DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS NO ÂMBITO DE EDUCAÇÃO ESCOLAR

UM OLHAR SOBRE O DESENHO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO CURRICULAR

 

Ph.D. Manuel Afonso manoafonso@yahoo.com.br, 923501443

Msc. FaustinoBento faustinobento@outlook.com,  926256974

Instituição: Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Educação 

 

O presente artigo discute a problemática do desenvolvimento de competências profissionais no quadro de educação escolar, a partir de um olhar sobre o desenho, desenvolvimento e avaliação curricular, como contributo para a compreensão da funcionalidade e articulação das dimensões curriculares (desenho, desenvolvimento e avaliação), na formação de sujeitos em construção social. Com efeito, recorreu-se a estudos bibliográficos que permitiram a produção de conhecimentos sobre a necessidade de se conceberem currículos contextualizados, isto é, com conteúdos vivos, cujo desenvolvimento e avaliação sugerem ter o sujeito em formação como protagonista do processo de ensino-aprendizagem. Todavia, realidades educativas como Angola resistam um antagonismo entre teoria comportamentalista e teorias socioconstrutivas, com vantagens para a primeira, onde a desejada funcionalidade e articulação das dimensões curriculares tende, praticamente, a ineficiência. Nesse sentido, defende-se a aposta em metodologias activas e participativas, com intuito de potenciar as interactividades de natureza didáctico-pedagógica, nomeadamente  físicas, intelectuais, sociais e afectivas, para o desenvolvimento efectivo das competências profissionais no acto educativo.

Palavras-chave: Competências Profissionais. Desenho Curricular. Desenvolvimento Curricular. Avaliação Curricular. Métodos Participativos e activos.

I. INTRODUÇÃO

O Presente Artigo centra-se na abordagem do desenvolvimento de competências profissionais no quadro de educação escolar, com enfoque curricular baseado em três dimensões tidas como essenciais no acto educativo: desenho, desenvolvimento e avaliação curricular. É comum associar-se a competência à qualidade de desempenho do individuo relativa à aptidão na resolução de determinados assuntos, ou ainda, na realização de tarefas de diferentes naturezas que lhe sejam incumbidas. Deste modo, compreende-se que a competência diz respeito à aptidão, habilidade ou capacidade de resolver problemas. Todavia, ela pressupõe uma acção que agrega valores não só diante de novas situações da vida profissional, mas também, aos objectos e à dimensão humana. Ainda assim, competência parece ser muito mais do que simplesmente habilidades e valores, sobretudo se tivermos em conta os fins da educação do Estado Angolana, expressos e assumidos através do artigo 4º da Lei de bases do Sistema de Educação Ensino, onde, em suma, é defendida a formação integral do indivíduo. Olhando analiticamente para o conteúdo dos fins da educação referenciados, no caso angolano, pode-se concluir que a competência, sobretudo profissional, remete-nos além das habilidades ou aptidões e valores relativos, manifestados ou produzidos no quadro da resolução de uma dada tarefa. Ela estende-se ao conhecimento, atitudes e ética, algumas dimensões humanas para uma vida social que se quer de paz, concórdia e de bem-estar comum (cf. ANTUNES, 2001). Se partirmos do conhecimento como elemento fundamental na resolução de problemas, demandando habilidades, atitudes, valores e ética, numa perspectiva de conjunto para o bem-viver com os outros e com a natureza, ganham lugar nas racionalidades sobre o social, económico, político e cultural. Logo, a competência poderia resumir-se, simplesmente, em CHAVE, representando o conjunto de elementos estruturantes do acto educativo, nomeadamente conhecimentos, habilidades, atitudes, valores e ética. Qual poderá ser, então o significado prático do conceito CHAVE, à luz de grandes sábios e teóricos no mundo da educação escolar? Existem muitas abordagens teóricas sobre esse assunto, todavia, apresentamos, para um breve esclarecimento, apenas algumas das ideias-chave, como vem no desenvolvimento. Para uma profunda análise e compreensão do que foi dito no parágrafo anterior, convidamos ao leitor para as seguintes perguntas de reflexão: Qual é a definição da palavra CHAVE no âmbito das competências? O que são competências profissionais, Como podem ser construídas? Como fazer um bom Desenho Curricular baseado nos factos científicos e na realidade local da sociedade e venha ajudar na solução de problemas vividos pela comunidade? Como pode ser desenvolvido o currículo na sala de aulas de forma a facilitar a aprendizagem? Que métodos devem ser dominantes nas actividades lectivas para a promoção de conhecimentos, habilidades, atitudes, valores e ética que serão a chave do desenvolvimento de competências dos formandos? Que instrumentos a usar na avaliação do currículo e das aprendizagens para averiguar se os resultados da implementação do mesmo são ou não favoráveis ao modelo de ensino preconizado? Acompanhe com atenção as respostas resultantes das discussões apresentadas no desenvolvimento.