A pesquisa-ação possibilita que o pesquisador intervenha dentro de uma problemática social, analisando-a e anunciando seu objetivo de forma a mobilizar os participantes, construindo novos saberes. É através da pesquisa-ação que o aluno tem condições de refletir criticamente sobre suas ações.Ela possui uma base empírica que é concebida e realizada através de uma relação estreita com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo. Os participantes dessa pesquisa então envolvidos de modo cooperativo ou participativo.  A pesquisa-ação supõe uma forma de ação planejada de caráter social, educacional, técnico entre outros. A sua utilização como forma metodológica possibilita aos participantes condições de investigar sua própria prática de uma forma crítica e reflexiva. Nela estão envolvidos pesquisadores e pesquisados e todos estão envolvidos na solução de problemas e na busca de estratégias que visam encontrar soluções para os problemas. A partir dessa reflexão, os alunos, professores participantes poderão desenvolver uma maior abertura para revisão de sua prática docente, utilizando para isso o trabalho coletivo, pois, a abertura para o universo escolar para os pesquisadores deve se dá de maneira interativa com os participantes, sendo necessária uma relação muito próxima entre teoria e prática.  Dessa forma, essa pesquisa se difere das demais por contrapor o paradigma da pesquisa desenvolvida por especialistas que se encontram fora do contexto empresarial. Os pesquisadores que estão envolvidos nessa pesquisa devem ter uma flexibilidade na aceitação dos pontos de vistas dos participantes, desenvolvendo uma abertura para aceitar os resultados que venham a ser divergentes. A pesquisa-ação deve funcionar como uma metodologia estrutura de uma pesquisa tecnológica que tem como objetivo estimular a expressão individual na tomada de decisões.

       É preciso haver um processo de revisão sempre que for preciso adaptar alguma coisa em função das circunstâncias e da dinâmica interna que acontece entre o grupo de pesquisadores e a situação que está sendo investigada. No processo da pesquisa-ação é preciso diagnosticar uma dada situação, formular uma estratégica de trabalho, desenvolver estratégicas e uma avaliação eficiente, para em seguida, analisar e compreender a nova situação. Essa pesquisa proporciona um processo de reflexão-ação-reflexão que ajuda os envolvidos a ter clareza sobre sua prática e seus conhecimentos teóricos, promovendo mudanças atitudinais necessárias para assegurar uma boa resolução de problemas.

      Dessa forma irá gerar mudanças na cultura da empresa, criando comunidades de investigação que contribuirão para práticas participativas e democráticas e fazendo surgir uma ressignificação dos problemas encontrados e dar a eles possibilidades de respostas e de soluções. 

Referências: 

EL ANDALOUSSI, Khalid. Pesquisas-ações: ciências, desenvolvimento, democracia. São Paulo: Edufscar, 2004.

PIMENTA, Selma G e FRANCO, Maria A. Santoro. Pesquisa em educação. Possibilidades investigativas/formativas da pesquisa-ação. São Paulo: Edições Loyola, 2008.