IMPORTÂNCIA DOS VALORES HUMANOS NA EDUCAÇÃO

Livro relacionado:

Este artigo tem por objetivo, apontar a necessidade de educar em valores, em todas as fases da vida do aluno, afim de que, os alunos aprendam ainda pequenos a conhecer, conviver, entender e respeitar ao próximo. Pois somente dessa forma, conseguir-se-á formar adultos com referenciais de cidadania e de respeito.

1 – INTRODUÇÃO

Segundo Houaiss, o valor humano se define da seguinte forma: qualidade humana de natureza física, intelectual ou moral que desperta admiração de todos.

Atualmente, a maior preocupação dos pais, da escola e da sociedade como um todo, tem sido de oferecer às crianças e adolescentes conhecimentos, profissionalização para galgar espaço no mercado de trabalho, objetivando ascensão social e profissional, e ainda enfatizando a individualidade e a competitividade. Fica-se, portanto, esquecido, a base de valores humanos, tão primordiais para a vida, que possibilitam uma realização e felicidade verdadeira. Esta negação de valores na formação dos indivíduos tem ocasionado profissionais infelizes e frustrados. A vivência dos valores alicerça o caráter e reflete na conduta do ser humano.

Não basta que só os educandos sejam educados em valores, é preciso que esta educação seja estendida aos pais, professores, comunidade escolar e sociedade. É, pois, um trabalho de orientação, conscientização e comprometimento. Porém, os valores não podem ser impostos, sufocando a personalidade da criança, mas percebidos por elas nas atitudes de todos que educam.

É importante refletirmos com o escritor Augusto Cury, quando afirma em seu livro, Pais brilhantes, Professores Fascinantes, que, "estamos informando os jovens, e não formando sua personalidade." (2003, p.15). Esta afirmação nos leva a uma reflexão crítica de como estamos agindo e o que esperamos desses jovens no futuro.

Neste trabalho se abordará questões relevantes para o ensino em valores, assim como se pretende estudar os problemas e soluções mostrando caminhos para mudanças, bem como o papel de cada meio social na transformação de um mundo mais promissor ao bem estar social, preocupados com a formação de cidadãos capazes de agir como seres humanos que são racionais e conscientes.

2 – DESENVOLIVIMENTO

Ao ensinar através da orientação aos alunos, os valores humanos, se está evidenciando a grandeza destes no decorrer da vida. Ao se mostrar o benefício que os mesmos trazem no desenvolvimento social, percebe-se que os valores deixam de ser algo que se possa escolher em ter ou não ter, para tornar-se essencial à vida; como o alimento de todos os dias. São os valores que permitem a convivência humana; e portanto, não podem ser considerados como opção. O ser humano pode até fiar sem determinado conhecimento que o impedirá de ocupar um cargo, porém não lhe é possível viver sem relacionamento, sem o convívio entre pessoas. O valor está impregnado no processo de crescimento e desenvolvimento humano.

O viver em sociedade exige valores que proporcionam ao homem participar do processo social natural, como, por exemplo, trabalhar para seu sustento. Tudo que faz do homem um ser humano, depende de valores.

Os educandos são o alvo quando se luta por um ensino de qualidade, que visa à formação de estudantes pensantes, críticos e capazes de batalhar por um espaço no mundo profissional. Pensando assim, deve-se estar atento sobre como são influenciados a aprender. Como pode se observar na citação de Dorothy Law Nolte e Rachel Harris,(2003 p.15), quando diz "As crianças são como esponjas. Absorvem tudo o que fazem, tudo o que dizemos. Aprendem conosco o tempo todo, mesmo quando não nos damos conta do que estamos ensinando".

3- OS VALORES HUMANOS NA EDUCAÇÃO

Antônio Lopes de Sá, em seu livro Ética e valores humanos, 2001, p. 39, nos diz que "muito se tem discutido sobre as dificuldades que envolvem o ato educacional, tem-se buscado incessantemente soluções para tais dificuldades, porém muito pouco se tem encontrado. Vive-se em um período de transição de valores, que influencia diretamente a educação, no que tange o aprendizado e desenvolvimento dos alunos."

"A urgência de compreender melhor o inter-relacionamento dos seres humanos, assim como suas expectativas e níveis de interesse, tem levado nestes últimos anos a um aprofundamento radical nos estudos éticos e morais, ressaltando deste modo uma nova e promissora perspectiva para o crescimento e educação das futuras gerações". ( Sá, 2001, p.47)

 

Entende-se que a educação transcende os muros da escola, sendo influenciado por todos os espaços que os alunos convivem, percebe-se que os valores éticos, morais , sociais e culturais, precisam ser considerados e integrados no processo ensino-aprendizagem, á partir de uma Educação básica de qualidade . Esta educação de qualidade, é aquela capaz de oferecer a todos os cidadãos, crianças, jovens e adultos, aquelas condições que Toro, chama de "Códigos da Modernidade",( 1997, p. 95) que configuram os requisitos mínimos para se trabalhar e viver em uma sociedade moderna.

As novas gerações possuem uma nova visão de mundo, os interesses são outros e a forma de aprendizagem e crescimento também é outra. Sofreu alterações e com isso a educação deve ser atenta em acompanhar essa evolução, sem, portanto, deixar de mostrar a importância e a necessidade de se conservar "valores base", que a qualquer época, independente da evolução do mundo, precisa-se ter para haver convívio e relacionamento entre as pessoas.

Vivemos em um mundo capitalista, onde a sociedade prega a competição, a individualidade e o egoísmo, é preciso que educadores e educandos saibam que apesar de toda dificuldade em conseguir alcançar os objetivos, por causa da competitividade, há como conseguir, sendo honesto, generoso, justo, solidário e agindo com ética. É preciso mostrar ainda, que mesmo enfrentando enormes dificuldades no mercado de trabalho e no social, a melhor forma de conseguir espaço é batalhando para conquistá-lo.

Levando em consideração que os alunos são seres humanos dotados de sentimentos, problemas, valores, e são únicos nas suas individualidades, nota-se que o ato de educar não ocorre separadamente, e que os sentimentos estão presentes no ensino, no desenvolvimento e crescimento destes alunos.

3.1 - OS DIVERSOS OLHARES SOBRE OS VALORES HUMANOS

Refletindo o tema valores humanos percebe-se a necessidade urgente de se ampliar essa visão dentro de nossas escolas. Educar para a cidadania é uma tarefa árdua e requer empenho e muita luta a fim de se alcançar os objetivos almejados e propostos pelos pensadores de uma educação para a democracia, que implica na luta constante pela divulgação e pelo respeito aos direitos humanos e da inserção dos valores éticos e morais nos currículos escolares.

"...um currículo escolar sobre ética pede uma reflexão sobre a sociedade contemporânea na qual está inserida a escola; no caso, o Brasil do século XX. Tal reflexão poderia ser feita de maneira antropológica e sociológica: conhecer a diversidade de valores presentes na sociedade brasileira. No entanto, por se tratar de uma referência curricular nacional que objetiva o exercício da cidadania, é imperativa a remissão a referência nacional brasileira á Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988. Nela, encontram-se elementos que identificam questões morais". (PCN, vol 8, 2001, p.70)

 

Os valores funcionam em nossas vidas, não nos momentos em que falamos ou escrevemos sobre eles, mas nos momentos em que decidimos e agimos tomando-os por fundamento, por base de nossas ações. O objetivo de educar em valores é levar o aluno a refletir sobre sua conduta e a dos outros.

Ao tratar o tema: ética, os PCN, p.49 propõe uma pergunta: "Como devo agir perante os outros? E essa é a pergunta que deve nortear a conduta dos educadores e educandos ao tratar de valores.

Os valores pesam na balança de nossas tomadas de decisão, eles valem quando fazem inclinar nossas atitudes ou nossa conduta numa direção, e não em outra. Os valores, ao fazerem nossas decisões e ações tomarem determinado rumo, estão funcionando como a fonte do sentido de nossas opções, de escolhas, de nossas decisões, de nossos atos, de nossas atitudes, de nossas ações.

"Os valores não são conhecimentos apenas cognitivos", ( Associação Filosófica Scientiae Studia 2008). Eles transcendem a cognição. Uma pessoa pode falar o tempo todo de justiça e mesmo assim ser injusta nos seus atos cotidianos. Os valores devem ser vividos e experimentados. A vivência dos valores no nosso dia-a-dia deve ser tão convicta que contagie os jovens que ao nos ver vivendo tais valores tenham o mesmo desejo de vivê-los e de experimentá-los.

Como educar para os valores dentro da escola? Não basta apenas uma boa aula expositiva sobre o assunto. É preciso criar oportunidades educativas para que a criança e o adolescente possam vivenciar as situações que os façam tomar decisões, ter atitudes.

"... se os valores morais que subjazem aos ideais de constituição brasileira não forem intimamente legitimados pelos indivíduos que compõem este País, o próprio exercício de cidadania será seriamente prejudicado, para não dizer, impossível. É tarefa de toda sociedade fazer com que esses valores vivam e se desenvolvam. E, decorrente, é também tarefa da escola." (PCN, vol 8, 2001, p.73)

 

Os direitos humanos não são aprendidos de cor, mas praticados, caso contrário desaparecem da consciência da humanidade. A tarefa de humanizar deve brotar de nossas iniciativas educativas.

Como dizia Paulo Freire "ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo." (2001, p. 68), todos temos algo a receber. No campo de direitos humanos não existem experts e nem ignorantes somos todos aprendizes.

[...]

 
Download do artigo
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Jose Francisco De Sousa
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Nasceu em Pombal-PB, mora em Brasilia há mais de 35 anos. Formado em historia, letras e peagogia, mestre em educação, doutor em historia antiga e doutorando em psicologia.Professor da Secretaria de Ensino do DF e de Instituições de Ensino Superior do DF
Membro desde outubro de 2009