IDENTIFICAÇÃO

  • ANTUNES, Ricardo; ALVES, Giovanni. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação & Sociedade, v. 25, n. 87, p. 335–351, 2004.

TEMA

  • As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital.

PROBLEMA

  • O caráter destrutivo do capital vigente, em plena era da globalização, no século XXI.

TESE

  • A classe trabalhadora, heterogênea, vem acumulando perda de direitos, sob controle do capital, em desemprego, subemprego e pracarização do trabalho, por meio da intensificação dos níveis de exploração.

ARGUMENTOS

  • Heterogeneidade, fragmentação e complexificação: redução do proletariado industrial em empregos formais; diminuição de estabilidade; surgimento de formas mais desregulamentadas de trabalho precarizado; subcontratações e terceirização; desemprego estrutural; informalidade; intensificação do trabalho feminino (desregulamentado e precarizado); expansão de assalariados médios no setor de serviços; redução do contingente de trabalhadores bancários; inter-relação entre mundo produtivo e setor de serviços; exclusão de jovens e dos idosos; informalidades; trabalho voluntário; atuação polivalente e multifuncional; inclusão precoce e criminosa de crianção no mundo do trabalho; expansão de trabalhos do terceiro setor (ongs e associações); trabalho em domicílio; novas regiões industriais emergentes mundialmente mesclando a dimensão local, regional e nacional.

  • A nova forma de ser do trabalho: trabalhadores produtivos e improdutivos; proletariado: moderno, rural, temporário, precarizado, desempregado.

  • Excluem-se: pequenos empresários, pequena burguesia rural e urbana que é proprietária e detentora de de meios de produção.

  • Fábrica moderna e novas formas de envolvimento.

  • Dimensão ontológica do envolvimento do trabalho.

  • Subsunção: força de trabalho transformada em capital; medição de força em conflito e oposição; captura da subjetividade operária.

  • Formas do envolvimento operário no fordismo/taylorismo: linha de montagem, aspecto físico maquinal (Gramsci).

CONCLUSÕES

  • Dimensões da alienação/estranhamento e do fetichismo capitalista: trabalho intelectual estável; interação entre trabalho vivo e maquinaria; problemas sociais; perda de humanidade; perda de identidade; desempregados (rejeição de vida social, isolamento, apatia, silêncio, violência).

  • Impactos: tempo livre usado em consumismo em shoppings (ausência de identidade própria).

Responsável pelo fichamento: Jean Carlos Neris de Paula.