Fabiane de Paris Dutra

Professora de Arte, email: fabipdutra@hotmail.com

RESUMO

A escultura, é a arte de transformar matéria bruta em formas espaciais em terceira dimensão com significado. Quando se diz “formas espaciais”, quer dizer formas em três dimensões, isto é, com altura, largura e profundidade. A escultura na escola ou fora dela é uma das expressões que mais estabelecem interação com o público. Em trabalhos com escultura, com as crianças, o mediador, professor, possibilita uma gama de possibilidades artísticas, visando o conhecer e reconhecer material artístico referente ao processo ensino-aprendizagem na sala de aula. O ato de trabalhar, moldar ou talhar o material em escultura, os estudantes, devem ser estimulados a ultrapassem o senso comum, e também adquiram posicionamentos mais críticos, perante o envolvimento apreciar, conhecer e fazer nas aulas de arte. Considerando que as atividades artísticas praticadas em aulas de arte levem o mundo da arte para os estudantes, este desempenha uma função importante na constituição de sentimentos e pontos de vista estéticos, desde que com variações entre teoria e prática. Deve-se propor exercícios ou atividades práticas e teóricas observando uma sintonia com o desenvolvimento das capacidades e habilidades artísticas e estéticas que vão ser trabalhadas organizando exercícios e atividades como busca de soluções para problemas de arte, pensando a partir da realidade dos alunos.

Palavras-chave: Escultura. Arte. Estudantes. Atividades.

INTRODUÇÃO

O artigo quer mostrar a importância do trabalho realizado de esculturas nas aulas de arte, e sua importância no desenvolvimento, desde o conhecer, experimentar e fruir da criança. Em um pensamento, focado na imaginação, percepção, sensibilidade e o aprendizado da criança utilizando seu aprender e poder criador, desta linguagem artística. A arte tem grande importância na educação escolar e tem função essencial na vida das pessoas em todas as civilizações, tornando-se um elemento rico na existência humana. “Cada um de nós, combinando percepção, imaginação, repertório cultural e histórico, lê o mundo e o reapresenta à sua maneira, sob o seu ponto de vista, utilizando formas, cores, sons, movimentos, ritmo, cenário...” (MARTINS, M. et al, 1998, p.57).

O mundo é tridimensional, concretamente vivemos em um mundo tridimensional. Qualquer objeto real, concreto e pequeno, que pode ser pego e girado em nossas mãos. Assim é na mente humana que o mundo tridimensional ganha o seu significado. Em um contexto social a criança precisa de mecanismos de interação com o mundo, podendo o professor, ser condutor, mediador do crescimento e desenvolvimento na linguagem artística, através da escultura essa interação pode se tornar real, alinhando conhecer, experimentar e imaginar, a experiência em arte.