Sempre ouvi dizer que futebol, religião e política não se discute e penso que essa regra continua valendo apesar da evolução dos tempos.  Acrescentaria que religião e partido político não se impõe a ninguém, mesmo que estejamos vivendo democraticamente. Acredito que todos tem o direito de expressar a sua opinião, mas não tem o direito de querer obrigar que o outro aceite. Respeitar a ideologia política e a crença de cada um é uma questão não só de respeito, mas de educação também.

Percebo que algumas pessoas insistentemente querem impor os princípios de sua religião aos outros, mesmo sabendo que a pessoa não compartilha daquela crença, acredito que seja na tentativa de catequiza-la. Só que corre o grande risco de fazer com que o outro acabe desenvolvendo sentimento de repulsa, ojeriza, raiva, indignação; podendo fazer com que a pessoa se afaste. Este tipo de comportamento é muito percebido nas redes sociais, só que trata-se de um comportamento negativo. Já escutei de uma pessoa que isso era ecumenismo e confesso que doeu meu ouvido.

A etiologia da palavra ecumenismo vem do grego “oikos” (casa), designado a toda terra habitada. O ecumenismo visa buscar a unidade entre igrejas cristãs, entre as religiões e até mesmo entre a humanidade. Na visão do cristianismo pode-se entender o ecumenismo como um movimento entre diversas denominações cristãs que buscam diálogo e cooperação comum, a fim de superar as divergências históricas e culturais. Para os luteranos, o termo ecumênico significa que a Igreja de Cristo vai além das diferenças geográficas, culturais e políticas entre diversas igrejas. Como se vê, em nenhum momento o ecumenismo fala em catequizar alguém para religião X ou Y, portanto, dizer que tentar impor a sua religião ao outro é ecumenismo, denota a falta de conhecimento sobre o assunto e de desrespeito para com o outro.

Todas as religiões são boas e podem ajudar na estruturação do indivíduo, claro que vai depender da fé e do entendimento de cada um em relação aos princípios da sua religião. Agora, não basta entender os princípios da religião e não coloca-los em prática, apesar de não ser algo fácil. O Pe. Fábio de Melo tem uma frase muito instigante “não seja católico, seja cristão”, ou seja, reflita sobre qual está sendo o seu papel dentro da sua religião. Querer impor sua religião às pessoas é anticristo, principalmente, através das redes sociais, enviando-lhes mensagens, criando debates ou traçando críticas a religião do outro. Seja um internauta religioso, educado e respeitoso, não imponha suas ideologias a ninguém, mas as defenda sempre.

Referência:

LACOSTE, Jean-Yves. Dicionário Crítico de Teologia.São Paulo: Paulinas e Loyola, 2004.

 

Revisado por Editor do Webartigos.com