DIDÁTICA NO ENSINO DE HISTÓRIA: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA DE OBSERVAÇÃO E ENTREVISTA EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL MUNICÍPIO DE TABATINGA/AM

 

 

                                                                                          Joaõ Juvito Campos[1]

[email protected]

 

Resumo

 

A didática é essencial no ensino de História, pois não apenas apresenta os conteúdos, mas também desenvolve o pensamento crítico e a análise histórica dos alunos. Ela promove uma visão ampla da sociedade, relacionando passado, presente e futuro, e desperta o interesse dos estudantes, tornando o aprendizado mais significativo. Também inclui neste trabalho o relatório da experiência e tem como objetivo analisar as práticas e perspectivas do ensino de história na turma do 4º ano do I Ciclo do Ensino Fundamental pública na Escola Municipal Indígena “Â’egacü Decatücü”, no Município de Tabatinga/AM. O objetivo geral desta pesquisa consiste em analisar a importância da didática no ensino de História, investigando suas contribuições para o desenvolvimento do pensamento crítico, da consciência histórica e do interesse dos alunos pela disciplina. Por fim, destacou-se que por meio de estratégias pedagógicas, ela não só transmite informações históricas, mas também estimula a reflexão e análise do passado, desenvolvendo o pensamento crítico e a consciência histórica. Além disso, a didática ajuda a compreender as relações entre passado, presente e futuro, promovendo uma visão mais ampla da sociedade. Valorizar a didática na prática pedagógica é essencial para tornar o aprendizado mais significativo e estimulante, contribuindo para formar cidadãos críticos e conscientes.

 

 

Palavras-chave: Didática. Ensino de História. Estratégias Pedagógicas. Consciência Histórica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Introdução

 

A didática desempenha um papel fundamental no ensino de História, pois é por meio dela que os conteúdos históricos são apresentados, discutidos e compreendidos pelos estudantes. Através de estratégias pedagógicas adequadas, a didática possibilita não apenas

a transmissão de informações, mas também o desenvolvimento do pensamento crítico, da capacidade de análise e interpretação dos acontecimentos passados, e da formação de uma consciência histórica nos alunos (GUIMARÃES, 2014).

Além disso, a didática no ensino de História contribui para a construção de uma visão mais ampla e crítica da sociedade, ao promover o entendimento das relações entre passado, presente e futuro. Ela também ajuda a despertar o interesse dos estudantes pela disciplina, tornando o aprendizado mais significativo e estimulante (DE LIMA et al., 2013).

Isto posto, indaga-se: Como a aplicação da didática no ensino de História contribui para o desenvolvimento do pensamento crítico, da consciência histórica e do interesse dos alunos pela disciplina?

Assim, o objetivo geral desta pesquisa consiste em analisar a importância da didática no ensino de História, investigando suas contribuições para o desenvolvimento do pensamento crítico, da consciência histórica e do interesse dos alunos pela disciplina. Para tanto, os objetivos específicos consistem em: (i) apresentar os conceitos relacionados a didática; (ii) discorrer sobre a importância da didática no ensino de História.

O desenvolvimento desta pesquisa se justifica pela sua relevância acadêmica e prática. Academicamente, o estudo amplia o conhecimento sobre a educação histórica, área fundamental para a formação de professores e o desenvolvimento da pedagogia histórica. Além disso, contribui para a formação inicial e continuada de docentes, fornecendo subsídios para aprimorar suas práticas pedagógicas. Parte superior do formulário

Na prática educacional, a pesquisa pode beneficiar diretamente os alunos, ao identificar estratégias que tornem o aprendizado da História mais significativo e estimulante, promovendo o desenvolvimento de uma consciência histórica crítica e reflexiva. No contexto atual da educação, marcado por transformações como a diversidade cultural e o uso das tecnologias digitais, é crucial investigar como a didática pode se adaptar e responder aos desafios contemporâneos, promovendo uma educação mais inclusiva e democrática.

 

 

 

Referencial teórico

 

A didática é um campo de estudo que se dedica à investigação e ao desenvolvimento de métodos, técnicas e recursos que visam facilitar o processo de ensino e aprendizagem. Ela se fundamenta na teoria pedagógica e está intrinsecamente ligada ao planejamento, à organização e à execução de atividades educativas, com o objetivo principal de tornar o ensino mais eficiente e significativo para os alunos (GUIMARÃES, 2014).

“Essa disciplina busca compreender como ocorre a aprendizagem e como os conhecimentos podem ser transmitidos da melhor forma possível, levando em consideração as características individuais dos estudantes e os contextos educacionais. Assim, a didática abrange desde a seleção de conteúdos relevantes até a escolha de estratégias pedagógicas adequadas, o uso de recursos didáticos variados e a avaliação do processo de ensino e aprendizagem” (CERRI, 2017).

Desse modo, Cerri (2017) destaca em seus estudos que a didática não se limita apenas à transmissão de conhecimentos, mas busca compreender como as pessoas aprendem e como os conhecimentos podem ser transmitidos da melhor forma possível. Para isso, a didática envolve uma série de elementos inter-relacionados, tais como a seleção de conteúdos relevantes, a escolha de estratégias pedagógicas adequadas, o uso de recursos didáticos variados e a avaliação constante do processo de ensino e aprendizagem.

De acordo com Guimarães (2014), a seleção de conteúdos relevantes é fundamental para o sucesso do processo educativo, pois é a partir dessa seleção que se estabelece o foco e a direção do ensino. A escolha de estratégias pedagógicas adequadas também desempenha um papel crucial, pois cada aluno possui características e necessidades diferentes, sendo necessário adaptar o ensino às especificidades de cada grupo ou indivíduo. O uso de recursos didáticos variados, como livros, vídeos, jogos educativos e tecnologias digitais, pode tornar o processo de ensino mais dinâmico e interessante, favorecendo a aprendizagem.

Assim, a avaliação do processo de ensino e aprendizagem é essencial para verificar se os objetivos educacionais foram alcançados e para identificar possíveis ajustes que precisam ser feitos. Nesse sentido, a didática se apresenta como uma ferramenta fundamental para garantir a eficácia do ensino, contribuindo para o desenvolvimento integral dos alunos e para a formação de cidadãos críticos e conscientes (GUIMARÃES, 2014).

Isto posto, a didática no ensino de História desempenha um papel essencial na transmissão eficaz dos conteúdos históricos aos alunos. Através de uma abordagem pedagógica cuidadosamente planejada, os professores podem selecionar e apresentar os temas históricos de forma coerente e compreensível, tornando o aprendizado mais acessível e envolvente para os estudantes (SCHMIDT, 2017).

Além disso, a didática possibilita o desenvolvimento do pensamento crítico nos alunos, incentivando-os a questionar, analisar e interpretar os eventos do passado de maneira reflexiva e fundamentada. Ao apresentar diferentes perspectivas históricas, estimular o debate e a análise de fontes primárias, a didática ajuda os alunos a desenvolver habilidades de análise e interpretação que são essenciais para uma compreensão mais profunda e contextualizada da História (SCHMIDT, 2017).

Por meio da didática, os alunos são estimulados a refletir sobre os eventos históricos, a questionar suas causas e consequências, e a avaliar criticamente as diferentes interpretações que podem ser feitas sobre determinados acontecimentos.

 “Dessa forma, a didática não apenas transmite conhecimentos históricos, mas também promove a formação de indivíduos críticos e conscientes, capazes de compreender a complexidade do mundo em que vivem e de tomar decisões fundamentadas com base em conhecimentos históricos sólidos” (GUIMARÃES, 2014).

Outro aspecto importante é a promoção da consciência histórica por meio da didática. Ao contextualizar os acontecimentos históricos e relacioná-los com o presente, os professores podem ajudar os alunos a entender a relevância e as implicações do estudo da História em suas vidas e na sociedade em que vivem. Isso contribui para formar cidadãos mais conscientes, críticos e engajados, capazes de compreender o mundo ao seu redor e de participar ativamente na construção do conhecimento histórico. Além disso, a didática no ensino de História também pode influenciar o interesse dos alunos pela disciplina. Ao utilizar estratégias pedagógicas diversificadas, como recursos audiovisuais, atividades práticas, projetos de pesquisa e visitas a museus, os professores podem tornar o estudo da História mais dinâmico e atrativo, estimulando a curiosidade e o engajamento dos alunos com o conteúdo.

Metodologia

 

A classificação metodológica deste artigo segue o que preconiza Kruger (2023) em sua abordagem. A pesquisa é classificada como exploratória-descritiva, pois busca investigar a importância da didática no ensino de História de forma a explorar e descrever as contribuições dessa área para o desenvolvimento do pensamento crítico, da consciência histórica e do interesse dos alunos pela disciplina. A natureza da pesquisa é aplicada, uma vez que busca gerar conhecimentos que possam ser aplicados diretamente na prática educacional, contribuindo para a melhoria do ensino de História.

O enfoque ou abordagem metodológica adotado é qualitativo, pois busca compreender e interpretar os fenômenos relacionados à importância da didática no ensino de História a partir da perspectiva dos professores e dos alunos. A pesquisa utilizará estratégias de pesquisa como pesquisa bibliográfica, estudo de caso e levantamento (survey) para coletar dados que possam fundamentar suas análises e conclusões.

Os dados utilizados neste estudo foram coletados por meio de um levantamento bibliográfico que incluiu a busca e análise de fontes secundárias disponíveis em plataformas acadêmicas renomadas, como o Google Acadêmico e o Scielo. A pesquisa bibliográfica foi realizada de forma criteriosa, utilizando termos e palavras-chave relevantes para o tema em questão, a fim de garantir a abrangência e a representatividade dos dados coletados. A escolha por fontes secundárias se deu pela necessidade de explorar e analisar o conhecimento acumulado sobre o assunto, contribuindo para uma fundamentação teórica sólida e embasada. Ademais, a utilização dessas plataformas digitais possibilitou o acesso a uma ampla gama de publicações científicas e acadêmicas, enriquecendo assim o embasamento teórico deste estudo.

Ainda, sublinha-se que o tratamento dos dados será realizado a partir da Análise de Conteúdo, seguindo a metodologia proposta por Bardin (2016), que permite uma análise detalhada e sistemática dos dados coletados, identificando padrões, categorias e temas relevantes para a pesquisa, como entrevista e observação. O horizonte temporal da pesquisa será transversal, com um recorte no tempo em 2024, permitindo assim uma análise contextualizada das práticas didáticas no ensino de História neste período numa escola localizada na zona rural do municipio.

 

Relato da experiência         

            Ao começar o trabalho de entrevista e observação, fiz uma pergunta para obtenção da resposta do professor atuante na sala de aula.

a)Qual é a metodologia e a didática adotada para que os alunos compreendam e interpretam os assuntos de História, sendo que uma disciplina que requer uma preparação para a aplicação do conteúdo programatico por parte dos docentes?

 

            Meu nome é Manoel Cândido Cordeiro, 48 anos, professor efetivo da SEMED/TBT/AM, Graduado em História e Geografia. R: Como professor de História é realmente necessário que um professor seleciona os conteúdos  a ser ministrada na sala de aula, mas antes de tudo isso, primeiramente fazer uma diagnostica para obter informações sobre o nivel de aprendizagem dos alunos para eles consigam acompanhar aleatoriamente os assuntos abordados. Então, a apartir daí, faz-se a eleboração do plano de aula, seguindo as orientações do curriculo da escola e, ainda o BNCC e RCA para que os planejamentos de aulas sejam flexiveis. Essa técnica de ensino traz uma inovação para que as aulas sejam dinamizadas, onde os alunos consigam aprender com facilidade a compreensão e interpretação dos textos relacionados à esssa disciplina.

Diante dessa prática, concluí-se que é fundamental a participação que abrange os professores, os alunos e a comunidade escolar para o melhor resultado na formação dos alunos. A participação de todos da sala, envolvendo temas comuns entre os alunos é um dos maiores incentivos para a aprendizagem com significado.

Os pontos positivos de todo o nosso percurso se dá principalmente sobre a nossa conscientização e reconhecimento de ser um professor dessa disciplina. Essa disciplina nos ensinou muito sobre a importância de andarmos juntos uns com os outros, de forma que dentro da sala de aula nós, como educadores tenhamos a preocupação de estimularmos os alunos na participação coletiva.

Os pontos negativos se dão pelo fato de que muito ainda não tem interesse nem ideia da necessidade de mudança. O trabalho educacional é muito cansativo e apesar disso, os professores sentem muita dificuldade em fazer com que os alunos haja com respeito, pois muitas vezes, o professor precisa lidar com o mau comportamento por parte dos estudantes.

 Por isso, é importante ressaltar como é essencial a relação dos pais com professores e gestão, para que seja possível articular a educação escolar com a doméstica, e a partir disso, com a ajuda dos pais, o professor achar soluções para enfrentar essa barreira, afinal em muitos momentos das aulas foi necessário o pedido de silêncio, e intervenções para ensinar sobre respeitar a fala do outro.

Para se tornar ser um docente dessa area primeiramente se empenhar e fizer um aprofundamento teorico para que o mesmo seja compreensivel e interpretativo e valorizando o seu trabalho e requer a participação um do outro. Aprendemos muito sobre regência e a preparação do professor antes e durante as aulas, sem esquecer-se da postura que se deve ter diante de uma sala de aula. O caminho continua sendo construído e não podemos deixar para trás o que aprendemos na nossa profissão.

 

Considerações finais

 

Destaca-se a importância da didática no ensino de História como um elemento essencial para a formação de alunos críticos e conscientes. Através de estratégias pedagógicas adequadas, a didática não apenas transmite informações históricas, mas também estimula a reflexão e a análise dos acontecimentos passados, contribuindo para o desenvolvimento do pensamento crítico e da consciência histórica dos estudantes.

Além disso, a didática no ensino de História desempenha um papel fundamental na construção de uma visão mais ampla e crítica da sociedade, ao promover o entendimento das relações entre passado, presente e futuro. Ela também ajuda a despertar o interesse dos estudantes pela disciplina, tornando o aprendizado mais significativo e estimulante.

Portanto, é essencial que os professores de História valorizem a didática em sua prática pedagógica, buscando constantemente aprimorar suas estratégias de ensino e tornar as aulas mais dinâmicas e envolventes. Dessa forma, poderão contribuir de forma significativa para a formação de cidadãos críticos, conscientes e engajados com o conhecimento histórico e com a sociedade em que vivem.

 

 

 

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

CERRI, Luis Fernando. Um lugar na história para a didática da história. História & Ensino, v. 23, n. 1, p. 11-30, 2017.DE LIMA, Thais Nivia et al. História & ensino de História. Autêntica, 2013.

 

GUIMARÃES, Selva. Didática e prática de ensino de História. Papirus Editora, 2014.

 

KRUGER, J. M. Metodologia da Pesquisa em Administração: em linguagem descomplicada. Curitiba: Editora Bagai, 2023.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Jörn Rüsen e sua contribuição para a didática da história. Intelligere, v. 3, n. 2, p. 60-76, 2017.

 

 

[1] Graduado em Normal Superior /UEA, Licenciatura de História e Geografia /OGPTB-UEA, Especialista em Psicopedagogia Institucional/UFAM, Gestão Práticas Pedagógicas e Mestrando em Educação/FUNIBER.