A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ESCOLAR

Luanna Garcia de Miranda[1]

INTRODUÇÃO

Nos dias de hoje ainda existem pessoas que não buscam entenderem a importância da relação família e escola. Pois sabemos que é fundamental essa integração para que o sucesso possa ser alcançado. O que podemos observar é que quando há essa relação a criança absorve e desenvolve mais as suas inteligências.

Refletir sobre a importância dessa relação, o que a mesma pode acrescentar uma a outra, pois a falta da mesma refletem os baixos desempenhos dos mesmos, que na maioria das vezessão os reflexos de uma família desestruturada sem condições nenhuma de educar esse individuo.

Pois a maioria não entende a importância de uma boa educação e a diferença que isso ira trazer pra a vida dessa criança. A relação escola e família têm os mesmos objetivos, e uma necessita da outra para obter êxito nesse processo de formação.

Sabemos que nos dias de hoje o cenário familiar é fundamental para um bom desenvolvimento escolar na vida da criança. A mesma sente-se mais confiante para enfrentar os novos desafios que a escola impõe, pois sabemos que é um mundo novo cheio de interrogações que precisam serem vividos para encontrar as respostas.

Por isso a estrutura familiar faz toda diferença, pois costumamos ver que quanto mais a família é presente na escola, mais o aluno é ganha com as trocas vividas nesse ambiente.

Quais são os reflexos de uma família que trabalha em dueto com a escola? A criança desenvolve melhor o ensino aprendizagem?Identificar o sucesso das duas instituições trabalhando juntas. Apresentar alguns conceitos que mostram os direitos e deveres da família e da escola como instituições formativas.

EDUCAÇÃO E FAMÍLIA

Podemos iniciar mencionando que a família é uma das instituições mais antiga da humanidade, mas que sempre sofreu grandes transformações durante séculos e séculos até chegar onde estamos. Foi evoluindo o conceito do que é família, qual a sua finalidade e seus significados, mas a mesma sempre traz consigo a responsabilidade de formação dos indivíduos da próxima geração. Segundo Reis (2010, p. 11)

Levando em consideração que o ser humano aprende o tempo todo, nos mais diversos interesses que a vida lhe apresenta, o papel da família é essencial, pois é ela que determina, desde cedo, o que seus filhos precisam aprender, quais são as instituições que devem frequentar, o que é necessário saberem para tomarem as decisões que os beneficiem no futuro.

Como sabemos a escola não recebe o aluno como uma pagina em branco, o mesmo traz consigo uma bagagem de experiências transmitida por sua família, o que chamamos de uma educação informal, adquiridas através de suas próprias experiências.Entretanto sabemos que com a evolução dos núcleos familiares vieram grandes modificações do jeito de pensar de agir. E a necessidade das crianças frequentarem a escola possibilita uma formação mais ampla e completa para esses indivíduos. O que antigamente era só uma forma de passar o tempo enquanto as suas mães trabalhavam, hoje tem um novo formato que busca desde de cedo que a instituição utilize o tempo para desenvolver atividades para que os alunos possam serem cuidados e educados.

Uma ligação estreita e continuada entre os professores e os pais leva pois muita coisa mais que a uma informação mútua: este intercâmbio acaba resultando em ajuda recíproca e, frequentemente, em aperfeiçoamento real dos métodos. Ao aproximar a escola da vida ou das preocupações profissionais dos pais, e ao proporcionar, reciprocamente, aos pais um interesse pelas coisas da escola, chega-se a uma divisão de responsabilidades [...] (PIAGET,2007, p.50).

Como ressalta o autor acima podemos destacar a relação família e escola com uma forma positiva de construir pontes capazes de aprimorar e executar um trabalho mais eficaz e satisfatório para ambas as partes envolvidas, mas lembrando que cada instituição tem a sua parte fundamental nesse processo e que somente juntas poderão chegar aos melhores resultados na educação do individuo.

Sabemos que existe varias definições para o significado da palavra família, no entanto não contamos mas com a tradicional família formada inicialmente pelo pai, mãe e filhos, mas isso não nos induz a pensar que mesmo com essas novas configurações a finalidade da família que é educar e direcionar para o futuro não venha a ser compridas. Por esse motivo entendemos que como orientadores os mesmo tem uma parte fundamental na formação da criança. Pois já é comprovado que essa relação de família e escola ela só traz grandes benefícios para ambas às partes envolvidas. Pois segundo afirmar o autor:

 

O termo escola (Scholé, em grego; Schola, em latim) significava, entre outras coisas, lazer, tempo livre, ocupação do tempo com estudo livre e prazeroso. Na língua latina, o termo passou a significar também os seguidores de um mestre, a instituição ou lugar de formação, ensino e aprendizagem [...]. (LIBÂNEO; OLIVEIRA; TOSCHI, 2012, p.233).

 

 

A escola sempre em busca de adaptar-se as mudanças da sociedade, contudo vemos que não é tarefa fácil receber essas famílias e suas diferenças. O que a escola almeja é uma integração com as mesmas, buscam mais proximidade, pois sabemos que juntos fazem a diferença na formação desse individuo.

Com as mudanças que ocorrem na sociedade e, em particular, nos contextos educacionais, esse cenário vem configurando novas dinâmicas ao processo de ensino e aprendizagem na escola. O professor necessita ser mais afetivo e pedagógico, mediante as potencialidades dos meios de socialização educacionais. Nesse contexto, os docentes têm de aprender a lidar com as diferenças familiares existente em cada núcleo familiar.

Por essa razão, a integração de família e escolano âmbito escolar é de suma importância para os processos educativos atuais. Trata-se de uma necessidade da nova escola, uma escola do século XXI, que procura atender melhor seus alunos.

Todo esse universo incentiva a afetividade dos alunos por meio de diálogos, flexibilidade na posição do educador cumprindo a sua tarefa em educar para a sociedade, englobando, ainda, toda a comunidade escolar, tais como: diretores, coordenadores, professores, famílias e alunos, ou seja, os atores desse processo de ensino. Nesse contexto, a escola se adequa às necessidades atuais de uma sociedade de forma organizada, direcionada por profissionais capacitados que possibilitam o desenvolvimento de uma aprendizagem significativa.

O perfilde um professor mediador  é aquele que articula o processo de integração e orientação do ensino aprendizagem junto ao aluno por intermédio de meios didáticos. Na atualidade, existe uma necessidade de professores mais claros, criativos e dinâmicos em seus ensinamentos, mas, para isso, o docente necessita utilizar-se de meios para integração de família e escola.

Dessa forma, o professor utilizará essa integraçãoa seu favor e fará  alunos com uma aprendizagem mais significativa. Além disso, proporcionará o aprimoramento da educação, de modo a refletir sobre as formas de famílias existentes no século XXI. A família está em nossa forma de viver e se comunicar. Um profissional da educação tem como fim fundamental se comunicar com o mundo a sua volta, e é muito importante adquirimos essas habilidades a nosso favor, é mais uma ajuda na nossa batalha diária que é educar o indivíduo para o mundo, fazendo com que ele seja capaz de refletir sobre o seu papel na sociedade em que vive. Por isso a importância do professor reconhecer as famílias como parceiras nesse processo.

Por isso a escola, por sua vez, tem a necessidade de desenvolver formações para os docentes, encaminhando-os na buscar dessa construção de tentar diminuir esse distanciamento e resistência. Podemos notar que muitos professores já se utilizam dessas formas e seus desempenhos são melhores e mais prazerosos para uma prática mais contextualizada com o mundo em que vivemos. Assim, julgamos que é possível mais compartilhamento nessa relação de professor-aluno-família e a aprendizagem mútua e significativa em diversos aspectos.

Observamos também que a sociedade do século XXI tem respirado inúmeras formas e meios, transcendendo ao nosso entendimento do que o cenário familiar é capaz de fazer quando voltada para desenvolvimento intelectual, buscado como meio pedagógico, com objetivo de resgatar nossos alunos das práticas obsoletas, as quais tanto diferem desse novo contexto, voltado para uma educação com a utilização de meios integração nas escolas.

Tendo isso em vista, o novo contexto vem apostar em formação inovadora para melhorar a prática docente, sem falar na importância de que a escola e seus gestores busquem e se mobilizem a aprenderem. Os educadores devem ampliar o seu papel e suas responsabilidades para que acompanhem a sociedade da qual fazem parte.

Assim, a educação tem a finalidade de construir conceitos ao longo de nossa formação escolar, sabendo que o aluno vai para a escola se preparar para o futuro. Os contextos educacionais vêm se adaptando a essa nova realidade que está repleta de novas possibilidades. Os currículos vêm se modernizando edessa forma, é uma realidade presente, mesmo que muitas escolas ainda caminhem a passos lentos. Apesar dos avanços, a maioria dos professores apresenta uma visão distorcida sobre a importância dessa comunicação como instrumentos pedagógicos.

 

Direito e deveres

 

Quando o centro do debate são os direitos e os deveres das instituições responsáveis pela formação da criança, ou seja, a família e a escola, podemos destacar que “O art.226, da constituição da Republica Federativa do Brasil (1988) diz que:” a família, base da sociedade, tem especial proteção do estado”. Sendo assim entendemos a importância da família e como a mesma é fundamental para o desenvolvimento da sociedade. Sabemos que existe uma serie de leis que regem o nosso país e essas tais é em especial para assegurar os nossos direitos perante a sociedade.

Contudo sabemos que segundo o art. 19, da Lei 8.069/90 dos Direitos Fundamentais, diz que “toda criança ou adolescente tem direito de ser criado e educado no seio de sua família e excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de entorpecentes”.  Analisando este artigo percebemos o quão fundamental é a família Conforme se pode perceber na legislação, a mesma tem o dever de selar por suas crianças, garantindo que os direitos das mesmas não sejam jamais burlados pelo sistema ou por coisas menores.

A criança tem o direito de estar na escola e para que isso aconteça os pais precisam buscar o melhor lugar para as mesmas estudarem, pois sabemos que o direito do estado é garantir a oferta dessa vaga e selar por um atendimento de qualidade e o dos pais são de matricular esses indivíduos em formação.

Hoje em dia as crianças são seres de direitos e é fundamental que possamos refletir que a escola e família mantenham um bom relacionamento para que ocorra um bom desenvolvimento nas mais diversas áreas da criança, como intelectual, social e etc.

 

 

A escola nunca educará sozinha, de modo que a responsabilidade educacional da família jamais cessará. Uma vez escolhida a escola, a relação com ela apenas começa. É preciso o diálogo entre escola, pais e filhos. (REIS, 2002, p. 6).

 

 

O dever exercido pelos pais e escola tem passado por grandes transformações ao longo dos anos como podemos ver e é fundamental para o sucesso desse cidadão em formação que ambos busquem novos caminhos a fim dealcançar sucesso nas mais variadas áreas essenciais para uma boa formação.

Sabemos que toda a família busca o melhor para os seus filhos e é natural que se esforcem para manter os filhos em uma instituição que possam oferecer uma educação formal de qualidade, pois os mesmos são cientes que apesar de ensinarem muitas coisas no cotidiano de seus seios familiares, ou seja, a educação informal, é no âmbito escolar que a criança desenvolve um caráter critico.

Segundo Libâneo (2000, p. 9) 

 

 

Não dizemos mais que a escola é a mola das transformações sociais. Não é, sozinha. As tarefas de construção de uma democracia econômica e política pertencem a varias esferas de atuação da sociedade, e a escola é apenas uma delas. Mas a escola tem um papel insubstituível quando se trata de preparação das novas gerações para enfrentamento das exigências postas pela sociedade moderna ou pós-industrial, como dizem outros. Por sua vez, o fortalecimento das lutas sociais, a conquista da cidadania, dependem de ampliar, cada vez mais, o numero de pessoas que possam participar das decisões primordiais que dizem respeito aos seus interesses. A escola tem, pois, o compromisso de reduzir a distancia entre a ciência cada vez mais complexa e a cultura de base produzida no cotidiano, e a provida pela escolarização. Junto a isso tem, também, o compromisso de ajudar os alunos a tornarem-se sujeitos pensantes, capazes de construir elementos categorias de compreensão e apropriação critica da realidade.

 

 

Através desta citação podemos concluir que a educação estar em grandes passos de transformações e essas transformações é um conjunto de coisas produzidas por toda a sociedade em geral, cada um com o seu papel. Pois a cada dia vamos nos modernizando respondendo as mudanças que acontecem em nossa sociedade e não somente na escola, com estamos acostumados a pensar. Apesar de que a escola tem por obrigação a nos manter atualizados com o que estar acontecendo, sendo ela o centro de conhecimento mas democrático que existe.

 

O Papel do professor

 

Com os temas abordados foram família e escola não podemos deixar de falar do grande envolvido em todo esse ciclo de convivência, ou seja, o professor, a figura que transita entre a escola e a família, ou podemos dizer que é a ligação mais forte desses elos envolvidos. São muitos os desafios desse profissional no nosso país lutar contra a desvalorização a falta de incentivo do governo e os desafios diários da sala de aula.

 

 

Uma ligação estreita e continuada entre os professores e os pais leva pois muita coisa mais que a uma informação mútua: este intercâmbio acaba resultando em ajuda recíproca e, frequentemente, em aperfeiçoamento real dos métodos. Ao aproximar a escola da vida ou das preocupações profissionais dos pais, e ao proporcionar, reciprocamente, aos pais um interesse pelas coisas da escola, chega-se a uma divisão de responsabilidades [...] (PIAGET,2007, p.50)

 

 

Como vemos na citação acima em que relata da relação professor e pais podemos notar que é de grande valia para alcançar o êxito no ensino-aprendizagem das crianças, as maiores envolvidas nessa relação. Claro que sabemos que existe inúmeras formas dessa aproximação acontecer mas no entanto ainda existe uma grande resistência por partes de alguns pais.

O professor é alguém que passa a conhecer a criança, ser uma pessoa de confiança da mesma e passa a ajuda-la em suas dificuldades durante o percurso, é um facilitador de conhecimento mesmo atentando aqui para o fato de que a educação é função dos pais, o professor buscar em seu papel orientar estimular e direcionar para uma educação conceitual ou empírica.

Essa relação professor e aluno é muito rica quando é positiva, pois possibilita um leque de trocas mutuas, sabemos que não é só a criança que aprende com o mesmo mas sim ambos os envolvidos, pois sabemos que  o aluno também tem muito consigo e a oferecer nessa relação. O professor lhe dar com muitas crianças mundos diferentes, ou seja cada criança uma forma de pensar e ver o mundo a sua volta e sem falar nas  inúmeras possibilidades de conhecimentos transmitida por esse ser tão inspirador.

Segundo Tiba (1996, p. 121 apud REIS, 2010, p. 20)

 

 

Cada aluno traz dentro de si sua própria dinâmica familiar, isto é, seus próprios valores (em relação a comportamento, disciplina, limites, autoridades, etc.) cada um têm suas características psicológicas pessoais. 

 

 

O professor não mais o detentor do saber, hoje em dia não é assim que se faz a educação, pois sabemos que o aluno não é mais visto como uma pagina em branco e sim como individuo que traz consigo a sua experiência de vida a qual adquiriu em seu meio social. Em sala de aula encontramos diversos tipos de pensamento e é nossa função é orientar a melhor forma possível pra que ele possa conviver em sociedade.

O papel do professor é estarem engajado em uma luta diária de conhecimentos nossos alunos precisam ser estimulados a aprendizagens significativas que fazem valer a pena as horas em que os mesmos passam na escola. Em uma sociedade que estar a cada dia mais atualizada não podemos perder nossos alunos para a tecnologia e sim alcança-los através dela.

Mesmo sabendo que educação tem atravessado grandes mudanças no contexto do Brasil, mas, no entanto sabemos que educar um país tão grande não é tarefa fácil e não acontece de uma hora para a outra. Ser professor é um grande desafio por vários motivos, sabemos que a realidade é muito diferente de tudo que nos passam no curso de graduação, mas temos que estar cientes que não existem fórmulas perfeitas. E que o sucesso da educação é através de muito trabalho, disciplina e dedicação. Todo o processo de ensino-aprendizagem exige reflexão em tudo em que fazemos.

Pois sabemos que o desenvolvimento da criança para Piaget e Vygotsky,acontece através da interação com o meio ou contato, o papel educativo da creche é de promover essa socialização. Assim, em seu contato com o outro e com o adulto, a criança vai construindo a sua identidade e apropriando-se de uma cultura que é peculiar ao ambiente escolar. A criança desperta para o mundo, interagindo com culturas diferentes o que lhe traz desenvolvimento e capacidade de construção de mundo.

Piaget (2007) faz distinção entre dois tipos de semelhança social: a coação e a cooperação. A coação é o tipo de relação de dominação, em que um fala e o outro aceita. Esse tipo de relação é muito comum na infância, especialmente na escola, porque a criança, por ver no professor uma figura de autoridade, em quem se pode certamente confiar em tudo o que diz, toma a sua fala como verdade e a aceita como se fosse a sua própria verdade. Embora não é comum nas crianças de hoje em dia, pois a mesma tem o seu espaço e sua capacidade lhe permite uma escolha, mesmo que a mesma nem sempre seja bem vista pelo educador.

 Na relação de coação não existe crescimento ou evolução de nenhuma das partes. O coagido, porque não pode expressar o que sabe – não participa, apenas repete – ou seja, não cria os suas próprias opiniões, somente usa como suas as sentidos do outro. O autor da coação, por outro lado, limita-se ao seu ponto de vista, não se permite ir além do que sabe e crescer com o outro.

 Educar é impregnar a ação pedagógica de consciência, estabelecendo uma visão integrada do desenvolvimento da criança com base em concepções que respeitem a diversidade, o momento e a realidade, peculiares à infância. Desta forma, o educador deve estar em permanente estado de observação e vigilância para que não transforme as ações em rotinas mecanizadas, guiadas por regras.

Consciência é a ferramenta de sua prática, que embasa teoricamente, inova tanto a ação quanto à própria teoria. Cuidar e educar implica reconhecer que o desenvolvimento, a construção dos saberes, a constituição do ser não ocorre em momentos e de maneira compartimentada.

Observamos também que a sociedade do século XXI tem respirado tecnologias de inúmeras formas e meios, transcendendo ao nosso entendimento o que a tecnologia é capaz de fazer quando voltada para desenvolvimento intelectual, buscando a tecnologia como meio pedagógico, com objetivo de resgatar nossos alunos das práticas obsoletas, as quais tanto diferem desse novo contexto, voltado para uma educação com a utilização de meios tecnológicos nas escolas.

Tendo isso em vista, o novo contexto vem apostar em formação inovadora para melhorar a prática docente, sem falar na importância de que a escola e seus gestores busquem e se mobilizem a aprenderem.

 Os educadores devem ampliar o seu papel e suas responsabilidades para que acompanhem a sociedade da qual fazem parte. Assim, a educação tem a finalidade de construir conceitos ao longo de nossa formação escolar, sabendo que o aluno vai para a escola se preparar para o futuro. Os contextos educacionais vêm se adaptando a essa nova realidade que está repleta e tomada pelas tecnologias. Os currículos vêm se modernizando e as TICs adentraram nesse novo contexto.

 Dessa forma, é uma realidade presente, mesmo que muitas escolas ainda caminhem a passos lentos. Apesar dos avanços, a maioria dos professores apresenta uma visão distorcida sobre a utilização dessas tecnologias como instrumentos pedagógicos. 

 

 

Os professores na ativa precisam adquirir a competência que lhes permitirá proporcionar a seus alunos oportunidades de aprendizagem com apoio da tecnologia. Estar preparado para utilizar a tecnologia e saber como ela pode dar suporte ao aprendizado são habilidades necessárias no repertório de qualquer profissional docente. Os professores precisam estar preparados para ofertar autonomia a seus alunos com as vantagens que a tecnologia pode trazer. As escolas e as salas de aula, tanto presenciais quanto virtuais, devem ter professores equipados com recursos e habilidades em tecnologia que permitam realmente transmitir o conhecimento ao mesmo tempo em que se incorporam conceitos e competências em TIC. As simulações interativas em computação, os recursos educacionais digitais e abertos e as sofisticadas ferramentas de levantamento de dados e análise são apenas alguns dos recursos que permitem aos professores oportunidades antes inimagináveis para o entendimento conceitual. As práticas educacionais tradicionais já não oferecem aos futuros professores todas as habilidades necessárias para capacitar os alunos a sobreviverem no atual mercado de trabalho. (UNESCO, 2009, documento exclusivo da internet).

 

 

Contudo, é necessário que a educação, junto à tecnologia, passe por uma observação, para que sejam visualizadas as mudanças que a sociedade enfrenta, principalmente no contexto tecnológico, e que o processo de ensino e aprendizagem de tecnologias sempre se dê de forma transformadora e inovadora, pois isso é primordial para a educação.

 

METODOLOGIA

 

Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, realizada em artigos, livros e internet com a temática estudada e uma pesquisa descritiva na qual se apresenta um ponto de vista sobre determinado tema estudado.Pois sabemos que a mesma “Esta interessada em descobri e observar fenômenos, procurando descrevê-los, classificar e interpreta-los”.(RUDIO, 1978, p. 56).

Conforme esclarece Boccato (2006, p. 266),

 

 

Apesquisa bibliográfica busca a resolução de um problema (hipótese) por meio de referenciais teóricos publicados, analisando e discutindo as várias contribuições científicas. Esse tipo de pesquisa trará subsídios para o conhecimento sobre o que foi pesquisado, como e sob que enfoque e/ou perspectivas foi tratado o assunto apresentado na literatura científica. Para tanto, é de suma importância que o pesquisador realize um planejamento sistemático do processo de pesquisa, compreendendo desde a definição temática, passando pela construção lógica do trabalho até a decisão da sua forma de comunicação e divulgação.

 

 

Como relata o autor acimaexistem um vasto de significados para pesquisa bibliográfica  e esse se enquadrou melhor para a necessidade desta pesquisa, pois sem literatura nenhum estudo é possível. A mesma da  subsídios para refletirmos sobre os autores que defendem o nosso ponto de vista, qualificando assim a produção que será feita. A principio de acordo com os teóricospodemos dizer que a pesquisa tem que ser minuciosa, pois é de caráter  extremamente importante,  sua finalidade é manter o grau de qualidade do que produzimos, pois sem ela não seria possível apontar para diferentes caminhos a trilhar. Como podemos confirmar com a citação a baixo,

 

 

Alguém pode supor apressadamente que, como na pesquisa se faz tanta questão da experiência, o uso da biblioteca parece supérflulo.E, no entanto, não se pode fazer uma pesquisa válida sem consultar livros e outras obras, em cada uma das fases do processo. (RUDIO, 1978, p. 39).

 

 

Destacamos que priorizar a utilização de um bom acervo bibliográfico enriquece o corpo do estudo em geral pois possibilita que seja elaborado um estudo inédito com um olhar mais critico e reflexivo baseado nas mais diversas áreas sobre o tema tratado.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

 

Ampliar o conhecimento das crianças em relação a fatos e acontecimentos da importância da família na escola em que o professor possatrabalhar com suas próprias ideias, conhecimentos e representações sociais acerca do assunto em pauta. É preciso, também, que os professores reflitam e discutam sobre seus preconceitos, evitando transmiti-los nas relações com as crianças. Todo trabalho pedagógico implica transmitir, conscientemente ou não, valores e atitudes relacionados ao ato de conhecer.

Por exemplo, o respeito pelo pensamento do outro e por opiniões divergentes, a valorização da troca de ideias, a posição reflexiva diante de informações são algumas entre outras atitudes que o professor deve possuir. É preciso também avançar para além das primeiras ideias e concepções acerca dos assuntos que se pretende trabalhar com as crianças para que ela possaavançar na construção de novos conhecimentos.

Esperamos um ensino em que possamos ter subsídios para um bom formador de opinião sendo apto a descoberta e enfrentar desafios durante a sua existência. Contudo sabemos que o individuo busca referencias para dominar as esferas do ambiente a suavolta. Essa ciência é fundamental para a nossa sociedade e tudo a nossa volta permiti experiências enriquecedoras para o nosso alunato. Precisamos quebrar paradigmas de uma educação bancária em que traz consigo um sistema de educação falida incapaz de decifrar o ser em comum entendimentos de suas experiências e aprendizagens.

Portanto, o estudo nos permite olhar para a sociedade que fomos e a que queremos ser, ou seja, isso nos remete as ricas oportunidades de instrumentos para construir uma educação de melhor qualidade para o nosso alunado, pois sabemos que desde cedo temos que demonstrar a devida importância de conhecer, investigar, compreender e comunicar são competências responsáveis para promover o conhecimento internalizado de qualidade que almejamos nas escolas.Sendo assim, é nosso dever estimular as competências dos nossos educando e fazê-los refletir através da leitura de mundo, conhecendo o que se diz e vivenciando o que se pratica.

 

 

REFERENCIAS

 

 

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

 

 

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

 

 

FUNDAMENTAÇÃO teórica - parte 1: as teorias cognitivas e os conceitos de autonomia e cooperação. Disponível em: <https://chasqueweb.ufrgs.br/~slomp/epistemologia-genetica/glossario/AUTONOMIA%20E%20COOPERA%C7%C3O.htm>. Acesso em: 3 dez. 2017.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000. (Coleção Questões da Nossa Época, v. 67).

LIBÂNEO, José Carlos;OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 10. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2012. (Coleção docência em formação: saberes pedagógicos / coordenação Selma Garrido Pimenta).

PIAGET, Jean. Para onde vai à educação? Rio de Janeiro: José Olímpio, 2007.

REIS, Liliani Pereira Costa dos. A participação da família no contexto escolar. 2010. 62f.Monografia (Graduação em Pedagogia) – Universidade do Estado da Bahia,Salvador, 2010. Disponível em: <http://www.uneb.br/salvador/dedc/files/2011/05/MONOGRAFIA-LILIANI-PEREIRA-COSTA-DOS-REIS.pdf>. Acesso em: 3 dez. 2017.

REIS, Risolene Pereira.Relação família e escola e o desempenho escolar.Mundo Jovem, São Paulo, fev. 2002.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 11. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1978.

UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores – UNESCO. 2009.Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001562/156209por.pdf>. Acesso em: 2 mar. 2018.