Desempenho reprodutivo de ovinos Barriga Negra em Roraima, Brasil

Ramayana Menezes Braga

Médico Veterinário, Pesquisador da Embrapa Roraima

ramayana.braga@embrapa.br

Resumo – O objetivo deste trabalho é apresentar o resultado do desempenho reprodutivo de ovinos Barriga Negra em Roraima no ano de 2017. Utilizou-se 55 ovelhas e cinco reprodutores em cinco estações de monta no período de fevereiro a maio com os partos ocorrendo de julho a outubro de 2017. Três fêmeas não tiveram cria e uma morreu. Os animais foram mantidos em pastagem de Urochloa humidicola e Panicum maximum cv Massai suplementados com mistura múltipla com 14% de proteína bruta. O peso médio das ovelhas no início da estação de monta era de 34,5 kg e o escore corporal de 3,4.Por ocasião do parto o peso era de 36,7 kg. A natalidade foi de 94,4% e a prolificidade de 1,80, ou seja, nasceram 92 cordeiros de 51 ovelhas utilizadas. Ocorreram 27,4% de partos simples, 64,7% duplos e 7,8% triplos. A média do peso ao nascer foi de 3,52, 2,28 e 1,64 kg, para os partos simples, duplo e triplo, respectivamente. Os machos eram mais pesados que as fêmeas. A mortalidade nos primeiros 20 dias de vida foi de 46,7% sendo que em 97,7% destes eram oriundos de partos múltiplos (duplo e triplo). Os resultados obtidos permitem concluir que o desempenho reprodutivo do rebanho se encontram dentro da média da maioria dos trabalhos realizados com animais desta raça em diversos países da América do Norte, Central, Sul incluindo-se o Caribe.

Introdução

A raça de ovinos deslanados Barriga Negra são originários da ilha de Barbados no mar do Caribe. Para a BBSAI (Barbados Blackbelly Sheep Association Internacional), 2017, a raça apresenta uma variedade ou tipo conhecido com Barbados Barriga Negra (Barbados Blackbelly) e outra do tipo americano ou Barriga Negra Americano (American Blackbelly). De acordo com a FAO (2017) a população do tipo Barbados encontrava-se distribuída em 25 países, entretanto, apenas onze destes informaram o quantitativo populacional avaliado em 158.040 animais, estando presente no Peru (82.493 animais), México (15.000 a 15.500 animais), Bahamas, Barbados, Guyana, Jamaica, Antilhas Holandesas e Trinidad e Tobago com 10.000 animais, cada. Apesar de não haver informações naquela estatística a raça está presente em diversos países da América do Norte, Central e do Sul, incluindo-se os países caribenhos.

No Brasil há relatos da presença da raça em pequenos rebanhos existentes na região Nordeste (Paraíba e Rio Grande do Norte) (SANTOS, 2003) e em Roraima. Especificamente com relação ao estado de Roraima os Barriga Negra foram introduzidos pelas fronteiras com a Guyana e com a Venezuela e levados para diversas fazendas com pecuária bovina na região de Savana. Em 2018, os maiores rebanhos da raça estão distribuídos em duas ou três propriedades que apostaram na criação destes animais e, a Embrapa possui um núcleo de conservação com cerca de 120 animais. [...]