Nossa inteligência facilita o nosso pequeno esforço no trabalho. Quanto mais de usa a inteligência mais se descansa o corpo. Com isso se aproxima das habilidades que cada pessoa traz consigo. Sejam elas para a música, a arte ou etc. O psicólogo da Universidade de Harvard, Howard Gardner, em uma pesquisa enfatiza as habilidades linguística, lógico-matemática, musical, corporal-sinestésica, espacial, intrapessoal e interpessoal. Segundo ele, todos os indivíduos normais são capazes de uma atuação em pelo menos sete diferentes e, até certo ponto, independentes áreas intelectuais. Vejamos duas destas habilidades: a inteligência linguística e a inteligência espacial.
A Inteligência Linguística é sensibilidade para os sons, ritmos e significados das palavras, além de uma especial percepção das diferentes funções da linguagem. É a habilidade para usar a linguagem para convencer, agradar, estimular ou transmitir ideias.
Na vida diária nós a percebemos nas homilias, nas palestras e no relacionamento com as pessoas. Creio que esta inteligência faz parte do meu ser, pois estamos sempre nos comunicando com outras pessoas.
Inteligência Espacial. Gardner descreve a inteligência espacial como a capacidade para perceber o mundo visual e espacial de forma precisa. É a habilidade para manipular formas ou objetos mentalmente e, a partir das percepções iniciais, criar tensão, equilíbrio e composição, numa representação visual ou espacial. É a inteligência dos artistas plásticos, dos engenheiros e dos arquitetos.
Tenho percebido que a internet tem ajudado as pessoas em suas habilidades. Pensarem de forma rápida e buscarem meios para estar resolvendo possíveis dificuldades. Mas diante disso tudo, o que gostaria de ressaltar a você, caro leitor, para favorecer a potencialização das inteligências é a grande necessidade em sentir as coisas.
O recurso que gostaria de usar com você é uma apresentação musical. Não qualquer música, mas o clássico. Uma coisa, a qual lhe pudesse florir a habilidade de produzir e reproduzir. Para tal vamos usar a inteligência musical. Gostaria que você apreciasse o diferente sabendo que o diferente pode ser mais valorizado quando a ele se observa.
A música pode lhe dar mais sensibilidade e habilidade do que a internet. Esta cria distância da realidade, mas a música pode ajudá-lo a produzir novas habilidades até mesmo no trabalho.
Eu tenho um exemplo de uma professora que ministrava aulas de Biologia, mas tinha cursado também artes plásticas (Prof. Betinha. Estudei com ela até 2003 no Colégio São José em formosa). Ela, sim, sabia usar tudo que aprendeu para transmitir seu saber, ou seja, fazia de seu trabalho um celeiro de novas habilidades. É rasa as vezes que um professor pergunta sobre as habilidades dos seus alunos ou um patrão dos seus funcionários. Assim, fica muito difícil perceber a inteligência que cada indivíduo traz consigo. Isso não quer dizer que a pessoa vai deixar de se mostrar como sendo habilidosa. Cada pessoa tem uma inteligência que lhe faz hábil em tudo que realiza. Por isso, caro leitor, use a sua inteligência do dia a dia para facilitar o trabalho. Trabalhe mais com a mente do que com o corpo.

Joacir S. d?Abadia, padre;
Autor de 3 livros filosóficos
joacirsoares@hotmail.com