*Maria, a flor depositária das Dores humanas!*
_Por Padre Joacir d’Abadia*, Diocese de Formosa-GO


Num relance, a nossa flor depositária das Dores dos Filhos de Deus, isto é, o canal intermediário, Maria diz espontaneamente a pequena frase a qual todo cristão é chamado a dizer, seja em palavra, serviço ou em ação (práxis) que é o seu sim, quer dizer, Fiat. Para o filósofo francês Emmanuel Mounier: _“(...) toda a decisão humana “está” no Fiat da Virgem, esse Fiat que a fez Mãe de Deus, por influência direta do Verbo, sem comunicação humana, e respeitando exteriormente a situação causal da maternidade”._


É, sobretudo, diante da sua resposta convicta que a Mãe de Deus acolhe as palavras do anjo Gabriel em prol dos pecadores exilados com a função de irradiar a graça entre a humanidade e o ser Absoluto, Deus.

Maria, a flor depositária do Sofrimento humano é o canal da graça _“por sua natural e serena sinceridade, sua digna simplicidade, seu distinto porte cristão; e ainda pela retidão do espírito, sem dissipação, e pela fina compostura com que se apresenta, veste e adorna, mostrando-se ao mesmo tempo reservada e amável. Sentimentos delicados, agradáveis expressões do rosto, silêncio e sorriso sem malícia e um condescendente sinal de cabeça: tudo isso lhe dá a beleza de uma flor rara mas simples que, ao desabrochar, se abre para receber e refletir as cores do sol”_ (Papa Pio XII).

A Mãe de Deus eleva os clamores de seus filhos até o Criador. Esta intermediação de Maria tem como objetivo principal fazer a ponte entre os homens e Deus na pessoa de Jesus Cristo.

Assim, ela não hesita em interceder aos servidores para que eles fizessem tudo que seu Filho lhe dissesse (cf. Jo 2, 5), mostrando sua característica de Mãe do Criador e de todos os seus filhos.


*Filósofo e Escritor
E-mail: joacirsoares@hotmail.com

Revisado por Editor do Webartigos.com