Pode ser que seja hoje!

“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo.” Apocalipse cap. 3 vers. 20

Em vários encontros de pastores dos quais tenho participado ultimamente, tem sido quase unânime a queixa de muitos colegas sobre a falta de comprometimento de vários membros de igreja atualmente. O que antes podíamos chamar de mutirão, hoje seria melhor se chamássemos de “mintirão” pois as pessoas dizem que participarão mas não comparecem e acabam sobrecarregando os poucos que escolhem ajudar na obra de Deus.

Em muitas igrejas os pastores tem sofrido pois apenas 20% (vinte por cento) do total de membros realmente se dispõem a participar das atividades de forma mais efetiva e direta.

Por outro lado, para muitas pessoas, ir à igreja não passa de um simples ritual que se faz como se fosse apenas pra ninguém notar a ausência. É como se a pessoa fosse à escola, ao mercado ou ao trabalho; ir a igreja parece ser apenas mais uma espécie de opção que se tem na vida. Tem até aqueles que dizem que “é melhor ir à igreja” pra ver se a vida melhora de alguma maneira.

Também existem aqueles que pregam a palavra por força do ofício. Não se preocupam em saber o que Deus realmente deseja falar com as pessoas através do púlpito e muito menos em se preparar adequadamente para trazer uma palavra que faça diferença na vida das pessoas. Alguns até dizem: Se não der tempo, “basta pegar alguma coisa boa na internet” e levar para o povo.

Tem também aqueles que cantam apenas para serem vistos e admirados. Ao invés de levar o povo a adorar a Deus, agora tem sido comum levar o povo a adorar a adoração e os adoradores. Alguns cantores cantam como se estivessem cantando apenas em mais uma igreja para aumentar a estatística e a conta bancária.

Fiquei pensando no exemplo dado pelo saudoso irmão Flauzino Corrêa Neto mais conhecido como irmão Nenzinho, que sempre procurava questionar este assunto na igreja onde congregava junto à vários irmãos. Este irmão sempre procurava alertar as pessoas sobre a possibilidade de aquele culto poderia ser o último; que as pessoas não deveriam cultuar apenas como um simples ritual. Até que um dia este irmão pregou a palavra com unção e ousadia até ao ponto de dizer para a igreja que fora avisado por Deus de que aquele era seu último culto. O mais curioso é que, após o culto este irmão foi para casa e faleceu dormindo naquela mesma noite. Valeu a pena ter pregado com unção como se fosse a última vez, pois pra ele realmente foi a última vez!

Em quanto à nós que aqui ainda estamos? Quais são os verdadeiros motivos que tem nos levado para a igreja? Nossa presença e participação na igreja é apenas um ritual ou temos feito como o exemplo do irmão Nenzinho?

O texto bíblico acima parece que foi escrito ontem e nos lembra que Cristo está às portas esperando que possamos abrir o coração de verdade para Ele.

Diante de tal realidade, não temos outra opção senão a de revermos os nossos conceitos e atitudes em relação a esta realidade tão importante. Precisamos ir à igreja como alguém que realmente vai se encontrar com Deus e sentir a presença dEle. Com a capacidade de sentir a sua presença, de ouvir a sua voz. Não podemos ir pra igreja como alguém que vai a uma festa qualquer. Até porque, não sabemos se teremos outras oportunidades para voltar, como aconteceu com o irmão Nenzinho do exemplo que citei acima.

Precisamos lembrar que pode ser que seja hoje que Jesus volte pra separar o joio do trigo e os bodes das ovelhas. Por esta razão temos de pregar a palavra com ousadia e unção como se fosse a última vez.

Vá a igreja com alegria intensa de alguém que vai ao encontro de alguém muito especial. Durante a Jornada Mundial da Juventude acontecida recentemente aqui na Cidade do Rio de Janeiro, pude contemplar a disposição e o entusiasmo de milhares de jovens para tentar ver de perto o Papa Jorge Mario Bergoglio, mais conhecido como Papa Francisco. Não seria melhor se fossemos à presença de Deus com pelo menos a mesma alegria, disposição e disponibilidade? Ou será que Deus não merece isso de nós?

Precisamos louvar o nosso Deus como se realmente fosse a nossa última vez aqui na terra. O nosso louvor não pode ser um louvor qualquer, pois Deus merece o nosso melhor.

Pensando assim, temos de entender que precisamos dar mais espaço para a oração e súplica, intercedendo intensamente por aqueles que sofrem ao nosso redor e também no mundo afora.

Pode ser que seja hoje o seu encontro com o Rei dos reis e que você tem nas mãos para mostrar a Ele?

Você deseja realmente estar com Jesus Cristo face a face? Chegou a hora de começar uma vida verdadeiramente com Deus de uma forma mais real e mais intensa. Pode ser que você esteja se sentindo um tanto quanto fraco espiritualmente e quase sem forças para adorar a Deus, mas o momento é este de mudar o quadro da sua vida e também da sua igreja. Procure adorar a Deus como se fosse a última vez da sua vida, como se Deus estivesse na sua frente de forma concreta e copórea ou como se Ele fosse voltar ainda hoje. Até porque, pode ser que seja hoje que isso realmente aconteça de verdade.

Pastor Adilson Batista Amelio   

Email:advogadoevangelio@gmail.com