A Páscoa está chegando e, com ela, a vontade de comer uma montanha de chocolate! Apesar de ser um estimulador de energia nos seres humanos, esse alimento derivado do cacau não pode estar presente na alimentação para cães.

Por isso, mesmo se seu pet ficar com uma expressão de carente e demonstrar vontade de comer chocolate, não ofereça pois o risco de intoxicação a partir daí, é muito grande.

Confira abaixo algumas informações importantes para se convencer de que esse tipo de alimentação para cães pode ser muito prejudicial para o organismo deles. Ainda, fique por dentro de algumas maneiras sobre como evitar o pet de entrar em contato com o mundo achocolatado.

Substâncias tóxicas presentes nos chocolates

Se para nós humanos o chocolate faz bem à saúde humana, aos nossos melhores amigos ele pode ser o grande vilão dos seus hábitos alimentares.

Apesar do chocolate mais saudável ser o meio amargo, pois possui maior quantidade de cacau, esse alimento pode provocar intoxicação rapidamente no animalzinho e, muitas vezes, causar sua morte.

Usada principalmente para estimular algumas atividades relacionadas ao cérebro, a cafeína é um dos principais ingredientes do chocolate ao lado do cacau. Por isso, esse é um dos fatores que justificam o fato desse saboroso alimento ser altamente prejudicial aos cães.

Além disso, outra substância tóxica aos pets também está presente nas fórmulas do chocolate: a teobromina. Encontrada em grande quantidade nos tabletes meio amargo e ao leite, esse elemento pode causar agitação, convulsão e, em alguns casos, o falecimento do animal.

As reações que um chocolate provoca no organismo de um cachorro

Na maioria dos casos, as reações provocadas pelo chocolate podem aparecer entre seis e doze horas após sua ingestão. Esse é o tempo suficiente para o alimento adentrar o sangue do animal e provocar uma profunda intoxicação em todo o seu organismo.

Devido a cafeína e teobromina presentes em sua fórmula, o chocolate pode ser capaz de provocar um estímulo de agitação no cachorro, fazendo sua frequência cardíaca aumentar consideravelmente.

Outros sintomas frequentes são diarreia e náuseas que podem durar dias a ponto de, em casos mais graves, fazerem o peludo entrar em coma profundo e levá-lo ao óbito.

Caso você perceba algum desses sintomas em seu amiguinho, a primeira coisa a ser feita é levá-lo a um veterinário rapidamente para ele receber todo o diagnóstico necessário e ser curado rapidamente. Vale ressaltar que, durante o período de recuperação, todo cuidado é pouco e a alimentação precisa ser feita com muita atenção.

Outra doença que o chocolate pode provocar no cãozinho é a pancreatite. Provocada pela dificuldade desse órgão em digerir todas as enzimas presentes nesse alimento, a doença pode provocar falta de apetite, náuseas e até mesmo diabetes.

A quantidade de chocolate que pode provocar intoxicação

Como dito anteriormente, tabletes de chocolate meio amargo são os que mais podem provocar algum distúrbio no pet. Saiba abaixo, a quantidade mínima dos tipos desses alimentos altamente prejudiciais ao bichinho.

Peso do cachorro

Chocolate branco

Chocolate ao leite

Chocolate meio amargo

2 kg

25 kg

100 g

44 g

5 kg

62,5 kg

250 g

111 g

10 kg

125 kg

500 g

222 g

15 kg

187,5 kg

750 g

333 g

30 kg

375 kg

1,5 kg

666 g


Dicas para evitar que o pet tenha contato com chocolate

Apesar de ser extremamente triste deixar nossos melhores amigos com vontade dessa guloseima, algumas medidas com relação a alimentação para cães precisam ser tomadas em nome de sua saúde.

Enquanto você não estiver em casa, procure deixar os tabletes de chocolate em armários altos da cozinha, de modo com que o animalzinho não tenha acesso a eles facilmente. Uma outra solução nesse caso é sempre deixá-los dentro de potes com tampa, pois assim o peludo não conseguirá abri-lo.

Durante as refeições, enquanto você estiver ingerindo uma barra achocolatada, os cuidados precisam ser redobrados. Apesar de fazerem cara de vítimas, os pets podem acabar pulando em cima da mesa e devorar o alimento agressivamente.