TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO: UMA NOVA REALIDADE COMUNICACIONAL VIVENCIADA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

Resumo: No contexto das inovações tecnológicas vivenciadas na sociedade contemporânea, as tecnologias da informação e da comunicação (TICs) descortinam novas perspectivas para a educação presencial e, principalmente, para o ensino online, com suporte em ambientes digitais de aprendizagem acessados via internet. Nesse artigo elaborado a partir das leituras e reflexões sobre a temática em questão, faço uma análise sucinta dessa nova realidade comunicacional que se apresenta na sociedade contemporânea, suas potencialidades e possibilidades e apresento algumas considerações sobre a emergência das Comunidades Virtuais de aprendizagem nas conexões em rede e do ressurgimento da EaD como modalidade de ensino pautada na interatividade e na elaboração colaborativa.
Palavras chave: tecnologias, informação, comunicação, sociedade, comunidades virtuais

O contínuo avanço da tecnologia em tempos de reestruturação do capitalismo vivenciado nas últimas décadas, e por conseqüência, a disseminação da internet, suscitam reflexões e fazem ressurgir com novo ímpeto o interesse real pela utilização das TICs na educação, seja no ensino presencial ou na modalidade EaD. Tal interesse faz emergir na prática educacional vigente, um complexo ambiente comunicacional e socializador de informações, marcado pela interatividade e construção coletiva do conhecimento. Se por um lado, mudanças significativas começam a surgir, por outro, iniciativas quanto ao uso das conexões em rede, aplicadas ao processo de ensino e aprendizagem estão ainda restritas a uma pequena parcela da sociedade. Apesar dessa realidade horizontes novos começam a despontar e novas possibilidades são descortinadas, com o fim de viabilizar a inclusão digital e consequentemente, o favorecimento de aprendizagens online.

Atenta sobre essas questões, Almeida (2003) enfatiza,

"... O uso das TICs na escola, principalmente com o acesso à internet, contribui para expandir o acesso à informação atualizada, permite estabelecer novas relações com o saber que ultrapassam os limites dos materiais instrucionais tradicionais, favorece a criação de comunidades colaborativas que privilegiam a comunicação e permite eliminar os muros que separam a instituição da sociedade".

(Almeida, 2003, p. 114)

O contato direto dos indivíduos com as conexões em rede, desencadeiam nesse contexto de aprendizado cotidiano um caminho distinto e promissor na história da educação contemporânea.

A perspectiva de novas mudanças suscitam a necessidade de implementação de uma pedagogia voltada para a elaboração colaborativa, não apenas como um novo modelo de educação, mas, principalmente pela oportunidade de substituição da lógica da transmissão, presente na mídia de massa, para a lógica da transformação, evidenciada na cibercultura. Assim, o educador deixará de ser instrumento absoluto do saber e da ciência para transformar-se no incentivador e facilitador do ensino-aprendizagem, tanto na sala de aula, como além dela. A superação dos limites de tempo e espaço para reinventar uma nova sala de aula nos moldes presencial e on-line é inegavelmente, um desafio a ser enfrentado pelos sujeitos envolvidos nos processos educacionais da atualidade.

Nesse contexto de sucessivas transformações e intenso rebuliço tecnológico torna-se necessário a busca por conhecimentos cada vez mais distanciados dos conceitos de estabilidade, pelo fato de estarem permanentemente sendo re-configurados e re-construídos nas mais diversas fontes e vias de acesso. É justamente nesse tempo de mediação tecnológica, jamais visto em termos históricos, que emergem com toda força, as conexões em rede, que segundo Siqueira (2004) "coloca em cheque categorias e conceitos tradicionais".

Essa modalidade comunicacional que emerge com a cibercultura, distingue a interatividade como modelo de comunicação capaz de modificar métodos retrógrados baseados na transmissão e que certamente pressupõe a movimentação ativa de sujeitos por meio de trocas virtuais e como explicita Lévy (1993, p. 40) "graças a sua dimensão reticular e não linear, favorece uma atitude explorativa, ou mesmo lúdica, face ao material a ser assimilado".

A abertura de novos cenários de comunicação proporciona o desenvolvimento da interconexão e a criação de comunidades virtuais, que se multiplicam a cada dia, construindo um cenário novo, diferenciado dos ambientes escolares tradicionais. As possibilidades de ensinar e aprender tomando por base os recursos tecnológicos caracterizados pela conexão e interação entre sujeitos são apresentadas na sociedade e vem se tornando alvo de intensas reflexões.

Sobre a exploração dessa nova modalidade comunicacional, Kenski esclarece,

"O estilo digital engendra, obrigatoriamente, não apenas o uso de novos equipamentos para a produção e apreensão de conhecimento, mas também novos comportamentos de aprendizagem, novas racionalidades, novos estímulos perceptivos".

(Kenski. Apud Aragão. 1998. p. 61)

O advento das TICs propiciou o estabelecimento e a popularização das comunidades virtuais. Estas, além de se configurarem como ambientes favoráveis à prática educativa oportunizam o desenvolvimento de novas formas de convivência, por meio das interconexões e têm seu funcionamento ligado, em primeira instância, às redes de conexões proporcionadas pelas tecnologias de informação e comunicação e num segundo momento, pela possibilidade de pessoas com objetivos comuns se encontrarem e estabelecerem relações nesse espaço.

Através das ações realizadas a distância, é possível o desenvolvimento de novas relações e subjetividades, constituindo um espaço que materializa a comunicação, a cultura e a educação.

Segundo Primo (1997),

"As comunidades virtuais seriam baseadas em proximidade intelectual e emocional em vez de mera proximidade física. Os participantes de chats reconhecem-se parte de um grupo e responsáveis pela manutenção de suas relações.

(Primo, 1997, p. 4)

As possibilidades de criação coletiva e cooperativa oferecidas pelo ciberespaço colocam em evidência as comunidades virtuais, pelo fato destas disponibilizarem condições propícias à inter-relação entre indivíduos geograficamente separados. A oportunidade de potencialização do ensino por meio de processos interativos e a possibilidade de aprendizado constante favorecem nesse contexto, o desenvolvimento acentuado do Ensino Online. Segundo Lévy (1999, p. 126) o processo de cultura em rede, denominado cibercultura, se realiza na articulação entre os "princípios de interconexão, as comunidades virtuais e a inteligência coletiva".

Apesar de não ser uma modalidade de ensino recente, a EaD ressurge como uma opção na formação e qualificação de profissionais da educação e como forma de minimizar as desigualdades sócio-culturais vivenciadas na sociedade contemporânea. Para tanto, vem passando por momentos de reformulações e ajustes, visando atender a emergência e utilização crescente das tecnologias de informação e comunicação nos processos educativos.

Assim, a limitação de espaço e tempo não se configura como obstáculo no desenvolvimento do ensino-aprendizagem, pois alunos e professores deixam cair por terra paradigmas e preconceitos e assumem o compromisso de ultrapassar barreiras e fronteiras e fazer expandir a EaD, não como um modismo, mas como um desafio a ser enfrentado por educadores e aprendizes, frente às situações e posturas tradicionalmente cristalizadas nos setores educacionais.

Considerando o já exposto, concluí-se que as inúmeras formas de acesso às informações decorrentes dos avanços tecnológicos vivenciados nas últimas décadas, inegavelmente estão favorecendo o desenvolvimento da educação, no contexto geral. Contudo, a educação formal desenvolvida nos espaços escolares ainda continua centrada nos processos de emissão e recepção passiva dos conhecimentos. Professores e alunos não conseguem encontrar o caminho da co-participação. Assim sendo, pressupõe-se que sob a mediação da modalidade online, as tecnologias da informação e comunicação (TICs), podem exercer um papel relevante na construção de um ensino com características inovadoras e transformadoras, e, portanto potencializadoras de uma educação de qualidade. È preciso portanto, acreditar que a emergência das novas tecnologias pode funcionar como força impulsionadora de rumos novos e eficazes no campo educacional.

Por: Maria das Graças Souza Silva Seibert

 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Maria Das Graças Souza S. Seibert
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Formação: Pedagogia e pós graduação (Curso de especialização em Leitura Escrita e Sociedade) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professora de ensino Fundamental, atualmente exercendo a função de gestora.
Membro desde março de 2009