(Reflexões baseadas em: Dt 4,32-34.39-40; Rm 8,14-17; Mt 28,16-20) 

 

Já parou para pensar nas tantas situações em que, de forma espontânea, mecânica, impensada… ou apaixonada, dizemos que somos cristãos?

Se nos perguntam: Tens religião? Frequentas igreja?… sempre respondemos sim e dizemos que somos católicos ou luteranos, ou presbiterianos… E, com isso afirmamos que somos seguidores de Jesus Cristo. E, por vezes, até citamos o apóstolo Paulo, que numa de suas cartas afirma que: “Viver é Cristo e o morrer é lucro” (1Fl 1,21).

Muitos de nós, no mundo Católico ou em qualquer das denominações das outras Igrejas cristãs, alimentamos uma fé muito especial e calorosa para com o Divino Espírito Santo. Tanto que se fala em avivamento pentecostal, renovação carismática… alguns até mencionam os dons do Espírito: falar em línguas, cura… alguns, muito raros, falam ou pedem o dom da sabedoria (como o fez Salomão 1Rs 3,1-15).

A maioria de nós, quando pretendemos fazer uma oração, pública ou no silêncio de nossa fé, dirigimo-nos a Deus Pai. Quase sempre começamos nossa oração com expressões como: “Pai Santo…”, “Senhor Deus…”, “Senhor,…” Isso quando não recitamos, de forma meio mecânica, o “Pai Nosso”...

Você já deve estar se perguntando e querendo que eu explique o por quê destas afirmações.

É simples.

A Igreja, ao final do tempo pascal, nos convida para duas celebrações muito importantes. Elas nos ajudam a compreender melhor os mistérios da redenção. Não só uma compreensão intelectual, mas principalmente aquela que nos leva à prática da fé cristã. A primeira dessas celebrações ocorre no sétimo domingo após a Páscoa: é a celebração da Ascensão do Senhor. É o momento litúrgico em que Jesus Cristo se despede dos discípulos e lhes confia a missão de levar a Boa Nova a todas as nações do mundo.

No domingo seguinte à Ascensão do Senhor, concluindo o Ciclo da Páscoa, a Igreja nos propõe a celebração de Pentecostes. Seguem-se todas as demais semanas do Tempo Comum.

O reinício do tempo comum nos convida à celebração da Santíssima Trindade e as leituras que a Igreja nos propõe, para esta solenidade sugerem a ação de cada uma das Pessoas da Santíssima Trindade.

No livro do Deuteronômio (Dt 4,32-34.39-40) visualizamos as palavras de Deus Pai. Deus, é um Pai que orienta Moisés, mostrando que outras crenças não conduzem ao Deus verdadeiro. É o Pai que, ao escolher um povo se mantém fiel a ele, mesmo que esse povo seja infiel. Deus é o Pai que, além de escolher um povo, liberta-o da servidão. Um Deus Pai, que só quer uma coisa de seus escolhidos: fidelidade. Um Pai que afirma claramente sua lei: “Reconhece, pois, hoje, e grava-o em teu coração, que o Senhor é o Deus lá em cima do céu e cá embaixo na terra, e que não há outro além dele” (Dt 4,39). Este é o discurso do Pai, orientando os filhos.

Por seu lado, Paulo escrevendo aos Romanos (Rm 8,14-17), apresenta-nos o Espírito de Amor. O Espírito da união. O Espírito enviado por Jesus (como se viu na celebração do Pentecostes) e que nos ensina a reconhecer o Pai. O Espírito que nos adota a fim de nos fazer integrantes da família de Deus e, para fazer isso, nos ensina a chamar a Deus de Pai (Rm 8,15). Em tudo isso somos mobilizados pelo Espírito que nos guia, pois esse é o Espírito de Amor e que nos convida a viver em comunidade.

Na terceira leitura (Mt 28,16-20) é o próprio Jesus quem se apresenta. E também apresenta a missão dos seus seguidores: fazer com que todos os povos tornem-se discípulos e seguidores, cumprindo com seus ensinamentos. Para que isso ocorra é necessário apenas que sejam batizados em nome do único Deus que se manifesta em três pessoas, três manifestações de amor. Nesse amor trinitário é que se ministra o batismo: “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19)

Qual o ensinamento que se pode tirar disso?

Primeiro: que nosso Deus é uma Trindade Santa. Entretanto não são três deuses, mas um único Deus que, por ser pleno de amor, não se contenta em ser sozinho. Ou seja, o amor, por ser pleno, e por isso verdadeiro, exige companhia. O amor que não leva ao outro, é egoísmo. O amor só tem razão de ser em comunidade, na relação com o outro, a exemplo da comunidade trinitária.

Segundo: só podemos dizer que conhecemos a Deus, no exercício do amor. E para dizer que amamos a Deus, temos que partir do pressuposto do amor ao outro. Mas como amar ao outro se não amo a mim mesmo? Portanto o amor também é trinitário: Ama-se a Deus em função do amar ao outro e o amor ao outro é consequência do amor a si mesmo. Quem não se ama, também não ama ao outro e, consequentemente não ama a Deus. Notando que o “amar a si mesmo” não é colocar-se no centro, pois isso seria egoísmo, egocentrismo…; o “amar a si mesmo” é reconhecer os próprio méritos, os próprios valores, é saber que tem algo a oferecer ao outro; é saber-se completo na relação com o outro.

Em terceiro lugar: o caminho para o Deus Trindade é a própria Trindade que foi se manifestando ao longo da história até ser plenamente apresentada à humanidade por Jesus, o Filho que leva ao Pai pelo Espírito de Amor. Com isso podemos dizer que antes de Jesus, ainda era admissível a maldade presente entre as pessoas, mas com a plenitude da manifestação de Deus, na pessoa de Jesus de Nazaré, as pessoas não tem mais justificativas para agir maldosamente… a não ser que renunciem a Deus aderindo ao seu opositor...

Por isso, podemos dizer com plena segurança: se ainda existe maldade nas pessoas é porque não conhecem a Deus; se ainda existem pessoas sofrendo, passando fome, sendo vítima da ambição dos outros… é porque ainda existem pessoas que não conhecem a Deus; se ainda existem pessoas ludibriando, enganando, tirando proveito, explorando… aos irmãos, é porque ainda existem pessoas que não sabem quem é Deus e não entenderam nada do que ensinou Jesus; pessoas que não se abriram nem abriram o coração para receber os dons do Espírito, pois não reconhecem a Deus como Pai. Não entenderam a Trindade de Amor!

Por sua vez, aqueles que conheceram e conhecem Jesus sabem que dele receberam uma missão vital que é fazer com que cresça o compromisso com o outro, numa crescente relação do amor trinitário: amar ao outro para ambos demonstrarem o amor a Deus.

Como levar diante essa missão? Cumprindo a missão dada pelo Senhor Jesus: aprendendo e ensinando a amar ao Deus que aprendemos chamar de Pai, Filho e Espírito Santo.

 

Neri de Paula Carneiro

Mestre em Educação, filósofo, teólogo, historiador

Outros escritos do autor:

Filosofia, História, Religião: https://www.webartigos.com/index.php/autores/npcarneiro;

Literatura: https://www.recantodasletras.com.br/autores/neripcarneiro.