O papel do coordenador pedagagógico no contexto escolar da Barra
 
O papel do coordenador pedagagógico no contexto escolar da Barra
 


RESUMO

Iniciamos nossos trabalhos dando destaque ao ambiente escolar como um lugar institucional, onde aprendemos não só a ler e escrever, mas também a ser cidadão de pleno poder e consciência. Enfocamos a importância do Coordenador Pedagógico, suas atribuições, responsabilidades e liderança. Na seqüência destacamos cada atuação desse profissional para facilitar o entendimento da leitura, o espaço escolar, o cotidiano desse espaço, o professor, principal foco da atuação do coordenador e o aluno, sendo este o principal beneficiado com a presença desse profissional. Tratamos do Projeto Político Pedagógico, seu planejamento, sua elaboração e sua execução. Por ser um documento essencial da escola onde há uma meta, um objetivo, um norteamento; não poderia ficar de fora do mesmo a avaliação e o planejamento contínuo e diário do contexto escolar, atribuindo ao Coordenador Pedagógico toda a problemática envolvendo a construção e execução do Projeto Político Pedagógico. Em seguida relatamos o contexto escolar barrense, a história da educação na cidade do município da Barra, seu apogeu, a dedicação e influência política da época, filhos ilustres e a sociedade elitista beneficiada. Apontamos o desgaste da política educacional durante quatro décadas que levou ao fracasso esta educação antes tão cantada aos quatros cantos da região. Na educação do município da cidade da Barra ? Primórdios e Atualidade destacamos o envolvimento político, social e cultural. De acordo, com os estudos realizados sobre Coordenação Pedagógica a nossa realidade está aquém do ideal. Tivemos avanços, mas sabemos que ainda há muito que melhorar. Precisamos de uma melhor remuneração, mais capacitação, melhores condições de trabalho, uma aplicação real dos recursos recebidos e um apoio pedagógico sistematizado onde o respeito ao professor deve ser prioridade incondicional.

INTRODUÇÃO


Por ser a escola um ponto de partida para o desenvolvimento de uma sociedade enquanto organização, e tendo como matéria prima ? o ser humano sua estrutura deve desenvolver-se em diversos processos para a constituição de seu produto final.

A escola é o lugar institucional do projeto educacional. Deve instaurar-se como espaço-tempo, como instancia social mediadora e articuladora de dois projetos: o projeto político da sociedade envolvente e o projeto pessoal dos sujeitos envolvidos na educação. Considerar a formação da cidadania como fundamental para a consolidação da democracia subentende que as instituições escolares sejam democráticas, que ali haja tolerância para com os que pensam e agem diferentemente. (MARTINS, 2002, p.55)


Para cumprir o efetivo dessa missão e respeitar a subjetividade de cada pessoa envolvida no processo é necessário que a organização Escola se estruture adequadamente ao processo de ensino aprendizagem proposto. Para tanto é fundamental a presença de uma equipe pedagógica consciente e articuladora fundamentada em embasamentos teóricos que facilite o funcionamento e a produtividade da Unidade Escolar.

O trabalho em pauta tem como estudo a temática - O Papel do Coordenador Pedagógico no Contexto Escolar da Barra. Este estudo visa demonstrar a importância do Coordenador Pedagógico e sua atuação, vinculado aos professores, aos alunos e a direção, procurando compreender a sua complexidade adaptando-a a realidade escolar e seus desafios, construindo alternativas que se mostrem adequadas e satisfatórias.

Com as novas diretrizes educacionais o enfoque da Administração Escolar passou a ser da Gestão Escolar, que implica na sua forma democrática com engajamento de todos os atores envolvidos no processo de ensino aprendizagem. No entanto, sabemos que nem sempre a democracia é respeitada e que a opinião dos professores fica para efeito de participação e não de execução.

A escola é um espaço complexo, sendo sua meta formar cidadão com competências profissionais e vivências democráticas. Sendo assim, cabe a comunidade escolar elaborar e colocar em prática o seu próprio projeto político pedagógico, pautado na realidade em que a mesma esteja inserida, sendo o projeto flexível e amplo de acordo com a necessidade de sua aplicabilidade. Segundo Diogo;

O Projeto Educativo é, claramente, um documento de planificação escolar que poderíamos caracterizar do seguinte modo: de longo prazo, quanto à sua duração; integral quanto a sua amplitude, na medida em que abarco todos os aspectos da realidade escolar; flexível e aberto; democrático porque elaborado de forma participada e resultado de consensos. (citado por VASCONCELLOS, 2002, p.169)


Nesse enfoque percebe-se que o projeto político pedagógico é uma construção feita em coletividade, envolvendo ativamente a participação democrática de todos comprometidos na construção do saber. No âmbito escolar cabe ao Coordenador Pedagógico como especialista, facilitar essas trocas de experiências. Pois, é no contexto escolar que o Coordenador Pedagógico tem a função de mediar e articular o processo do projeto de forma sistemática.

Respaldado na nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9394/96, artigo 14, incisos I e II e artigo 64) o Capitulo V, do Regimento Escolar Unificado da Cidade da Barra no artigo 37, traz atribuições referentes à Coordenação Pedagógica com dez incisos, dos quais alguns serão citados no desenvolvimento do trabalho e identificados no processo de análise bibliográfica feita por este estudo.

De acordo as orientações recebidas durante o processo metodológico, o nosso primeiro esboço monográfico foi o projeto de pesquisa no qual decidimos o tema delimitando o espaço a ser trabalhado e a forma de pesquisa a ser construída. Segundo Severino antes da elaboração do trabalho científico devemos observar;

[...] antes da elaboração do trabalho, é preciso ter idéia clara do problema a ser resolvido, da dúvida a ser superada. Exige-se consciência da problemática específica relacionada com o tema abordado de determinada perspectiva, cuja natureza especificará o tipo e o método de pesquisa e de reflexão a serem utilizados no decorrer do trabalho. (SEVERINO, 2005, p.75)

Escolhemos a pesquisa bibliográfica para nossa monografia por ter mais fontes de informações que a realidade escolar do nosso município. A pesquisa bibliográfica nos deu o suporte para termos um embasamento teórico de qualidade, abrangendo grande acervo de textos escritos. Dessa forma, Ruiz (2002) declara que, o ser humano ao longo da história registra suas produções através de livros, artigos e documentos;

[...] Bibliografia é um conjunto dos livros escritos sobre determinado assunto, por autores conhecidos e identificados ou anônimos pertencentes a correntes de pensamento diversas entre si, ao longo da evolução da Humanidade. E a pesquisa bibliográfica consiste no exame desse manancial, para levantamento e análise do que já se produziu sobre determinado assunto que assumimos como lema de pesquisa científica. (RUIZ, 2002, p.58)

O tema escolhido, O Papel do Coordenador Pedagógico no Contexto Escolar da Barra, foi determinado pelo grupo por estar relacionado com nosso curso e termos mais identificação com os objetivos apresentados nos conceitos teóricos expostos pelos nossos orientadores.

O conceito sobre Coordenador Pedagógico é amplo e questionável. Por este motivo o tema foi delimitado e direcionado para uma maior profundidade na compreensão do papel deste profissional no contexto escolar.

Para a realização desta pesquisa foi necessária a utilização de vários subsídios tais como: textos em pequenos blocos, revistas, livros específicos, fundamentação teórica específica, orientações de outros pesquisadores colaboradores, utilização da Internet e sites direcionados ao tema em questão. Todos esses suportes bibliográficos nos permitiram alcançar os objetivos planejados e questionados na elaboração e execução do projeto desta monografia. De acordo Severino;
A colocação clara do problema desencadeia a formulação da hipótese geral a ser comprovada no decorrer do raciocínio. Quando o autor se define afinal por uma solução que pretende demonstrar no curso do trabalho, pode-se então falar de tese ou de idéia central de seu trabalho. (SEVERINO, 2005, p.75)

Portanto, ao definirmos nosso tema, delimitando-o e analisando-o pudemos através dos diferentes tipos de leituras dar identidade ao trabalho de forma seletiva, crítica e reflexiva, concluindo assim a pesquisa sobre o objeto em questão;

Pesquisa científica é a realização concreta de uma investigação planejada, desenvolvida e redigida de acordo com as normas da metodologia consagrada pela ciência. É método de abordagem de um problema em estudo que caracteriza o aspecto cientifico de uma pesquisa. (RUIZ, 2002, p.48)


Conforme Ruiz, o trabalho de monografia aqui exposto foi elaborado através de pesquisas bibliográficas, consultas a revistas, a livros específicos e a uma coletânea peculiar de livros ligados ao tema. Objetivando a sistematização e compreensão do tema, o trabalho é organizado da seguinte maneira: cinco seções e suas respectivas subseções.

A primeira seção introdutória enfoca a importância do Coordenador Pedagógico no contexto escolar. A segunda Seção e subseções descrevem o papel do Coordenador Pedagógico, enfatiza o trabalho do mesmo e sua amplitude trazendo as múltiplas atribuições no contexto escolar, cabendo a ele a responsabilidade da formação continuada do professor, a dinâmica no processo de ensino aprendizagem desenvolvendo metodologias que promovam as competências do educando.

A terceira seção e subseções decorrem sobre o projeto político pedagógico e o Coordenador. No qual, o Coordenador Pedagógico busca articular toda a dialética escolar para a elaboração, implantação e execução do mesmo. As subseções destacam também a importância do planejamento pedagógico e da avaliação formativa no âmbito escolar.

A quarta seção destaca a realidade educacional em relação à presença do Coordenador Pedagógico no município da Barra. As subseções trazem informações da presença e, sobretudo a ausência de uma política educacional que privilegie a presença do Coordenador Pedagógico desse município.

A quinta seção traz nossas considerações finais sobre o trabalho em pauta, nossas pesquisas e nossas opiniões sobre a realidade da prática e do estudo teórico.


5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS


Ao embasarmos nossos conhecimentos através das fundamentações teóricas, percebemos que no Brasil há um grande paradoxo educacional. Nos grandes centros existe a preocupação com a formação continuada do educador promovendo um ensino aprendizagem de qualidade, abrangendo todos atores envolvidos no contexto educativo, incluindo a comunidade e a realidade que a mesma está inserida. Em contra partida, temos as cidades de pequeno porte, onde a educação é confundida com barganha política e a essência educacional passa a ser uma utopia. De acordo, com os estudos realizados sobre Coordenação Pedagógica constatamos que a nossa realidade está aquém de uma democracia educacional idealizada.

No Município da cidade da Barra não é diferente, pertencemos a uma região carente onde o número de analfabetos ainda é muito grande principalmente analfabetos funcionais, muitos estão concluindo o Ensino Médio, porém, não aprenderam sequer os assuntos rudimentares, ficando com a perspectiva de vida limitada. Como conseqüência dessa realidade surgem interferências nas relações interpessoais, a desmotivação e o desencantamento, principalmente nos adolescentes e jovens barrenses. Diante deste fato, cabe ao Coordenador Pedagógico junto ao corpo docente, de sua escola, a incumbência de reverter este quadro através de um trabalho sistematizado desde as séries iniciais.

Quanto ao novo quadro pedagógico percebe-se que a preocupação em atualizar métodos e metas é uma constante, mas ainda, há muitas mudanças a se realizar. Requisitos como competência técnica, gestores autônomos e projeto político pedagógico personalizado, ou seja, fundamentado de acordo com a realidade da comunidade, são processos que ainda precisam ser revistos. Como foi constatado nas pesquisas o número de escolas na cidade da Barra é grande e com certeza suas realidades são distintas, cabendo assim, um estudo subjetivo a cada unidade, respeitando seu contexto social e cultural.

O projeto político pedagógico é uma construção que visa à integração dinâmica relacionada com iniciativas de todos os membros da comunidade educativa e todos os elementos da comunidade (pais, moradores, alunos), visando transparência e tomadas de decisões sobre o projeto, cuja intencionalidade é constantemente redefinida pela relação de reciprocidade e autonomia formando um espaço uno e plural que traduz ações cotidianas dos cidadãos.

Baseados na perspectiva de um trabalho coletivo e eficiente a partir das discussões feitas neste estudo, sugerimos propostas que ampliem a visão pedagógica de coordenadores e professores envolvidos no processo educacional do Município da Barra. Tais sugestões são propostas que possam vir a acrescentar um significado positivo. São elas: seminários, palestras, oficinas, fórum de discussão permanente nas escolas entre Coordenadores e professores objetivando a formação continuada dos atores envolvidos com a problemática educacional.

Portanto, a partir da teoria e prática o profissional da educação sente-se mais autônomo em seus procedimentos pedagógicos. Essa autonomia dar-se-á por meio dos conhecimentos teóricos colocados em prática e isso só é possível num ambiente democrático, o qual o trabalho mostra com extrema relevância para futuras análises. Contudo, sabe-se que o conhecimento socializado é algo complexo e exige comprometimento de todos envolvidos no processo educativo.


6 - REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Laurinda Ramalho (Orgs). Um dia na vida de um coordenador pedagógico de escola pública. O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2003.

ALMEIDA, Ignez Pitta. Livro Agenda-Oeste Baiano-2000: Barreiras Ba, 1999.

ANDRÉ, Marli. O cotidiano escolar, um campo de estudo. In. PLACCO, Vera Nigro de Souza (Orgs.). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola.São Paulo: Loyola, 2003.

BATISTA, Sylvia Helena Souza. Coordenar, avaliar, formar: discutindo conjugações possíveis. In. ALMEIDA, Laurinda Ramalho de (Orgs.). O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2003.

BARROS, Rosa Maria Antunes, Planejar é preciso-Caderno TV Escola ? Português ? MEC. SEED, 2000.

BÍBLIA SAGRADA: Nova versão internacional.São Paulo: Vida, 2001.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais-PCN. Secretaria de Educação Fundamental.Ensino de primeira à quarta série-Brasília: MEC/ SEF, 1997. 1 v.

BRASIL. Lei nº 9394/96, 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

DELORS, Jacques. Educação ? Um tesouro a descobrir. 5ªed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2001.

DEMO, Pedro. De que escola estamos falando? Revista de Educação CEAP. Ano X - nº36, Março/Maio, Salvador, 2002.

FRANCO, Francisco Carlos. Professor coordenador de turma - Perspectivas de atuação. In. ALMEIDA, Laurinda Ramalho de (Orgs.). O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 35ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

_____________ Pedagogia da Autonomia. 25ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

_____________Aquele abraço.Revista Nova Escola, Ano XVIII, nº 163, p.66, Junho/Julho, 2003.


GEGLIO, Paulo César.O papel do coordenador pedagógico na formação do professor em serviço. In: PLACCO, Vera Nigro de Souza (Orgs.). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.


HERNANDEZ, Fernando. O Projeto Político Pedagógico vinculado à melhoria das escolas. Pátio ?revista pedagógica. Ano VII nº 25, p.09-15, Fevereiro/Abril, 2003.


HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora. Uma prática em construção da pré-escola à universidade. 20ª ed. Porto Alegre: Mediação. 2003.


LIBÂNEO, José Carlos. Adeus Professor, Adeus Professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 5ªed. São Paulo: Cortez, 2001.


_____________. Pedagogia e Pedagogos para quê? Que Destino os Educadores darão à Pedagogia?- Cap. II, 6ªed. São Paulo: Cortez, 2002.


LUCK, Heloisa et al. A escola participativa o trabalho do gestor escolar.
6ª ed. São Paulo: DP&A, 2002.


LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. 14ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.


MARTINS, Rosilda Barros. Escola Espaço do Projeto Político Pedagógico. 6ª ed. Papirus, 2002.


PADILHA, Paulo Roberto. Projeto Político Pedagógico? Caminho para uma escola cidadã mais bela, prazerosa e aprendente. Pátio VII, nº25, p.12-15, Fevereiro/Abril, 2003.


PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza et al. O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.

REGIMENTO ESCOLAR UNIFICADO. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.(Lei nº 9394/96) LEI DE DIRETRIZES E BASES. Barra-Bahia, 2003.


RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica ? Guia para eficiência nos estudos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.


SEIFFERT, Otília Maria Lúcia Barbosa; BATISTA, Sylvia Helena Souza da Silva. O coordenador pedagógico e a avaliação da aprendizagem. In. PLACCO, Vera Nigro de Souza (Orgs.). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.


SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Cientifico. 22ª ed. São Paulo: Cortez, 2005.


VASCONCELLOS, Celso dos S. Planejamento - Projeto de Ensino aprendizagem e Projeto Político Pedagógico. 11ª ed. São Paulo: Libertad, 2002.


VEIGA, Ilma Passos A.Veiga (orgs.) Projeto Político-Pedagógico da Escola. 19ª ed. Papirus, 2005.


_____________ (orgs.) Escola Espaço do Projeto Político Pedagógico
6ª ed. Papirus, 2002.


VIEIRA, Marili M. da Silva.O coordenador pedagógico e os sentimentos envolvidos no cotidiano. In. PLACCO, Vera Nigro de Souza (Orgs.).
O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.

6.1 Referências Sugeridas


ABRAMOWICZ, Mere. Um reflexo fiel da escola. Revista Nova Escola. Ano XVI, nº 147. p.23-25, Novembro, 2001.


CARVALHO, José Sérgio Fonseca de. Educação e Cidadania. Revista Nova Escola. Ano XVIII, nº 163. p.12, Junho/Julho, 2003.


CASARA, Marques. A arte de planejar. Revista Nova Escola. Ano XV, nº 138. p.21-32, Dezembro, 2000.


COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. Disponível em: htm> Acesso em 30/06/06


LEGISLAÇÃO PARA CONSULTA ? Resolução SE nº 76/97 G.O.E.UDEMO/2001 ? Disponível em Acesso em 26/08/2005


MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2001.


MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual para Elaboração de Monografias e Dissertações. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.


MELLO, Guiomar Namo de. A melhoria da qualidade da educação básica. Revista Pátio. Ano VII, nº 32. p.42-44, Novembro, 2004/Janeiro, 2005. ISSN 1518-305 X.


MUNICÍPIO DE BARRA- ESTADO DA BAHIA. Ficha Técnica.Disponível em


PELLEGRINI, Denise. Avaliar para ensinar melhor. Revista Nova Escola. Ano XVIII, nº 159. p.27-33, Janeiro/Fevereiro, 2003.


VASCONCELLOS, Celso dos Santos. A avaliação e o desafio da aprendizagem e do desenvolvimento humano. Revista Pátio. Ano IX, nº 34. p.19-23, Maio/Julho, 2005. ISSN 1518-305X.












Palavras-chave:Coordenação Pedagógica; contexto escolar; prioridade
 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Marisa Gomes Da Silva
Talvez você goste destes artigos também