GERAÇÃO Z: UM BREVE CONCEITO SOBRE O ASSUNTO E OS DESAFIOS NA PREGAÇÃO DO EVANGELHO PARA ESTE PÚBLICO[1]

 

José Ferreira da Silva[2]

 

RESUMO

Este artigo apresenta uma breve abordagem sobre a Geração Z seus conceitos e desafios referentes ao alcance deste público na pregação do evangelho. Os desafios atuais da igreja referentes ao cumprimento da missão ressalta uma atenção especial sobre este grupo que apresentam peculiaridades que necessitam de investimento para o discipulado. Muitas vezes esquecidos ou não compreendidos, os componentes desta geração também precisam do poder e graça de Cristo e mesmo com inúmeras dificuldades que o impedem de simplesmente manter o foco ou interesse em assuntos religiosos, poucos líderes tem despertado quanto a importância desta valorosa geração. Foi utilizada a metodologia de pesquisa bibliográfica acrescentada de consultas a fontes que tratam deste assunto. Portanto, faz-se uma sequência de conceitos, características e desafios que podem ajudar à compreensão e alcance evangelístico desta geração.

Palavras-chave: Gerações. Compreensão. Desafio. Geração Z. Missão.

1 INTRODUÇÃO

            Quando Cristo instituiu a sua igreja através de seus discípulos temos a convicção que seria para atingir e abrigar todos os povos já que o seu ministério acolhedor foi uma comprovação desta afirmação. Segundo (WHITE, 2007, p. 13) todos nós também somos comissionados e ordenados a assumir o posto de mensageiros e levar o evangelho a nossa geração. Assim como os discípulos possuíam os gigantescos desafios daquela geração, hoje inseridos na pós modernidade temos a missão de conquistar uma classe muito especial que vem se modificando com o passar dos dias, carinhosamente chamada de geração Z.

            Acredita-se que necessitamos de estratégias diferentes para alcançar esta geração em específico, além de alcança-los de desenvolver também um ciclo de discipulado sucessivo. Alguns afirmam que não necessita-se de estratégias ou métodos, o problema está na pessoa em si, nesta geração corrompida segundo este pensamento. Se nos deixarmos ser influenciados pelos apóstolos perceberemos que, segundo (DE BARROS, 1999, p. 36) é muito provável que houve um surgimento seguido de desenvolvimento de estratégias para uma evangelização a nível mundial, enquanto a locomoção e disseminação da mensagem em tempo hábil era um grande desafio, em contrapartida hoje, meios de locomoção ou viralização de uma ideia não pode ser considerado como tal. Em cada época os desafio das gerações atuais se tornam os maiores, e assim, o é, considerado por aqueles que estão inseridos no contexto.

O que realmente é necessário para alcançar esta geração tão promissora se devidamente orientada? Segundo (TONETTI, 2017) com informações sobre os números atuais da igreja Adventista do sétimo dia, 29 pessoas se tornam Membros regulares a cada hora enquanto que 19 deixam a fé, na medida em que ganha-se um membro a cada dois minutos perde-se outro a cada três. Como alcançar esta geração conectada 24 horas com dependência virtual para todas as atividades? Estes e alguns outros são os nossos desafios modernos da pregação do evangelho.

            Portanto, é notório os desafios da pós modernidade na qual estamos inseridos, ao passo que, esta geração presente denominada de Z, necessita do evangelho para salvação. Através deste trabalho apresentaremos alguns conceitos, situações atuais, os desafios que temos hoje para tornar discípulos os inseridos neste século, especificamente da geração em questão. Expondo os desafios que nos cercam se tornaremos capazes de atender melhor este contingente para que possamos concluir a missão concedida à igreja por Cristo desde os Apóstolos.

2 DESENVOLVIMENTO

2.1 O que é a Geração Z e sua importância

            A geração Z vem a ser a quarta de um ciclo com pelo menos mais três anteriores, a Baby Boomers, geração X, geração Y, e por fim os nascidos a partir de 1993 aptos a receberem este título (KULLOCK, 2010). Alguns estudos apontam uma nova geração posterior a Z, denominada de geração Alpha, composta por pessoas nascidas a partir de 2010. De acordo com (SANTOS; DE SOUSA, 2014) é inimaginável o dia a dia destes sem o acesso à tecnologia, pois são rodeados de meios virtuais, chamados de “nativos virtuais”, o autor também afirma que esta geração pode estar marcando o início das gerações rápidas, pois, se antes desta a frequência de mudanças ocorriam por volta de 25 anos, com a chegada da geração Z, a frequência de mudança pode passar a chegar entre 10 a 15 anos, sendo altamente marcada por grandes transformações de grupos.

            É importante reconhecer que a faixa etária destinada a este grupo é a juventude atual e também a campeã de números quando o requisito é o abandono da fé, de certa forma é um público muito especial que muitas vezes é deixado de lado pelos líderes e pregadores do presente século. Ao recorrermos aos escritos de Ellen White encontramos o seu zelo e valorização por este grupo:

Tenho profundo interesse na juventude, e desejo grandemente vê-la lutando para aperfeiçoar o caráter cristão e procurando, pelo estudo diligente e fervorosa oração, adquirir o preparo necessário para o serviço aceitável na causa de Deus. Anelo vê-los ajudando-se uns aos outros a alcançar um plano mais elevado de experiência cristã (WHITE, 2004a, p. 22).

            Este grupo não é importante somente para o mercado de trabalho ou para o consumo atual, mas para a missão na fileiras de combate da igreja:

São necessários hoje obreiros desse caráter. Os que são valorosos à vista de Deus, e assim registrados nos livros dos Céus, são os que, como Daniel, cultivam cada faculdade de maneira a melhor representar o reino de Deus num mundo que permanece na impiedade. O progresso nos conhecimentos é essencial; pois, quando empregado na causa de Deus, o conhecimento é um poder para o bem. O mundo precisa de homens pensantes, homens de princípio e que cresçam constantemente no entendimento e no discernimento. A imprensa necessita de pessoas que o usem com a maior vantagem, a fim de que sejam dadas asas à verdade para fazê-la voar a toda nação, língua e povo. (WHITE, 2004b, p. 36).

            Ao passo em que a igreja precisa reconhecer a geração Z como de suma importância para o cumprimento da missão, necessita capacitar o corpo de membros mais experientes para os receberem e prepara-los doutrinariamente.

2.2 Os Desafios para Alcançar a Geração Z

            Reconhecendo a importância é necessário citar alguns desafios para o alcance desta juventude em especial. A página eletrônica da Revista EXAME publicou uma matéria em 2017 onde aponta a geração Z como a mais conectada de toda a era digital, como ponto positivo é uma geração que fuma menos, mas em contrapartida é um grupo que se destaca por ler menos, a matéria afirma que 100% dos membros desta faixa etária participam de alguma rede social, o que os deixa vulneráveis ao salto instantâneo do que chama-se “modinhas” na linguagem desta geração.

            De acordo com (FONSECA, 2017) toda esta conexão transforma esta geração em solitários e mais propensos a depressão, além de os permitirem ser menos ideológicos, mais tolerantes porém com grandes dificuldades de se definirem, possuindo um desejo forte de reinvenção por não se sentir pertencente a um grupo específico que condiz com seus anseios e medos. Todo este cenário de reinvenções pessoais abre um amplo espaço para definições de sexualidade, conceitos de gênero e relacionamentos casuais. É simples encontrarmos estes desafios presentes em alguma igreja, basta estar presente em uma. Torna-se notável durante um sermão a desatenção da juventude, a necessidade de olhar o aparelho celular, de verificar as redes sociais, a frieza em assuntos religiosos. O portal eletrônico Ultimato Jovem destinado a assuntos referentes ao grupo, publicou em sua página em fevereiro de 2018, que de acordo com pesquisas um terço dos pastores que cuidam de jovens afirmam que sua maior dificuldade é desconstruir tudo o que o mundo ensina a eles em suas mais variadas formas.

2.3 Como alcançar esta geração

            Aceitando a importância desta juventude a igreja precisa de meios para o alcance dos mesmos. Segundo (WHITE, 2004c, p. 36) precisamos usar de diversos e por que não todos os meios possíveis para levar a luz da verdade diante das pessoas, a escritora aconselha a utilizarmos da imprensa assim como de diversas formas de propaganda convidando assim ao trabalho. O engajamento missionário desta geração é uma das dificuldades que enfrentamos hoje. O Portal Eletrônico Criacionismo publicou uma matéria no ano de 2010 que ainda hoje é relevante, nesta afirmam que, é necessário e urgente utilizar-se dos meios eletrônicos com veracidade para produzir materiais, vídeos atrativos que possam alcançar a geração Z, sendo que esta é conectada constantemente.

            Rápido e objetivo deve ser o lema da evangelização a este grupo que tende a mudar constantemente, sendo que os princípios bíblicos não podem ser deixados de lado. Esta geração tem a força da globalização pulsando em seu dia a dia e tudo isso precisa ser usado com cautela e sabedoria não somente para alcança-los, mas também para usá-los como ferramenta para o cumprimento da missão.

3 CONCLUSÃO

            A geração Z consiste em nossa juventude atual e em suma, de acordo com a pesquisa apresentada neste trabalho são jovens que saltam de moda em moda, não conseguem se firmar em uma ideia especifica, são em sua maioria geralmente manipulados pela pressão de grupo embora tenham um forte senso crítico aos mais variados temas. Por outro lado são revolucionários em sua carreira profissional embora não respeitem facilmente a autoridade da hierarquia estabelecida, segundo (AMARO, 2017), o mercado de trabalho assim como o mundo religioso necessita inseri-los em seus planejamentos.

            Este grupo tem forte anseio pela descoberta de coisas novas, porém não se firmam facilmente em doutrinas religiosas, algumas das práticas mais comuns desta geração não animam muito os lideres conservadores das igrejas, enquanto que os lideres liberais pouco se preocupam em sua maioria aperfeiçoar os talentos em Cristo para atribui-los à missão. Bombardeados pela ideologia de gênero, as opções de sexualidade, o sexo e relacionamentos casuais, o consumo desenfreado de álcool e outras drogas licitas e ilícitas e a necessidade de estarem conectados misturado a frieza aparente para assuntos religiosos, estes são os maiores desafios da igreja para alcançar esta geração.

            Portanto, precisa-se de meios sem ferir os princípios bíblicos, capazes de influenciar esta geração ao evangelho. Métodos que expressem seus pensamentos e vitória sobre os anseios e medos. Torna-se essencial utilizar de suas maiores fraquezas, as redes sociais e a conexão virtual, e transformá-la na maior ferramenta de evangelização contextualizando a mensagem ao público.

GENERATION Z: A BRIEF CONCEPT ON THE SUBJECT BRIEF AND THE

CHALLENGES OF GOSPEL PREACHING TO THIS PUBLISH

ABSTRACT

 

This article presents a brief approach on Generation Z its concepts and challenges regarding the reach of this audience in the preaching of the gospel. The current challenges of the church regarding the fulfillment of the mission highlight a special attention to this group that presents peculiarities that require investment for discipleship. Often forgotten or misunderstood, the components of this generation also need the power and grace of Christ, and even with innumerable difficulties that prevent it from simply maintaining focus or interest in religious matters, few leaders have awakened to the importance of this valiant generation. We used the methodology of bibliographic research added from queries to sources that deal with this subject. Therefore, a sequence of concepts, characteristics and challenges are made that can help the understanding and evangelistic reach of this generation.

Keywords: Generations. Understanding. Challenge. Generation Z. Mission.

 

REFERÊNCIAS

AMARO, Mariana. Geração z chega ao mercado de trabalho. [2017]. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/negocios/geracao-z-chega-ao-mercado-de-trabalho/>. Acesso em: 28 de abril 2018.

CRIACIONISMO. Disponível em: <http://www.criacionismo.com.br/2010/09/como-alcancar-geracao-z.html>. Acesso em: 26 de abril 2018.

DE BARROS, Aramis C. Doze homens e uma missão. Curitiba: Editora luz e vida, 1999.

EXAME. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/marketing/geracao-z-e-mais-conectada-fuma-menos-e-le-pouco-diz-pesquisa/>. Acesso em: 26 de abril 2018.

FONSECA, Joel. Conectados e solitários: a geração z. [2017]. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/economia/conectados-e-solitarios-a-geracao-z/>. Acesso em: 26 de abril 2018.

KULLOCK, E. Porque as gerações estão no nosso foco? [2010]. Disponível em: . Acesso em: 26 abril 2015.

SANTOS, Kellen; DE SOUSA, Telmo Farias. Um caminho para compreender a aprendizagem da geração z. [2014]. Disponível em: <https://www.webartigos.com/artigos/um-caminho-para-compreender-a-aprendizagem-da-geracao-z/119793>. Acesso em: 26 abril 2018.

TONETTI, Márcio. Ganhos e perdas. Revista Adventista, 11 mai. 2017. Disponível em: <http://www.revistaadventista.com.br/blog/2017/05/11/ganhos-e-perdas-2/>. Acesso em: 28 abr. 2018.

ULTIMATO, Jovem. Disponível em: <http://ultimato.com.br/sites/jovem/2018/02/07/adolescentes-da-geracao-z-e-os-desafios-da-igreja-mais-cristaos-nominais-ateus-e-lgbts/>. Acesso em: 26 de abril 2018.

WHITE, Ellen G. Mensagens aos jovens. Tatuí: Casa publicadora brasileira, 2004a.

WHITE, Ellen G. Mensagens aos jovens. Tatuí: Casa publicadora brasileira, 2004b.

WHITE, Ellen G. Testemunhos para a igreja. v. 6. Tatuí: Casa publicadora brasileira, 2004c.

WHITE, Ellen G. Evangelismo. Tatuí: Casa publicadora brasileira, 2007.

 

[1] Artigo apresentado à disciplina Metodologia da Pesquisa Científica para obtenção de nota parcial pela Faculdade Adventista da Amazônia, sob orientação do Prof. Dr. Agenilton Corrêa. [email protected]

[2] Graduando do 1º ano do curso Bacharelado em Teologia pela Faculdade Adventista da Amazônia. [email protected]