A Linguagem Na Internet
 
A Linguagem Na Internet
 


A tecnologia tem crescido tão rapidamente que se torna difícil acompanhá-la. A cada dia, novos equipamentos surgem no mercado e, em pouco tempo, o que era de última geração passa a ser substituído, em nome do conforto e da rapidez. Uma das áreas que mais tem avançado e se difundido em praticamente todas as classes sociais, é a informática. E, juntamente com esse desenvolvimento, cresce a preocupação de pais e professores com a linguagem que os jovens utilizam na internet. Essa linguagem tem até um nome: o internetês. Para compreendermos o que acontece com a linguagem quando alguém se comunica por meio, por exemplo, do msn  que é um programa de bate-papo que permite conversas instantâneas  temos de considerar que a internet é um meio muito rápido de comunicação. Assim, o que pesquisas recentes revelaram, é que o texto usado no msn é muito próximo da língua falada e que não há motivos para alarmes. Ao se utilizarem programas como o msn, a comunicação ocorre através de um meio escrito, no entanto o texto é oral. Ao contrário do Jornal Nacional, por exemplo, em que o texto é primeiramente escrito e depois comunicado por meio oral  o que justifica a ausência de marcas da fala, nesse tipo de texto. Sendo a internet um meio que exige agilidade e rapidez, a escrita por meio de abreviaturas faz com que a comunicação seja mais rápida, simulando assim a mesma rapidez da fala. Então pais, acalmem-se. Essa forma de escrita já faz parte do dia-a-dia virtual de seus filhos e não temos como ignorá-la, não temos meios e nem devemos impedi-la. A língua é um sistema vivo e adapta-se às situações de comunicação. Isso não significa que agora "pode-se escrever de qualquer jeito". As abreviações são permitidas no msn, no orkut, nos e-mails informais, nos chats (e até nesses textos existem regras! Caso contrário, nem mesmo os internautas se entenderiam), não cabe usá-las em outros gêneros textuais. O que se deve fazer é limitar o tempo que os filhos permanecem no computador e incentivar a leitura. O internetês não prejudica o bom português, desde que os filhos tenham acesso a bons livros, jornais e revistas. A nós professores, cabe o papel de ampliar a capacidade de recepção e produção textual dos alunos, priorizando a formação de escritores e leitores competentes, que saibam usar a língua nas diversas situações de interação.

 
Avalie este artigo:
(4 de 5)
15 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Fernanda Schneider
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Possui graduação em Letras - Língua Portuguesa (2004) e Língua Inglesa (2006) -, pela UPF/RS, especialização em Língua Portuguesa pela UPF/RS (2007) e mestrado em Estudos Linguísticos (2011), também pela UPF/RS. Atualmente é professora de Língua Portuguesa e Língua Inglesa, no Instituto Federal de E...
Membro desde janeiro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: