A vida é feita de surpresas, não é mesmo!? Sejam boas ou ruins, elas te desafiam a compreensão e ao aprendizado. Às vezes a vida não te dá tempo para realizar alguns ritos. Pesado isso! É estranho pensar que a vida não deu tempo para a gente preparar nossas despedidas e nos impõe que a gente acorde nos dias que se sucedem ao fato como se tudo ficasse esquecido. Esquecimento não, saudade. Essa coisa que aperta em tantos momentos, por tudo que foi vivido ao lado daquele que você tanto amava. O luto é um rito cruel porque não nos permite fazer um retiro para refletir e deixar a tristeza ir se desapegando da gente. Não... Por outro lado, é melhor que seja assim. Que o luto seja vivido diariamente. Que façamos nossas tarefas, realizando atividades não para ocupar a cabeça simplesmente, mas para que os sentimentos possam ser ordenados dentro da gente. Cada um tem sua maneira de viver esse luto, mas ninguém pode ficar indiferente a ele. É tempo de querer ficar mais a sós, normal. Mas jamais em solidão, porque quem ficou abastece e é abastecido de muito afeto e carinho. E é nesse ciclo amoroso que a vida vai ganhando forma novamente. Retomar o que parou. Essa é a dinâmica do luto. Por isso, ele não é o fim de tudo. É a passagem apenas para outro plano. Aqui cumpriu-se sua missão. Vai em paz. (ele foi em paz). É a dinâmica do retorno. Ele retornou aos braços do Pai.

Quanto tempo também o Senhor me esperou

Nas tardes encontrou saudade em meu lugar

Mas ao me ver na estrada ao longe voltar

Num salto se alegrou e foi correndo me encontrar

(Abraço de Pai – Pe. Fábio de Melo)

É bonito a gente pensar que depois de cumprir sua missão aqui a pessoa é condecorada por DEUS para realizar novas tarefas em novos estágios espirituais. Fez sua parte, cuidou de quem pôde cuidar, deu carinho, amou, educou, encaminhou por boas estradas e partiu seguindo sua própria estrada. Ficará a cada dia um pouco mais distante dos olhos, mas jamais sairá do coração. Agora é com você. Durante o dia, a mãe se desdobrará e será entrega e amor total. Mas a noite essa dinâmica deve ser o retorno a você mesma. Sim, a noite com a cabeça no travesseiro é o retorno a mim que deve prevalecer. Não é justo com você ir dormir sem ter a última conversa com você apenas. É uma forma que você tem de falar com DEUS, porque falar com ELE não é jogar palavras para fora, mas sim jogar palavras para dentro. Aproveite esses momentos e não fique se indagando como se a culpa estivesse nas suas mãos. Não é um jogo de culpa ou remorso. Foi o curso que a vida precisou tomar para que você aprendesse algo que se revelará com o tempo aí no teu coração. Junto ao teu baú de preciosidades que vivem no teu coração nascerão as respostas, ou as perguntas se aquietarão, o que é uma outra maneira de DEUS te dizer: “está tudo resolvido”, agora “está tudo bem”. A poeira vai baixar, tua luz voltará a ser luz nos quartos ainda escuros de quem você mais ama na vida. E assim, um iluminará a vida do outro. Um cuidará do outro. Um será o alicerce do outro. Um preencherá as lacunas de ausência para o outro. Mas fica tranquila, porque no tempo certo é que essa dinâmica acontecerá, e quando você menos perceber poderá sorrir novamente sem nenhuma marca das dores que a vida tem te causado.