Adriano Mussunga Mendes
Graduado em Psicologia em 2005, pela Universidade Agostinho Neto de Angola, No Centro universitário de Benguela (CUB) em Ciências de Educação.
Psicopedagogo Institucional pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo/ UNASP ? Campus 2 Engenheiro Coelho.
Docente do II Ciclo Ensino Médio, Escola de Formação de Professores em Benguela-Angola desde 1997.
mussungamendes@gmail.com

Resumo: Esse artigo trata da influência exercida pela relação escola/comunidade na aprendizagem dos alunos da escola Primária Comandante Kassnje no bairro 27 de Março em Benguela ? Angola. Tem como objectivo apresentar as formas para um elo eficaz entre a comunidade e a escola primária comandante Kassanje, para influência positiva ao processo de ensino/aprendizagem, que se evidenciam nas funções da família e da escola. Aborda a necessidade de os pais/encarregados de educação acompanharem os seus filhos através do contacto permanente com a escola, satisfazendo as suas necessidades para uma aprendizagem sadia. Discorre também sobre a atuação do professor como mediador da relação escola/comunidade, tendo como centro das atenções o aluno, mostrando a extrema importância que esta representa para minimizar as dificulddades escolares. A pesquisa se caracteriza enquanto qualitativa e quantitativa a partir de levantamento bibliográfico e análise de pesquisa de campo com alunos, professores e pais/encarregados, a fim de mensurar o conhecimento destes sobre o assunto trabalhado.

Palavras-chave: família, criança, relação comunidade ? escola, professor, aprendizagem.

Introdução

O trabalho apresenta os resultados da pesquisa realizada na escola primária Comandante Kassanje e, teve como ponto de partida a seguinte questão: Qual é a influência exercida pela relação escola/comunidade na aprendizagem dos alunos da escola primária Comandante Kassanje no bairro 27 de Março em Benguela-Angola? Para responder a este pressuposto, cujo objectivo foi analisar a sua influência sobre os alunos no processo ensino/aprendizagem e apresentar as formas para um elo eficaz entre a comunidade e a escola, abordamos neste artigo os aspectos relativos a interação escola/comunidade, as exigências, responsabilidades que se devem ter com o educando tanto por parte da escola (professor) como da comunidade (família). A escolha do tema deveu-se ao fraco aproveitamento dos alunos da escola em epígrafe, fruto da fraca colaboração comunidade/escola no processo ensino/aprendizagem. Estevão (2003) afirma que a participação dos pais na escola não deve ser vista como sendo debilidade, último recurso a ser utilizado quando as coisas não andam bem (mau comportamento ou notas baixas dos alunos). A interação deve ser encarada como sendo uma possibilidade de enriquecimento mútuo e de ampliação do espaço democrático na escola.
Constatou-se que existe realmente contacto permanente escola/comunidade, ou seja, verifica-se acompanhamento dos educandos pelos pais, mas não há satisfação das necessidades destes por causa das condições sócioeconomicas precárias das famílias para um sucesso escolar.