Preparem-se para o NOVO NORMAL

 

Normal.

 

Trivial, corriqueiro, natural, habitual, usual

 

Não era normal a utilização de máscaras, não eram normais cumprimentos em distanciamentos regrados e vigiados, não eram normais ruas vazias, não era normal o vínculo com trabalhos á distância, os chamados "home office", não era normal a falta de visitas, não era uma atitude normal deixarmos de visitar quem amamos, não eram normais todos os ambientes sem aglomerações.

 

O que daqui pra frente vai ser normal?

 

Quais as mudanças a partir desse fenômeno do início do século XXI que nos demonstrou nossa total fragilidade para o desconhecido?

 

Quem questiona a ciência e a medicina deveria abster-se de seus benefícios?

 

O novo normal deverá ser construído nos próximos meses, escolas devem gradativamente estabelecerem procedimentos sociais que deverão ser incorporados à sociedade. A sociedade, quem é? Quem a compõem?

 

Sociedades deveriam ser a expressão.

 

Quem iria imaginar que pessoas em pleno século XXI se comportariam na maioria das vezes, cada qual sob um pensamento e uma opinião sem nenhuma fundamentação? Quem descarta o uso de tecnologia mais se apoia no celular para escrever?

 

Quem detesta a ciência, a culpa, mas tem em sua sala uma TV de 60 polegadas, com tecnologia desenvolvida em laboratórios?

 

Quem detesta a ciência, mas fez plástica no nariz e glúteos sob os cuidados dos melhores médicos?

 

Estamos vivendo a hipocrisia disfarçada de moralismo.

 

Construímos uma sociedade sob os princípios da utilização da tecnologia e da medicina, que não as aceita a partir do momento que não tem o controle na mão.

 

De resto, os mesmos cristãos fervorosos, obedientes a um messias, ou a vários deles, torcem e "rezam ou oram" por uma vacina, despojando a "Deuses" as glórias advindas de um esforço tremendo da humanidade, rotulada e aniquilada de preconceitos e injúrias dessa mesma patota "monoteísta".

 

E aqui não quero generalizar, percebo muitos ainda com a ciência e a fé, construindo e acreditando na esperança da superação humana, mas não podemos deixar de citar, assim como observado por muitos, a interferência de falsos "messias" que tornam a tarefa científica um fardo e não o NORMAL.

 

O novo normal pode ser obscuro ou pode ser a luz, depende de cada um de nós.