ANDREA JAMARIQUELLI CASTILHO SANGUANINI

ANDRIANO SANGUANI

TEMA: GESTÃO FINANCEIRA: POUPAR INICIA- SE NA FAMÍLIA. 

RESUMO

Este artigo tem como objetivo refletir sobre o papel da família na gestão financeira familiar, pois, muitos pais ainda acreditam que dinheiro não é assunto de criança. Que elas devem se preocupar com os estudos, e que estes, as farão adultos bem sucedidos com um bom emprego e isso basta. Educação financeira não significa ensinar seu filho a economizar, mas sim aprender corretamente o manejo do dinheiro em busca de uma vida melhor.  Nesse sentido, ao ensinar uma criança a lidar com dinheiro desde pequena, quando adulta terá maiores chances de aprender a administrar o seu salário e sua vida, vai saber economizar, cooperar, e a guardar para ter um futuro melhor. Pois poupar não quer dizer parar de comprar, deixando de fazer as coisas legais que isso proporciona, pelo contrário significa aprender a planejar, aprender a escolher, aprender a priorizar. Dessa forma, ter a possibilidade de realizar suas conquistas, cada vez mais. 

Palavras chaves: Educação financeira.  Infância. Poupança.                                          

Introdução                    

Após ter contato com a Educação financeira às crianças mudam seu comportamento percebe - se com facilidade como ficam mais cuidadosas com seus brinquedos, suas roupas e seu dinheiro. Neste sentido a educação financeira pode ajudar as crianças a compreenderem o valor do dinheiro e ensiná-las a gerir orçamentos, cooperar e a poupar. Todas passam a adotar cofrinhos, ficam atentas aos preços das coisas, muitas abandonam ou reduzem o hábito de colecionar figurinhas e preencher álbuns, preocupam - se mais com a natureza e combatem mais desperdícios como a água, energia e alimentos, demonstram maior maturidade e consciência com a importância da poupança para o seu futuro (MODERNELL. 2009. Apud Pereira et al).

Decisões relacionadas à educação das crianças estão totalmente ligadas ao futuro das mesmas, e por isso, a preocupação dos pais deve ser redobrada. “Assim como ocorre no campo das finanças, escolhas ruins na educação mostrarão seus efeitos apenas no futuro” (CERBASI. 2006 p. 31).

O dinheiro também faz parte da vida das pessoas desde o momento em que nascem e é essencial que aprendem a conviver com ele equilibradamente. Modernell (2011) conceitua como ensinar a viver dentro do seu padrão econômico, eliminando desperdícios, aproveitando oportunidades, valorizando o próprio patrimônio, gerando rendas e focando no crescimento do patrimônio líquido familiar, para que o padrão se eleve num ciclo virtuoso, dentro das suas expectativas e possibilidades, até atingir a independência financeira. Há quem pense que a busca por educação financeira se confunde com uma acelerada corrida atrás de riqueza e fortuna. Atrás do primeiro milhão e dos milhões seguintes. Isso é um dos claros sinais da falta de educação financeira. Educação financeira é muito mais do que isso (MODERNELL, 2011). Para Hill (2009), educação financeira pode ser denominada como a habilidade que os indivíduos apresentam de fazer escolhas adequadas ao administrar suas finanças pessoais durante o ciclo de sua vida. Não nascem com essas habilidades, elas são oriundas ao ”modelo de dinheiro”.

Nesta perspectiva, este artigo é bibliográfico descritivo e elaborado a partir de artigos e livros publicados sobre o assunto, tendo como problema central averiguar qual a importância das finanças pessoais na educação das crianças no contexto familiar. O foco está em trazer o conceito de finanças na família, como cooperar, economizar e poupar em família e relacionar o mesmo com alternativas para melhorar o desempenho das finanças pessoais, na infância,  tendo como objetivo centrar  demonstrar a importância da educação financeira na infância. Sendo para tal desmembrado em dois objetivos específicos, sendo o primeiro descrever  os conceitos da educação financeira e poupança. E o segundo identificar como pode ser feita a educação financeira na infância.  A metodologia utilizada busca responder ao problema de pesquisa e atender aos objetivos propostos. Assim, quanto à abordagem a pesquisa é qualitativa, pois são utilizados artigos, publicados em revistas e, capítulos de livros, para dar alusão ao tema, sem uso da estatística para aferir resultados. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica considerando as contribuições de autores como Cerbasi (2011), Modernell (2011), Caldas (2008), Kioyosaki (2000), entre outros.

Assim, além desta introdução, segue nas próximas seções o referencial teórico com os temas educação financeira, educação financeira na infância, e sua relação com finanças pessoais, por fim as considerações finais. [...]