O Pedagogo Na Educação Da Criança Autista
 
O Pedagogo Na Educação Da Criança Autista
 


INTRODUÇÃO Ao abordar o aspecto educativo de indivíduos portadores da Síndrome de Autismo, faz-se necessário, uma retrospectiva histórica, passando pela seleção natural, eliminação de crianças mal formadas ou deficientes em várias civilizações, marginalização e segregação promovidas na Idade Média, até um período marcado por uma visão mais humanista na Europa após a Revolução Francesa; para se chegar ao século XIX, aos primeiros estudos sobre deficiências.O diagnóstico sobre autismo apresenta algumas controvérsias, assim como sua própria definição. No entanto, apresentaremos, três definições que podemos considerar como adequadas:
  • A da ASA  American Society for Autism (Associação Americana de Autismo);
  • A da Organização Mundial de Saúde, contida na CID-10 (10a. Classificação Internacional de Doenças), de 1991);
  • A do DSM-IV - Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (Manual Diagnóstico e Estatístico dos Distúrbios Mentais), da Associação Americana da Psiquiatria.
A síndrome do autismo pode ser encontrada em todo o mundo e em famílias de qualquer configuração racial, étnica e social. Não se conseguiu até agora provar nenhuma causa psicológica, ou no meio ambiente destas pessoas que possa causar o transtorno. Os sintomas, causados por disfunções físicas do cérebro, podem ser verificados pela anamnese ou presentes no exame ou entrevista com o indivíduo, estas características são: Distúrbios no ritmo de aparecimento de habilidades físicas, sociais e lingüísticas; Reações anormais às sensações, ainda são observadas alterações na visão, audição, tato, dor, equilíbrio, olfato, gustação e maneira de manter o corpo; Fala ou linguagem ausentes ou atrasados. Certas áreas específicas do pensar, presentes ou não.Ritmo imaturo da fala, restrita de compreensão de idéias. Uso de palavras sem associação com o significado; Relacionamento anormal com os objetos, eventos e pessoas. Respostas não apropriada a adultos ou crianças. Uso inadequado de objetos e brinquedos.Para um diagnóstico clínico preciso do Transtorno Autista, a criança deve ser bem examinada, tanto fisicamente quanto psico-neurologicamente. A avaliação deve incluir entrevistas com os pais e outros parentes interessados, observação e exame psico-mental e, algumas vezes, de exames complementares para doenças genéticas e ou hereditárias. No início do século XX, a questão educacional passou a ser abordada, porém, ainda é muito contaminada pelo estigma do julgamento social. Nos dias de hoje, entre todas as situações da vida de uma pessoa com necessidades especiais, uma das mais críticas é a sua entrada e permanência na escola. Ainda hoje, embora mais sutil, pratica-se a "eliminação" de crianças deficientes do ambiente escolar. Por tudo isso os professores agora estão sendo preparados para adaptar a criança com necessidades especiais para prolongar a sua permanência na escola dita normal.Hoje, não se pensa mais no autismo como algo incurável e já é impossível se falar de atendimento à criança especial sem considerar o ponto de vista pedagógico. Essas crianças necessitam de instruções claras, precisas e o programa devem ser essencialmente funcionais, quer dizer, ligado diretamente ao portador da síndrome. Abordar este tema é de fundamental importância e o maior desempenho depende da motivação em mostrar que essas crianças podem se relacionar com a sociedade. Do autismo em escolas normais e não a sua segregação ou isolamento em escolas especializadas. Este trabalho tem como objetivo mostrar a importância do pedagogo na Educação da criança autista. Como disse o professor Marcelo Bezerra da Silva, "é de extrema importância retirar o autismo do gueto e trazer para a luz de discussões as dificuldades enfrentadas por crianças e famílias inteiras. Inserir o tema de maneira consistente para que os pedagogos possam ajudar a sanar o preconceito e a melhorar o desenvolvimento e a qualidade de vida dessas crianças". São inúmeras as crianças que já estão recebendo atendimento especializado promovido pelas Associações de Pais e Amigos  ABRA (Associação Brasileira de Autismo) ASTECA (Associação Terapêutica Educacional para Crianças Autistas) e AMA (Associação de Pais e Amigos do Autista). Todas essas associações ajudam o professor a trabalhar na sala de aula regular dando o apoio pedagógico necessário. Existem muitas coisas que podem ser feitas pelo autista. A principal é acreditar que ele tem potencial para aprender. Também é preciso saber que ele enxerga o mundo de uma forma diferente, mas vive no nosso próprio mundo. Alguns autistas, raros, conseguem se formar, constituir família e ter uma vida profissional normal. Há pessoas autistas que nunca suspeitaram que o fosse. Por outro lado, devido a sua grande dificuldade em se comunicar, eles muitas vezes têm um desempenho fraco na escola.Nos casos mais graves, devido à desinformação dos adultos, pais e profissionais da Medicina e da Educação, a criança autista fica condenada a viver em um mundo que não consegue compreender. Nesses casos, podem crescer frustrados e responder ao mundo com gritos e com agressões; muitas vezes, se auto-agridem, machucam-se, para descarregar sua frustração em não ser compreendido, por isso é melhor identificar o mais cedo possível que a criança é autista. O papel do professor na pré-escola é fundamental. É a partir desse diagnóstico que é preciso montar uma estratégia educacional para superar as dificuldades da criança de forma que ela possa se integrar e fazer como está acontecendo. Desta forma, pretendemos investigar qual é o papel da pedagogia na escolarização da criança autista. HISTÓRICO DA SÍNDROME DO AUTISMOEm 1867, Henry Maudsley foi o primeiro psiquiatra há ter interesse por crianças com distúrbios mentais graves, descobrindo várias delas dentre elas, o Autismo. Já no século XX, de Santis introduz o termo Demetria Precocíssima, onde aparecem casos de início muito precoce.O autismo em 1943, caracterizado por Leo Kanner tornou-se razão um dos desvios comportamentais mais estudados, debatidos e disputados, que teve o mérito de identificar a diferença do comportamento esquizofrênico e do autismo. Até hoje, sua descrição clínica é utilizada da mesma forma, que foi chamado de Distúrbios Autísticos do Contato Afetivo  Síndrome Única. Na década de 70, houve a proliferação dos critérios diagnósticos.Em 1983, as Síndromes de Asperger e Rett foram reconhecidas e deixaram de ser consideradas autismo, a Associação Americana de Psiquiatria cria o termo Distúrbio Abrangente do desenvolvimento e em 1987, o autismo deixa de ser uma psicose infantil. Hoje, o estudo está voltado para o aprofundamento real do que é o autismo, adaptação das crianças especiais em escolas de ensino regular e trabalhar também a afetividade das famílias dos mesmos. A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PEDAGÓGICA A avaliação do autismo deve ser fundamentalmente ideográfica, pois não se trata de descobrir e analisar as características de comportamento individual em interação com um determinado ambiente.Entre os vários instrumentos que podem auxiliar neste aspecto, destaca-se o Programa da Escala Portage do Desenvolvimento (David Sherer 1969), que permite a avaliação nas áreas de linguagem, cognição, cuidados próprios, socialização e motora, fornecendo a idade de desenvolvimento em cada uma destas áreas e uma idade de desenvolvimento geral. (Gauderer, 1993 pág. 82). Os Currículos do programa foram assim organizados:
  • Maior precisão de responsabilidades, não dando lugar a improvisações.
  • Maior eficácia na hora de eliminar ou trocar condutas inadequadas.
  • Oportunidade para observar o desenvolvimento da aprendizagem do aluno.
  • Diminuição de aspectos pouco mensuráveis.
  • Contribuição à avaliação da aprendizagem do aluno.
  • Maior facilidade para relacionar a aprendizagem do aluno com os objetivos previstos no currículo.
Nas últimas décadas, acumulou-se uma quantidade considerável de experiências em técnicas para o ensino de crianças autistas, desenvolvidas por educadores de vários países. A maioria delas aponta para os seguintes objetivos gerais de educação:
  • Prevenir ou reduzir deficiências secundárias.
  • Descobrir métodos para recuperar deficiências primárias.
  • Descobrir métodos para recuperar deficiências primárias e descobrir formas para ajudar a criança a desenvolver funções relacionadas às deficiências primárias.
As crianças com autismo, regra geral, apresentam dificuldades em aprender a utilizar corretamente as palavras, mas se obtiverem um programa intenso de aulas haverá mudanças positivas nas habilidades de linguagem, motoras, interação social e aprendizagem é um trabalho árduo precisa muita dedicação e paciência da família e também dos professores. É vital que pessoas afetadas pelo autismo tenham acesso a informação confiável sobre os métodos educacionais que possam resolver suas necessidades individuais. A escola tem o seu papel no nível da educação. São elaboradas estratégias para que estes alunos consigam desenvolver capacidades de poderem se integrar com as outras crianças ditas "normais". Porém, a família tem também um papel crucial, porque são os que têm mais experiência em lidar com as crianças, principalmente, porque as crianças autistas necessitam de atenção redobrada, durante 24 horas. Muitas vezes, a profissão e o horário cotidiano não facilitam, mas é importante dispensar algumas horas para que as crianças possam se sentir queridas e mostrar o que aprenderam. Os pais podem encorajar a criança a comunicar espontaneamente, criando situações que provoquem a necessidade de comunicação. Não se deve antecipar tudo o que a criança precisa, deve - se criar momentos para que ela sinta a necessidade de pedir aquilo que precisa. Na realidade, os problemas encontrados na definição de autismo, refletem-se na dificuldade para a construção de instrumentos precisos e adequados para um processo de avaliação e condutas. Devem-se considerar as severas deficiências de interação, comunicação e linguagem e as alterações da atenção e do comportamento que podem apresentar estas crianças, a sua programação psicopedagógica a ser traçada precisa está centrada em suas necessidades, tem que observar esse aluno para, se possível, quais canais de comunicação se incapacitavam. PROPOSTAS EDUCACIONAIS PARA O AUTISTA É fundamental a preparação do pedagogo através de um programa adequado de diagnose e avaliação dos resultados globais no processo de aprendizagem, já que a criança especial se caracteriza pela falta de uniformidade no seu rendimento, levando-se em consideração o nível de desenvolvimento da aprendizagem que geralmente é lenta e gradativa. Portanto, caberá ao professor adequar o seu sistema de comunicação a cada aluno, respectivamente. Antes de chegar à sala de aula, o aluno é avaliado pela supervisão técnica, para colocá-lo num grupo adequado, considerando a sua idade cronológica, desenvolvimento e nível de comportamento. As turmas são formadas por três (03) a cinco (05) alunos, no máximo, sob a responsabilidade da professora, e um auxiliar que é de grande precisão, para haver um funcionamento no ensino regular, é dada atenção especial à sensibilização dos alunos e dos envolvidos para saberem quem são e como se comportam esses alunos portadores de necessidades especiais. Com todo esse processo, a criança pode reagir violentamente quando submetida ao excesso de pressão e diante disso, é preciso levar em conta, se o programa está sendo positivo, se precisa haver outras mudanças, algo que não prejudique a ambos. O professor precisará ter uma postura que não seja agressiva, muita paciência, transmitindo segurança e controle da situação, e, acima de tudo, muito amor pelo que está fazendo. A importância do ensino estruturado é ressaltada por Eric Schopler (Gauderer, 1993), no método TEACCH (Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Deficiências relacionadas à Comunicação). Com certeza, é bom ter em mente que, normalmente, as crianças à medida que vão se desenvolvendo, vão aprendendo a estruturar seu ambiente, enquanto que as crianças autistas e com distúrbios do desenvolvimento, necessitam de uma estrutura externa para aperfeiçoar uma situação de aprendizagem. Atualmente, já é impossível se falar de atendimento ao autista sem considerar o ponto de vista pedagógico. Cada vez mais, valoriza-se a potencialidade e não a incapacidade de seres humanos. Com isto, a sociedade como um todo só pode beneficiar-se. Observam-se progressos inesperados em outras áreas, como por exemplo, a participação voluntária de alunos normais na confecção de programas de tratamento do aluno especial que por si só já é positivo. Além disso, se observou numa melhora na auto-imagem e na auto-estima das crianças voluntárias envolvidas. OS MÉTODOS DE ENSINO PARA A ESCOLARIZAÇÃO DO ALUNO AUTISTA Um dos métodos de ensino mais utilizados no Brasil é o TEACCH que foi desenvolvido no início de 1970 pelo Dr. Eric Schopler e colaboradores, na Universidade da Carolina do Norte e hoje está se tornando conhecido no mundo inteiro. Em primeiro lugar o TEACCH não é uma abordagem única é um projeto que tenta responder às necessidades do autista usando as melhores abordagens e métodos disponíveis. Os serviços oferecem desde o diagnóstico e aconselhamento precoce d pais e profissionais até Centros Comunitários para adultos com todas as Etapas Intermediárias: Avaliação Psicológica, Salas de Aulas e Programas para Professores. Toda Instituição que utiliza o TEACCH tem todo esse apoio. Os propósitos do método, segundo Gary Mesibov, Diretor da divisão TEACCH são:
  • Habilitar pessoas portadoras de autismo a se comportar de forma tão funcional e independente quanto possível;
  • Promover atendimento adequado para os portadores de autismo e suas famílias e para aqueles que vivem com eles;
  • Gerar conhecimentos clínicos teóricos e práticos sobre autismo e disseminar informações relevantes através do treinamento e publicações.
Existem poucos projetos no mundo que podem alegar trinta anos de experiência com pessoas autistas. O TEACCH se mantém evoluindo, desafiando os diagnósticos negativos dos médicos ao dizerem que a criança não evolui, adicionando nova descobertas de pesquisa. Só que só são utilizadas somente a técnicas que foram comprovadas em ampla escala, porque o método não trabalha com uma técnica isolada. Não iremos encontrar ninguém dizendo que irá "curar" o autismo. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Segundo a pesquisa realizada, verificou-se que hoje as Escolas Regulares no Município de Porto Velho estão aceitando com mais dedicação às crianças com diagnóstico de autismo, porque os professores estão se aperfeiçoando e tendo mais didática para trabalhar com elas e com a estimulação elas aprendem com mais facilidade, e o apoio da equipe pedagógica que é de fundamental importância, claro que encontramos algumas instituições que possuem resistência, mas o trabalho em equipe tem surtido efeito e com o auxílio também da AMA na prática pedagógica ensinando a trabalhar com o TEACCH (Método dos Cartões). É fundamental que os professores tenham conhecimento de Psicologia do Desenvolvimento e aprendizagem e que sejam orientados para uma atuação adequada nos graves distúrbios de comportamento que apresentam essas crianças. Em primeiro lugar, pelo fato de o problema ter deixado de ser considerado apenas do ponto de vista médico e terapêutico o pedagógico também faz parte da Equipe Multidisciplinar qualquer que seja o nível de funcionamento das crianças tem se valorizado por uma educação escolar mais estruturada. Com isso as crianças menos comprometidas têm se tornado mais sociável, usando construtivamente as habilidades aprendidas, apesar da persistência de alguns sintomas. Fazem-se necessárias classes especiais de verdade, com metodologia própria para as necessidades de cada aluno especial. O Diagnóstico é apenas o primeiro desafio que o Brasil está começando a utilizar e está dando um novo olhar para educação dessa década. E sabemos que o progresso do autista depende muito também da participação da família. Um dos principais objetivos é esse, a família e o trabalho na escola é a interação de ambos para estimular a criança, onde alcança total progresso e é dessa forma que as escolas estão realizando o seu trabalho. Concluindo, o trabalho com a criança autista impõe, ao profissional, desafios contundentes, dentre os quais, o de lidar com a questão do tempo e a sua articulação com a emergência do sujeito. O trabalho clínico demanda do profissional, em primeiro lugar, uma tolerância com respeito à temporalidade singular que caracteriza o mundo destas crianças. Quando existe informação a reação é oposta, a família ajuda e a Escola ajuda ao autista, todos trabalhando juntos chegam a um trabalho singular, pois todo autista é único. Sabemos que o tratamento não esgota o problema porque não é doença, então não tem cura, é a partir dele que se começa um trabalho que irá ser para vida toda. Nas fases da vida do autista vai passar vários profissionais, vários educadores e de cada um, uma experiência. Esperamos que esta pesquisa contribua para que os professores desenvolvam seu trabalho na sala de aula com a criança autista. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEREOHFF, A. M. P. Autismo, uma visão multidisciplinar. São Paulo, GEPARI, 1991. _________________.Autismo, uma história de conquista: IN: Brasil Ministério da Educação e do Desporto. SEE. Tendências e desafios na educação especial  Brasília  1994. BENEZON, R.O. O Autismo, a família, e a instituição - RS Enelivros -1987. CARDOSO, Antônio Francisco Maganhoto, Educação e retardo mental. 4ª ed. SP, Editora: Manole, 1995. GAUDERER, E. C. Autismo- década de 80  SP  Savier, 1993. _______________Autismo e outros atrasos do desenvolvimento: uma atualização para os que atuam na área: do especialista aos pais- 1990. JERUSALINSKY, A.  Psicanálise do Autismo Porto Alegre  Artes Médicas, 1984. LEBOYER, M. Autismo Infantil SP, Papirus-1987. SCHWARTZMAN, J. S. Autismo Infantil Brasília - Corde, 1994. ___________________.Síndrome de Asperger: temas sobre desenvolvimento. Vol. 1, nº2, 1991.
 
Avalie este artigo:
(4 de 5)
19 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Daniella carla Pedagoga/Psicopedagoga clínica e institucional graduanda em psicologia.Atuo na rede de ensino estadual como coordenadora pedagógica e atendo crianças com disturbios e dificuldades de aprendizagem, especialista em dislexia.Possuo um grupo de estudos sobre o tema,auxilio em TCC,artigos ...
Membro desde fevereiro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: