Série O Ensino de Filosofia - Por que estudar filosofia?

The Philosophy Teaching Series - Why Study Philosophy?

Emanuel Isaque Cordeiro da Silva - Agropecuarista, Estudante, Pesquisador e Professor. E-mails: eisaque335@gmail.com e eics@discente.ifpe.edu.br. WhatsApp: (82)9.8143-8399

Não há professor que nunca tenha ouvido de seus alunos a pergunta "Por que estudar filosofia?". Há nessa indagação certo desconforto com a nova disciplina do currículo por lhes parecer inútil. No mundo atual, compreende-se a pouca disposição para uma disciplina voltada para a reflexão porque vivemos uma realidade pragmática, dominada pela imagem, pelo efêmero, pela velocidade e voltada para soluções imediatistas. Acrescentemos a esse quadro o fascínio que o mundo virtual exerce sobre as pessoas, principalmente das novas gerações. E não sem razão. A web nos abre portas para inúmeras possibilidades de informação, entretenimento, interação e para o contato direto com amigos e desconhecidos, numa verdadeira revolução - a revolução digital a que assistimos diariamente e da qual participamos a cada novo recurso tecnológico colocado à nossa disposição.

Diante desse cenário, é um desafio atrair os jovens para a experiência conceitual da filosofia, visto haver um estranhamento inicial com a nova disciplina, cujo conteúdo e metodologia lhes são desconhecidos e dos quais não se sabe a "utilidade". Mas será justamente a riqueza do cotidiano que constitui o solo em que poderão ser contextualizados inúmeros temas que favorecem a argumentação de natureza filosófica.

Por outro lado, em que pesem essas características dos novos tempos que poderiam favorecer o desprezo pela filosofia, temos percebido crescente interesse pelo debate filosófico nem sempre de modo explícito, mas subjacente ao questionamento cotidiano de questões políticas, éticas e estéticas. Por exemplo, o confronto entre países democráticos e os submetidos a tiranias laicas ou religiosas certamente desperta discussões em torno do que é certo ou errado na política; a celeuma em torno da legalização do aborto, do casamento entre pessoas do mesmo sexo, da eutanásia circula pela mídia e torna-se assunto em revistas, jornais e redes sociais, provocando controvérsias de natureza ética.

Para aclarar a ideia acerca do ensino de filosofia e sua suma essencialidade, nos pares didáticos para o ensino médio, bem como para pessoas leigas e que se interessam pelo estudo de filosofia, cito o livro de Maria Aranha e Helena Martins, Filosofando: Introdução à Filosofia, da editora moderna. Na primeira parte, intitulada "A experiência filosófica", Aranha e Martins esboçam algumas justificativas sobre a importância do estudo da filosofia ao mesmo tempo que destacam sua especificidade: a capacidade de problematizar o senso comum e de exercitar a argumentação com base na tradição filosófica. Logo, mostrando a sumática primordialidade da filosofia para todas as esferas sociais e escolares.

Por fim, cito a reflexão filosófica que é essencial para compreender os contrastes consequentes das rupturas e permanências no mundo contemporânea.

A Filosofia é a mãe de todos os outros saberes!

Emanuel Isaque, Recife, Pernambuco, Junho de 2019.