ESTUDO DO USO DA INFORMÁTICA COMO METODOLOGIA NO ENSINO DA MATEMÁTICA DE 5ª A 8ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL

 

Claudia Maria Christ

 

O presente artigo é parte integrante dos referenciais teóricos do Trabalho de Conclusão de Curso em Informática na Educação realizado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Objetivando o estudo teórico e estatístico da utilização do laboratório de informática na escola especificamente nas aulas de Matemática com alunos de 5ª a 8ª série, e propondo que o laboratório de informática da escola seja utilizado nas aulas de Matemática não como uma prática de ensino eventual, mas como uma metodologia de ensino, capaz de permitir a criação de novas estratégias para a solução de problemas.

 

Palavras chave: Matemática, Laboratório de informática, Informática na Educação, Metodologia de Ensino de Matemática.

 

Tecnologias na educação

 

A inovação tecnológica está presente no cotidiano social de modo mais freqüente a cada dia que passa, seja nos meios de comunicação, no ambiente de trabalho e na convivência em sociedade, deste modo, a escola não pode ser mais vista como um ambiente tradicional de aprendizagem, somente com a presença de livros, cadernos e quadros, mas deve em seu cotidiano escolar propiciar aos alunos o contato com o mundo atual, levando-o a conhecer e a reconhecer aspectos do cotidiano social na sua vida escolar. Moran (1995) ao se referir sobre as Tecnologias na Educação diz que:

 

As tecnologias tanto servem para reforçar uma visão conservadora, individualista como uma visão progressista. A pessoa autoritária utilizará o computador para reforçar ainda mais o seu controle sobre os outros. Por outro lado, uma mente aberta, interativa, participativa encontrará nas tecnologias ferramentas maravilhosas de ampliar a interação. (MORAN, 1995, p. 5)

 

Desta forma a inclusão da informática no espaço escolar é mais um grande desafio a ser enfrentado pelos educadores. Não se trata de apenas utilizar o computador para fins de apoio escolar em pesquisas ou de momentos de diversão, mas servir de instrumento de auxílio para preparar os alunos a enfrentar a sociedade informatizada e altamente tecnológica. Segundo Kenski (2005):

 

As tecnologias mais amplamente utilizadas - como o livro, os vídeos e a televisão - são recursos que ampliam o espaço da sala de aula, mas que não dispensam a

 

realização de planejamentos. A simples apresentação de um filme ou programa de televisão – sem nenhum tipo de trabalho pedagógico anterior ou posterior à ação - desloca professores e alunos para uma forma receptiva e pouco ativa de educação.(KENSKI, 2005, p.2)

 

Visando a inclusão da informática no ensino foi instituído o Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo). Este é um programa educacional criado pela Portaria nº 522/MEC, de 9 de abril de 1997, para promover o uso pedagógico das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) na rede pública de ensino fundamental e médio. Tal programa foi desenvolvido pela Secretaria de Educação a Distância (SEED), por meio do Departamento de Infra-Estrutura Tecnológica (DITEC), em parceria com as Secretarias de Educação Estaduais e Municipais. Atualmente o ProInfo é gerenciado pela Secretaria de Educação Básica (SEB) já que a SEED deixou de existir no ano de 2011.

 

Metodologias de ensino na matemática

 

Para que o professor tenha êxito no processo de ensinar-aprender é necessário que o mesmo utilize metodologias de ensino adequadas às características de seus alunos. O conjunto metodologia de ensino pode ser definido como um método, modo, jeito de ensinar que o professor propõe em seu planejamento docente. Conforme afirmam FIORENTINI e  MIORIM (1996),

 

O professor não pode subjugar sua metodologia de ensino a algum tipo de material porque ele é atraente ou lúdico. Nenhum material é válido por si só. Os materiais e seu emprego sempre devem estar em segundo plano. A simples introdução de jogos ou atividades no ensino da Matemática não garante uma melhor aprendizagem desta disciplina. (FIORENTINI e MIORIN, 1996, p.9).

 

Podemos citar como algumas das metodologias no ensino de matemática o uso de material concreto, o jogo didático, resolução de problemas, Investigações Matemáticas, História da Matemática, Modelagem Matemática, livro didático, projetos de ensino, e outras.

 

Relações entre informática e Matemática

 

A Matemática faz parte da vida cotidiana dos seres humanos, todos os dias se está envolto de números e cálculos, que muitas vezes passam despercebidos.

 

O computador pode exercer uma função de ajuda, nos momentos de reflexão, nos quais ele “[...] vai ajudar a pensar, ou seja, pensa-se com o computador e pensa-se sobre o pensar e sobre o aprender” (ALMEIDA, 2000, p. 115).

 

Desta maneira, não podemos deixar de lado a incorporação da informática nas aulas de Matemática, seja como ferramenta auxiliar, ou ainda como um método ensino, pois existem softwares que podem facilitar o aprendizado de conteúdos matemáticos e a desenvolver capacidades de análise crítica e criação, fundamentais nos contextos atuais de desenvolvimento humano e social. Miskulin, que acredita que:

 

[...] a Matemática deve ser mediada, não simplesmente por modelos obsoletos, que não contribuem de modo significativo para o desenvolvimento e transformação do indivíduo, mas por metodologias alternativas em que o ser em formação vivencie novos processos educacionais, que façam sentido e tenham relação com a sua integração na sociedade. [...] Assim sendo, o saber matemático deve ser vivenciado no contexto tecnológico, se assim não for, infere-se que a exploração, pelos alunos, das possibilidades inerentes ao desenvolvimento científico e tecnológico que perpassam a sociedade estará cada vez mais restrita (MISKULIN, 1999, p.189).

 

 

Conclusão

 

O uso da informática como metodologia de ensino na disciplina de Matemática é uma possibilidade pouco usada, mas já difundida entre as escolas e educadores, no entanto, podemos constatar que ainda existem muitas ilusões a cerca da informática na educação.

A informática é uma ferramenta que sem dúvida, deve ser explorada pelas escolas, partindo da inclusão dos alunos na educação infantil até o ensino médio sempre possuindo um questionamento permanente a cerca do fazer pedagógico e metodológico que circunda o ato de ensinar-aprender, para tanto, devemos ser coerentes e criteriosos na análise dos programas, textos, jogos, vídeos, áudios, simulações que iremos, na nossa tarefa de educadores e/ou monitores, utilizar com os nossos alunos.

 

Referências

 

ALMEIDA, M.E.B. Informática e Formação de Professores. Coleção Informática para a mudança na Educação. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2000.

FIORENTINI, Dário, MIORIM, Maria A. Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no ensino da Matemática. Boletim SBEM, São Paulo, v.4, n.7, p.4-9, 1996.

KENSKI, Vani. Das salas de aula aos ambientes virtuais de aprendizagem. Relatório de pesquisa. 2005. Disponível em http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/030tcc5.pdf. Acessado em 01/05/2012.

MISKULIN, R.G.S., Concepções Teórico-Metodológicas sobre a Introdução e a Utilização de Computadores no Processo Ensino/Aprendizagem da Geometria. Dissertação (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 1999.

MORAN, J. M. Novas tecnologias e o re-encantamento do mundo. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, n.126, vol. 23, setembro-outubro 1995. Disponível em:

<http://www.eca.usp.br/prof/moran/novtec.htm>. Acesso em: 07/05/2012.