A figura familiar mais forte e digna de todas honraria é festejada no mês mariano. Segue a tradição de receber esse nome, pois, Maria segundo conta a Sagrada Escritura é Mãe de nosso Salvador – Jesus Cristo.

Segue a tradição materna com sua comemoração e festividade de acordo com cada país. Aqui, no Brasil comemoramos no Segundo Domingo de Maio. A comemoração do Dia das Mães é tradição mitológica, desde a Grécia Antiga, com o costume de festejar o dia da figura materna.  

Nos Estados Unidos a celebração dos Dias das Mães foi uma questão ativista no intuito de baixar a mortalidade de crianças de mães trabalhadoras. Com a morte da ativista Ann Maria Reevers, sua filha tratou em colocar o busto de sua mãe em uma praça e criar um memorial reconhecido pedindo ao povo um feriado no Dia das Mães – Dia 08 de Maio.

No Brasil, reza a tradição que tudo começou numa Associação Cristã, no dia 12 de maio, geralmente no segundo domingo do mês. De lá então, foi se espalhando em todo o território brasileiro.  Somente no Governo de Vargas foi oficializada a data para o segundo Domingo de Maio. 

É uma das maiores festas do calendário. Nas residências se festejam com muito mimo. Celebração de banquetes, presentes, família reunida. Até os lares mais simples a festividade toma conta da casa. Filhos improvisam uma festinha para o maior amor de suas vidas – A MÃE.

Mas, neste ano algo diferencia o dia de festividade. Será o primeiro Dia das Mães no mundo festejado de modo virtual. Um bichinho invisível e mortal vai separar desse contato fraterno com seu ente mais precioso.

Devido às circunstâncias, e ser muito comedido,  que aqui não falarei a festa de nossa queria matriarca será feita de um modo bem pejorativo, por determinação de cuidados com sua saúde. A festa vai ser virtual. Eu do lado de cá e ela do lado de lá. Assim acontecerá com a sua mãezinha.


O contato fraterno de poder abraçar, beijar suas fontes, de tocá-la, ouvir seus relatos do dia, suas orações, seus desejos e sonhos vão acontecer somente por telefone ou à distância.

Não podemos ficar juntos com a pessoa que nos deu a vida. Aquela que nos cuidou quando criança, trocou nossas fraudas, banhou, colocou talco, nos deu sopinha na boca. Que nos repreendeu quando preciso fosse com um puxado de orelhas. Aquela mãe que levou para a escola e nos ensinou a caminhar sozinho. Enfim, nos deu todo seu amor e nos ensinou as coisas boas da vida. 

E, nesse dia somos gratos por sua existência. E de um modo alheio vamos comemorar seu dia pela primeira vez no mundo de um modo virtual ou a distância.              

TEXTO E CRIAÇÃO DE WILAMY CARNEIRO

Esta é uma obra intelectual. Seus direitos reservados conforme Lei. 

Wilamy Carneiro é cronista, poeta e escritor. Membro da ALMECE – Academia de Letras do Município do Ceará. Patrono da Cadeira Nº 97 do Município de Forquilha no Ceará.