Celebramos em 30 de novembro de 2019 o centenário da promulgação da Carta Apostólica Maximum Illud (a “sublime missão”), do Papa Bento XV, na qual ele quis dar novo impulso à responsabilidade missionária de anunciar o Evangelho. E para marcar esse acontecimento tão especial, o Papa Francisco convida a Igreja a viver um Mês Missionário Extraordinário, em outubro deste ano, com o objetivo de despertar mais a consciência da missio ad gentes e de retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral.

O tema para o Mês Missionário Extraordinário é “Batizados e enviados – a Igreja de Cristo em missão no mundo”. De fato, o batismo não é apenas um “rito”, mas um momento único da nossa vida, que deve ser celebrado ao longo de toda a nossa existência. E aí está a íntima ligação entre batismo e missão. Todo batizado é missionário, continuador da missão do próprio Senhor Jesus.

Segundo o Papa Francisco, o Mês Missionário Extraordinário nos convida “a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo. [...] E esta vida divina não é um produto para vender – não fazemos proselitismo –, mas uma riqueza para dar, comunicar, anunciar: eis o sentido da missão”.

Pelo batismo, nascemos em Cristo, abençoados pela Trindade, e devemos assumir o compromisso do testemunho e da missão. Nele, somos acolhidos na comunidade de fé e nesta comunidade somos também responsáveis pelos irmãos e irmãs, de todo os povos, na universalidade que é própria da missão da Igreja Católica. “A Igreja de Deus é universal, nenhum povo lhe é estranho”.

Vivendo nosso Batismo, celebramos o Mês Missionário Extraordinário, tempo propício para que a oração, o testemunho de muitos santos e mártires da missão, a reflexão bíblica e teológica, a catequese e a caridade missionária, contribuam para evangelizar em primeiro lugar a Igreja, de tal modo que esta, tendo reencontrado a frescura e o ardor do primeiro amor pelo Senhor crucificado e ressuscitado, possa evangelizar o mundo com credibilidade e eficácia evangélica.