novas tecnologias de informação e comunicação. Na sociedade da informação temos uma nova situação de aprendizagem: alunos de modo geral, encaram as pesquisas de forma sincrônicas, pesquisas que acontecem em tempo real e que oferecem respostas imediatas instigadas pelo acesso as redes eletrônicas.

Selecionamos como recursos: computadores, filmadoras, vídeo, fotografia, textos, jornais, livros, aparelho de sons. Juntamente com a motivação pelo ambiente, considerado pelo coletivo recurso favorecedores dos resultados esperados.

 

Avaliação

Qualquer que seja a atividade aprendizagem, esta literalmente ligada a avaliação, pois, ela é componente do próprio processo, servindo de restruturação das ações pedagógicas.

As atividades permitiam que os alunos tomassem consciência da problemática ambiental e avaliassem outras possíveis ocorrências que acontecerão com a escassez de água. Foram experiências envolvendo  alunos professores com parceiros em busca de alternativas. A ação avaliativa possibilitou a verificação do percursos do projeto utilizado pels alunos e a apropriação do conhecimento elaborado, comparação do que se conheciam sobre o tema e os resultados  apresentados após as situações vivenciadas.

Foi o instrumento de tomada de consciência das dificuldades e possibilidades para a reorganização das atividades que atendessem os objetivos esperados. Adotamos a avaliação formativa para que os alunos desenvolvessem o processo de analise e síntese, com feedback favorecendo a reatificação da aprendizagem, envolvendo-os no processo e contribuindo para a motivação de cada etapa do projeto.

 

Bibliografias

SCHNEIDER, Ernst. A Cura e a Saúde, pela natureza: Tradutor Deris A. de Matos Tatui SP. Casa Publicadora Brasileira, 2004.

http://www.sanearmt.com.br/site2013/

Elça dos Santos Machado - Especialista em Educação Infantil

Graciele Castro Silva Graduada em Administração - UNIC

Lidiane da Silva Xavier - Especialista em Educação Infantil

Raquel Santos Silva - Especialista em Educação Infantil

Renata Rodrigues de Arruda - Especialista em Educação Infantil

Rosilene Nunes da Silva - Especialista em Educação Infantil

Simone Batista Campos - Especialista em Gestão Escolar