A foto do rosto e do mundo nas paredes.                                          A liberdade solta, não como a de um pássaro, mas                    como a de um homem que perde a toa a jogada de                     uma mulher seus lucros de prazeres gastos, erros                exaustos em seu exílio impune.                                                          O menino e a cidade, o rei de suas esquinas, em                           seus olhos a sede, em seu gesto  um desânimo órfão.                 Ah! Os desvalidos que passam e chutam ao sono da           calçada, abandonos que nem aos gritos ousaram lembrar.              Ah! Se não fossem as ruas, os assentos das praças não                   seriam abrigos, não seriam casas.                                        Impávido ao dormir um pesadelo mole, que indo acalentar               a pedra fêmea um macho pai que o negou.

 EWALD KOCH

Revisado por Editor do Webartigos.com