O desejo de saber: uma teoria freudiana da aprendizagem
 
O desejo de saber: uma teoria freudiana da aprendizagem
 


            

Kupfer, Maria Cristina. Freud e a educação : o mestre do impossível. São Paulo: Ed. Scipione, 1989

           

O livro trás à luz questões como o desejo de aprender, o processo da transferência e o papel do professor no processo transferencial, sendo que esses temas são abordados em uma perspectivas freudiana. O desejo de aprender sempre foi um tema que chamou bastante atenção de Freud, pois este se perguntava o que impulsionava as pessoas que sempre estavam à procura de respostas, principalmente os cientistas e as crianças.  Para Freud há um momento decisivo na vida do ser humano, é o momento da descoberta ao qual ele chama de diferença sexual anatômica. Sendo que esta descoberta implica justamente entender que, de fato alguma coisa falta, ou seja, a angústia provém de uma nova compreensão de antigas perdas, e para essa angustia de perda Freud chamou de angústia de castração.

            Com a passagem do complexo de Édipo a criança descobre diferenças que a angustiam, e é essa angústia que a faz querer saber, e os instrumentos que a criança usa Freud chamou de “investigações sexuais infantis”. Para Freud as primeiras investigações são sempre sexuais e não poderiam deixar de ser, o que realmente está em jogo é a necessidade que a criança tem de definir seu lugar no mundo. O desejo de saber associa-se com o desejo de dominar, ver e o sublimar. As crianças deixam de lado a questão sexual deslocando seus interesses sexuais para os objetos não-sexuais, ou seja, desviam suas energias para objetos não sexuais. Assim as crianças perguntam sobre outras coisas para poder continuar pensando sobre as questões fundamentais, isto se associa com a idéia de curiosidade. Neste sentido é importante que o educador esteja ciente desta dimensão, presente em todo ato de conhecimento. Freud ao descrever o processo de emergência do desejo de saber diz que a investigação sexual ao ser sublimada relaciona-se igualmente com o ver. O visual é um aspecto constante e constitutivo das pulsões sexuais. A pulsão sublimada transforma-se após a associação com a pulsão de domínio em “pulsão de saber” tendo como derivados o  prazer de pesquisar, o interesse pela observação da natureza, o gosto pela leitura, o prazer de viajar etc. Assim ,pode-se dizer que a mola propulsora para o desenvolvimento intelectual é a sexual. Assim, vimos alguns elementos determinantes que levam a uma criança querer aprender. Contudo podemos também levar em consideração que a criança não aprender sozinha que é necessário a presença do professor para que este aprendizado se realize. O ato de aprender sempre pressupõe uma relação com outra pessoa, ou seja, aprender é aprender com alguém.

            Neste sentido, a relação professor e aluno tornam-se importante e crucial. Freud mostra que um professor pode ser ouvido quando está revestido por seu aluno de uma importância especial. Sendo que o mestre passa a ter em mãos o poder de influencia sobre o aluno. Os professores são investidos da relação afetiva primitivamente dirigida ao pai, acabam se beneficiando da influencia que o pai exercia sobre a criança. A ênfase freudiana está concentrada nas relações afetivas entre professor e aluno, ou seja, ele focaliza o campo que se estabelece entre o professor e seu aluno, que estabelece as condições para aprender, na psicanálise este campo é chamado de transferência.

            A transferência é uma manifestação inconsciente que se constitui como um excelente instrumento da analise deste inconsciente.Freud se deu conta da constância com que a transferência ocorria nas diferentes relações estabelecida pelas pessoas no decorrer de suas vidas. Afirmando assim, que ele está presente na relação professor-aluno. Para Freud as transferências são reedições dos impulsos e fantasias despertadas e tornadas conscientes, ou seja, ganha vida novamente, agora não mais como passado, mas como relação atual. Assim, o professor pode torna-se a figura a quem serão endereçadas os interesses do seu aluno, porque é objeto de uma transferência. Portanto a idéia de que o aprendizado tem como fundamento a transferência está cada vez mais presente. Pode-se dizer que na relação professor-aluno a transferência se produz quando o desejo de saber do aluno se aferra a um elemento particular, que é a pessoa do professor. Transferir é então atribuir um sentido especial àquela figura determinada pelo desejo. Oi professor torna-se assim, depositário de algo que pertence ao aluno, com isso a figura do professor fica carregada de uma importância especial e é dessa importância que emana o poder que inegavelmente tem sobre o aluno, passando a fazer parte do cenário do inconsciente do aluno, assim a fala do professor é escutada através desta especial posição que ocupa no inconsciente do aluno. Ocupar o lugar designado ao professor pela transferência não deixa de ser um incomodo visto que precisa esvaziar-se como pessoa para dar lugar a um outro que ele desconhece. Porém, o que ocorre na maioria das vezes é a tentação de abuso do poder, ou seja muitas vezes o professor usa este poder para subjugar o aluno, impondo seus próprios valores e idéias, ou seja, o professor impõem ao aluno seu próprio desejo sobrepondo aquele que movia seu aluno à colocá-lo em destaque. A relação professor e aluno é complicada, pois só o desejo do professor justifica  que ele esteja ali, mas, estando ali ele precisa renunciar a este desejo.

            È necessário que o professor perceba a importância de se levar em consideração a subjetividade do aluno, percebendo que não poderá exigir do aluno um comportamento robotizado, fazendo com que este aluno seja apenas protótipo do professor, portanto, deve deixar que o aluno crie e recrie seu conhecimento e por meio da relações crie seu próprio caminho. 

 
Avalie este artigo:
(4 de 5)
11 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Roseli Gonçalves
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Professora Roseli Gonçalves, Pedagoga pela UEPA e professora de Lingua de Portuguesa UFPA. Especialista em Filosofia da Educação UFPA e Psicopedagoga UEPA. Professora da rede pública do municipio de Belém.
Membro desde fevereiro de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: