Hoje em dia percebe-se as contribuições que o lúdico trás no processo de ensino aprendizagem, uma vez que a aprendizagem se torna mais prazerosa, para a criança pois vivemos em um mundo contemporâneo. Sabemos que a brincadeira está associada a infância e a crianças, e a sociedade considera o lúdico irrelevante nesse processo, pois visam a formação para o trabalho sendo oposição desta pratica na escola.

  A brincadeira é de suma importância na visão teórica, pois ela auxilia na constituição dos processos de desenvolvimento e de aprendizagem, e muito das vezes o lúdico é visto como uma atividade a parte, ou seja, um brincar sem aprendizagem. Muitos docentes se sentem aprisionados pelos horários e conteúdos rigidamente estabelecidas que acaba não utilizando em sua prática. Sendo que a mesma é vista como tempo perdido, se restringindo apenas ao recreio para relaxar e tranquilizar os alunos.

  Estudos apontam que o brincar é um importante processo psicológico tendo como fonte de desenvolvimento a aprendizagem, vista como uma atividade criadora na qual imaginação e realidade interagem dando possibilidades de interpretação auxiliando nas relações sociais dos alunos, facilitando a assimilação dos códigos.  A mesma permite que a criança ultrapasse o conhecimento já adquirido tendo uma compreensão de ação sobre o mundo.  Assim  o lúdico não deve ser visto como o único instrumento  que possibilita aprendizagem, mas sim,  mais um recurso, não devendo  assumir  a função de treinar.

   Ao brincar a criança desenvolve autonomia, elabora suas ações, cria regras de convivência e de participação, mas para que isto aconteça necessita brincar juntas, interagindo um com o outro, com ações que envolva partilha, valores e conhecimento de si mesma e da realidade a qual ela está vivenciando. Percebe-se que o brincar não é só importante nos primeiros anos da infância, mas em todo os anos do ensino fundamental e por isso deve ser garantida este recurso a todos, uma vez que o aluno tem muito mais aprendizado ao ser proporcionado este método sendo também mais prazeroso.

 E a escola que acolhe crianças e jovens deve garantir no seu espaço o direito ao brincar, uma vez que a infância é marcada pela diminuição desses espaços, ou seja, pela falta de tempo para o lazer pois a mesma tem no seu entendimento metas a serem cumpridas. Se realmente inserir o lúdico nas práticas pedagógicas a escola está possibilitando um   aprender mais prazeroso e o aprendizado de novas culturas com autonomia para crianças e adolescentes.

Revisado por Editor do Webartigos.com